10 filmes para assistir quando está com saudade de alguém

10 filmes para assistir quando está com saudade de alguém

COMPARTILHE!

“Quem foge da saudade preso por um fio, se afoga em outras águas mas no mesmo rio.” Citando parte da linda canção “Saudade”, do gênio Paulinho Moska, começamos esse humilde artigo que fala sobre um sentimento intenso, vivido a cada segundos por muitos de nós que tem em sua casa o vazio.

Para tal, não existe cura, não existe explicação. Esse sentimento vira mais doloroso ainda quando estamos com saudade de alguém que amamos e por forças do destino, erros irreparáveis, falta de sorte, imaturidade, infantilidades, entendemos que não há volta, assim, deixamos que o beijo dure, deixamos que o tempo cure. Para ajudar a superar, o cinema pode ajudar.

url




O mundo do cinema no presenteou com inúmeras obras que falam sobre essa tal de saudade. Choramos, torcemos mas nem sempre as histórias terminam com um final feliz. A primeira coisa que a pessoa pensa quando está em um momento vulnerável é: “não posso ver esse filme de drama pois ele vai me derrubar!” Mas nem sempre isso é uma boa saída. Ver, sentir, entender os sentimentos e pontos de vista de outras histórias parecidas com a sua, pode ser uma bela saída para você enfrentar de queixo erguido toda essa tempestade.

Abaixo, 10 filmes que podem te ajudar a entender sua saudade, mesmo sabendo que essa é um eterno filme em cartaz.

 

10. Todas as Canções Falam de Mim




6264371031_ee682754df_z

Quanto mais vasto o tempo que deixamos para trás, mais irresistível são os pensamentos que nos convidam ao retorno. Passando pelo Brasil como um foguete, no já distante ano de 2010, o maravilhoso filme Todas as Canções Falam de Mim dirigido pelo espanhol Jonás Trueba, é uma jornada amistosa que fala sobre a palavra que não existe tradução em muitos outros idiomas, a saudade. A química que os atores Oriol Vila e Bárbara Lennie provocam em cena pode ser comparada com a que Julie Delpy e Ethan Hawke conseguem na trilogia amorosa de Richard Linklater.

Todas as Canções Falam de Mim chama a atenção de qualquer alma sensível por conta deste título maravilhoso. Mas o filme é muito mais que isso. É uma visão madura sobre a reconquista de um amor. Entre citações de grandes romancistas e músicas que confortam qualquer coração ansioso para amar novamente, o espectador é premiado com uma história sobre duas almas muito mais comuns na vida real do que no mundo mágico do cinema. Se você viveu ou vive alguma história parecida, ao final do filme escute seu coração. Quem sabe essa história não era o combustível que faltava para você reconquistar um grande amor?

O que esse filme ensina: Se você ainda ama alguém, LUTE POR ESSE AMOR! CORAGEM! Escreva um livro, um artigo, poste canções para ela. Nunca deixe de acreditar.

 

 

09. Ela

0cwbr889mwplnwa6kvxtcpti4

Se apaixonar é uma forma socialmente existencial de insanidade? Depois de apresentar ao mundo uma versão peculiar da tristeza por meio de metáforas e universos inimagináveis, no longa-metragem Onde Vivem os Monstros, o diretor norte-americano Spike Jonze volta aos cinemas, quatro anos depois, com um projeto audacioso que fala sobre o diferente relacionamento no futuro entre um homem e uma máquina, Ela. Com muita suscetibilidade aplicada nas ações dos personagens, o famoso diretor precisava de um ator completo para executar o complexo protagonista. E acreditem, não havia escolha melhor do que Joaquin Phoenix. O porto-riquenho de 39 anos conquista o público, já nos primeiros segundos, com um maravilhoso monólogo.

É muito difícil perder alguém que a gente gosta. Aos poucos o protagonista começa a entender que amar também é deixar ir embora. A melancolia do personagem é maravilhosamente bem interpretada pelo ótimo ator Joaquin Phoenix. Conseguimos sentir toda a tristeza, sentimentos e em certos pontos nos identificamos. Muitas vezes com sua emblemática camisa de cor salmão, o inteligente personagem, escrito por Jonze, tem um pensamento triste e constante de que já sentiu tudo que deveria sentir na vida e não sentirá nada de novo, só versões menores do que um dia já viveu. Sair dessa melancolia, sem a ajuda do Lars Von Trier, é uma caminhada muito bonita que acompanhamos atentos em cada detalhe, cada atitude do personagem.

O que esse filme ensina: O tempo te mostrará o caminho para curar a saudade, por mais que machuque ficar longe de quem você ama.

 

08. À Procura do Amor

enough-said1-480x300

Escrito e dirigido pela cineasta norte-americana Nicole Holofcener, À Procura do Amor é um filme de romance maduro e bastante sensível. O excelente roteiro consegue captar todos os detalhes que o público precisa para se familiarizar com a trama. Além disso, há um entrosamento fabuloso entre os artistas em cena. Julia Louis-Dreyfus e James Gandolfini merecem todos os elogios do mundo. Esse último deixa para seus milhares de fãs uma linda interpretação nessa espécie de despedida do fantástico mundo do cinema.

Quando a idade chega, as chances de viver uma linda história de amor fica cada vez mais rara. A protagonista entre nesse furacão emocional e incrivelmente apresenta uma imaturidade incomum, tomando uma série de atitudes equivocadas. A personagem principal é muito bem construída por Julia Louis-Dreyfus. Insegura, infeliz, gosta de tricotar e possui uma amizade maternal com a melhor amiga da filha.  Seus altos e baixos são vistos com os olhos atentos do público que percebe as desconstruções de personalidade ao longo da fita.

Esse, é um daqueles trabalhos que de tão sensível, passamos a torcer pelos personagens. Mesmo com as dores do passado, o medo de seguir e confiar no outro novamente, aos poucos a sabedoria e a experiência vão virando antídotos para curar aos que se machucaram. Sentados nos degraus de uma simples casa no subúrbio, confidências, carinhos, risos e esperança deixam o espectador decidir qual será o final dessa história.

Dica: Nunca feche as portas de seu coração mesmo se ele ainda estiver muito machucado.

 

07. Azul é a Cor Mais Quente

blue-is-the-warmest-colour_bx_imovision_pi

E vem da terra de Godard o filme mais quente deste ano, Azul é a Cor mais Quente. Dirigido pelo tunisiano Abdellatif Kechiche,  ganhador da Palma de Cannes, o drama francês é uma excepcional e comovente história recheada de diálogos árduos, cenas picantes e uma inteligente análise dos sentimentos humanos, feita de forma transparente, real e bastante atual. O longa metragem é provocante, chocante e ao mesmo tempo apresenta contornos dramáticos em forma de gestos de ternura e carinho de suas personagens. Esse é um filme que ficará na sua memória por muito tempo.

A construção da protagonista é maravilhosa, em certo momento do filme, motivada por inseguranças e ciúmes, a personagem enfrenta uma crise existencial. Admiradora de Kubrick, Scorsese e do cinema norte americano, Adèle se constrói e desconstrói durante os 180 minutos de fita. Na primeira fase da história, confusa e com desejos reprimidos sofre pressão do grupinho de amigas que faz parte.  Já na segunda fase, mais madura e completamente apaixonada, precisa enfrentar as dores de um amor que nasceu de forma bonita e se encaminha para um desfecho melancólico por conta das atitudes inconsequentes da própria personagem.

As conversas em alto nível intelectual vão agradar o público. As amantes dão um show de conhecimento das artes argumentando sobre quadros de Picasso e conversando sobre teorias de Sartre. Os cinéfilos são abençoados com duas grandes interpretações. Todos os prêmios do mundo para as atrizes Léa Seydoux (Adeus, Minha Rainha) e Adèle Exarchopoulos. Vocês não podem perder esse lindo trabalho. Um dos melhores filmes do ano, sem dúvidas! Bravo!

O que esse filme ensina: Vive intensamente todos os dias com seu amor, você nunca sabe o que pode acontecer. Na hora da saudade, se abrace nas coisas boas que viveram juntos. Não cura mas ajuda a continuar vivendo.

 

06. O Último Amor de Mr. Morgan

mrmorgans_f03cor_2013110955

O quão triste é perder alguém? Escrito e dirigido pela cineasta alemã Sandra Nettelbeck – que tirou leite de cabra da atriz Ashley Judd (Invasão à Casa Branca) no excelente filme Helen (2009) – O Último Amor de Mr. Morgan é um filme, vale dizer, sensível. Quem possui qualquer tipo de relação conturbada com seu pai terá suas estruturas abaladas. O vulnerável protagonista, interpretado brilhantemente pelo britânico Michael Caine (Truque de Mestre), guia o espectador  pela força que as imaginárias lembranças de sua falecida esposa tem sobre ele. Assim, somos jogados em um mar dramática cheio de emoções a todo instante.

O filme, um pouco mais forte do que um copo de água com assucar, é o retrato de muitas relações familiares. Lindas paisagens, de uma França moderna e nublada, é o cenário escolhido da complexa relação que Mr. Morgan possui com o mundo, sem sentido, em que vive. Pauline acende uma chama de esperança mas a chegada do que restou de sua família acaba ganhando contornos dramáticos, já no meio do longa-metragem, o que só faz crescer a expectativa do público sobre como acabará essa história.

O desfecho gera opiniões diversificadas, pois o personagem torna-se carismático aos olhos do público que torce para um final feliz. Qual o sentido de vida que o personagem busca? Qual o último amor de Mr. Morgan? As respostas podem surpreender você, afinal, poucas coisas são mais deprimentes do que cabides velhos.

O que esse filme ensina: Você deve guardar a saudade no cantinho do seu coração. Não deve perder a oportunidade quando a mesma bate na porta. Mas entendo quem pensa que a saudade é maior que qualquer nova oportunidade. Eu entendo.

 

05. Vulcão

Screen-shot-2011-06-06-at-14.49.141-600x360

Como reconstruir quando você só destrói? Falando sobre a busca da felicidade de um homem, o jovem cineasta islandês Rúnar Rúnarsson – em seu primeiro longa metragem –  transforma um conflito pessoal em uma obra de arte. Vulcão é o tipo de filme que você nunca ouviu falar mas que certamente vai querer debater sobre ele.

Theodór Júlíusson – o ator que interpreta o protagonista da história – tem uma atuação fabulosa. Não perde um segundo o foco de seu difícil personagem, o que facilita a exposição dos conflitos para o espectador.  Toda a dor, angústia, aflição, insegurança e desespero são mostrados com uma verdade que impressiona. A todo instante, o público interage com a trama e sai do cinema sem saber se Hannes é o vilão ou o mocinho dos fatos.

A cena mais importante da película, a do travesseiro, expõe o tão longe do seu limite emocional o protagonista ja se encontrava. A dor dá lugar à compaixão, podemos interpretar não como uma despedida mais um ato de socorro de quem quer recomeçar mais escolheu muito tarde essa opção. É uma parte tocante, uma espécie de clímax desta dramática história. Diretamente das lindas paisagens geladas da Islândia uma pérola cinematográfica brota. Vejam, não há como se arrepender. Fabuloso. Bravo!

O que esse filme ensina: Não deixe de amar ao próximo nem um segundo por dia. Quando esse próximo vai embora, nossa saudade tem que ser sustentada por momentos maravilhosos. Se você assistir a esse filme com alguém que ama, certifique-se que ele não seja o último filme que viram juntos. É aterrorizante ter esse fato preso dentro de seu coração, mesmo que o filme seja maravilhoso.

 

04. Elena

elena-abre

Elena, sonhei com você essa noite.” Falando sobre um dos sentimentos mais sinceros e profundos, Elena é mais do que um documentário família. O projeto dirigido pela cineasta Petra Costa é um retrato delicado sobre a saudade. A diretora revive memórias tristes e distantes de sua irmã, Elena Costa,  que cometeu suicídio na década de 80 nos Estados Unidos.

Elena conheceu Coppola, dançou em muitos ritmos, se jogou na difícil carreira de atriz. Porém, como em toda vida, nem tudo era perfeito. Quando a solidão se une à desilusão percebemos a desistência de um coração triste. Elena vivia em conflito, completamente sem direção. As dificuldades da profissão foram aos poucos derrotando a jovem artista nos levando a um desfecho trágico que mais parece um desabafo profundo, uma necessidade constante de respirar.

Um documentário muito parecido com os filmes metafóricos de Mallick. Aperta o coração em alguns momentos e tenta camuflar a dor de forma bela. Busca que o público também encontre algum alívio para o que vê nas pequenas brechas da poesia. Reúne o passado e o presente de forma inteligente mas longe de ser linear. A trilha sonora é empolgante, joga o publico para dentro de todo aquele drama. Profundo e inesquecível, um documentário que beira ao espetacular. Você precisa conferir essa experiência. Bravo!

O que esse filme ensina: Nunca esqueça alguém que foi importante para sua vida. Faça homenagens, compartilhe os bons momentos principalmente quando a saudade bater.

 

03. O Abismo Prateado

O-Abismo-Prateado

Quando chega a hora de sair do conflituoso cotidiano. No novo trabalho do diretor Karim Ainouz (O Céu de Suely) passeamos pelas ruas de Copacabana acompanhando um desespero de um alguém surpreendentemente abandonado tentando encontrar respostas, porém, perdida em um mar de solidão sem fim. A proposta do filme, baseado em uma letra de Chico Buarque, é bem franca, detalhar o desespero da não aceitação de um término matrimonial.

Abismo Prateado é praticamente um monólogo de Negrini. Conhecemos a história pelos olhos e aflições de sua personagem. A bela atriz consegue levar o filme para um lugar interessante deixando o conflito ser discutido e opinado pelo espectador. A câmera do diretor tenta captar toda aquela inconstância muito bem exemplificada na dança frenética e desesperante estilo Flashdance, na cena da boate, que mostra também um lado cinéfilo do personagem, da atriz ou do diretor.O longa tem uma pegada européia. O roteiro, que possuía uma dificuldade enorme por ser uma adaptação de uma letra de música, não apresenta graves problemas. Se justifica na construção do personagem.

O que esse filme ensina: Para tornar possíveis mudanças profundas em nossas vidas, por mais que a saudade bata o tempo todo, você tem que estar certo de sua decisão. Qualquer dúvida haverá um sofrimento em dobro.

 

02. Era uma vez Eu, Verônica

9tujpzheorbmmj1vf9l9gngy5

É possível viver uma vida em conflito? Dirigido pelo elogiado diretor Marcelo Gomes, Era uma vez eu, verônica é um longa que possui pensamentos fortes, impactantes. A cena inicial é profunda, nua e exposta, ligando-se aos instintos e aos êxtases daquele momento. Paciente de si mesmo, a personagem principal vai se tornando complexa, sem dependência ao romance; sexo vira só sexo. O filme a toda hora parece que vai cair em um vazio existencial, mas consegue, seja em um bom diálogo ou em uma frase que faz muito sentido, suprir e apresentar razões para todos os conflitos que vemos e sentimos.

Louvável a entrega da protagonista Hermila Guedes (do excelente O Céu de Suely). Suas expressões e a transmissão das emoções para o público são os pontos altos dessa ótima atuação. O filme é todo de sua personagem, seu dia a dia é ouvir os problemas dos outros e tentar uma solução para os seus próprios. Mas quem a escuta? Como fica refém de si mesmo, somos jogados na história por um ritmo que é ditado por pausas existenciais, ressaltando de uma outra forma a essência daqueles bons diálogos. Depois de alguns acontecimentos, há uma transformação da personagem, rumando para uma tentativa de viver um amor e a confiança no novo trabalho.

“Tá tudo padronizado em nosso coração”. A trilha sonora é cirurgicamente bem entrosada com a erupção de sentidos que observamos. Não é um filme fácil de digerir. A liberdade dos corpos nos apresenta a importância dos sentidos para a protagonista. Como é algo muito particular, o público pode sentir dificuldade de entender algumas passagens – porém, não pode deixar de conferir esse ótimo filme nacional. Bravo!

O que esse filme ensina: Para ser feliz precisamos entender muito bem a nós mesmos. As pessoas medrosas giram e não saem do lugar onde vivem. Lute pelo seu amor!

 

01. Celeste e Jesse para Sempre

Celeste and Jesse Forever_festival_do_rio_macacomalandro_2

Com uma abertura trivial mas criativa Celeste e Jesse para Sempre dava a entender que seria mais um filminho bobinho sobre casais e seus problemas amorosos afetivos. Bem, se enganará quem pensar assim. O novo trabalho do cineasta Lee Toland Krieger é um drama com pitadas de humor mais profundo do que parece a princípio. Existem histórias de amor ‘cult’ comuns e outras apenas ‘light’, essa fita se encaixa eu todas essas características pois tem um roteiro maduro que transforma os personagens ao longo da fita.

Na trama, conhecemos a relação de divórcio esquisita entre ex-pombinhos Celeste e Jesse que estão se separando mas vão juntos a todos os lugares, fora as brincadeirinhas infantis típico de muitos relacionamentos. Celeste é uma mulher bonita, inteligente que é analista de tendência e possui uma empresa de marketing. Já Jessie é um designer que não gosta muito de trabalhar  e adora ficar em casa, abrindo salgadinhos embalados e chorando vendo os ‘Vt’s’ das olimpíadas de Pequim. Com o passar do tempo e com novas pessoas circulando na vida social da dupla, perguntas e muitos conflitos vão começando a se formar. Ao subestimar a relação de anos em que vivia Celeste aos poucos percebe que cometeu um erro e tenta consertá-lo a todo instante. Entre um encontro e outro o espectador fica com um leque aberto de opções para chegar até o desfecho.

O que esse filme ensina: Há amor onde menos esperamos. Às vezes não sabemos porque amamos, porque sentimos saudades. Temos que seguir em frente mas sempre lembrando do filme mais bonito que já vimos, o amor da realidade.

CAM14321

Curta nossa ENTREVISTA com a Nina Dobrev:


» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «