A Trajetória do Brasil no Oscar

A Trajetória do Brasil no Oscar


🍿 URGENTE! Inscreva-se no nosso canal do YouTube para receber vídeos EXCLUSIVOS e PROMOÇÕES! 🍿



Com cerca de 120 anos de história, o cinema nacional já pôde construir um percurso interessante na maior premiação da indústria cinematográfica

Foi com o compositor Ary Barroso, que o Brasil conseguiu sua primeira entrada nos Prêmios da Academia. Em 1945, o brasileiro conquistou uma indicação de ‘Melhor Canção Original’, pela sua composição ‘Rio de Janeiro’, qual fazia parte da trilha-sonora do filme estadunidense chamado ‘Brasil’ (1944).

Dezoito anos depois o Brasil volta à premiação, com o aclamado ‘Pagador de Promessas’ (1962), indicado a Melhor Filme Estrangeiro. Vencedor do Palma de Ouro, a produção nacional acabou perdendo o Oscar para ‘Sempre aos domingos’, um longa-metragem francês.

Na década de 1990 o cinema brasileiro conseguiu emplacar três produções na categoria melhor filme estrangeiro: ‘O Quatrilho’ (1995), ‘O que é isso, companheiro?’ (1997) e ‘Central do Brasil’ (1998). O último conseguiu emplacar uma nomeação para Fernanda Montenegro, na categoria de melhor atriz principal, e até hoje Fernanda é a única intérprete brasileira a conseguir tal feito.




Dois anos depois o Brasil volta à premiação, em um minifilme narrado por Antônio Fagundes e que conta de forma fictícia as aventuras da infância de Pelé. ‘Uma História de Futebol’ (1998), concorreu à estatueta de melhor curta metragem em 2001.

Em 2004 acontece algo inédito para o Brasil, na maior premiação cinematográfica. Lançado em 2002, ‘Cidade de Deus’ chegou a ser representante do país na edição de 2003 – na categoria melhor filme estrangeiro –, mas acabou não sendo nem pré-indicado.  Ganhando exibições nos cinemas internacionais em 2003, o longa se tornou legível para concorrer ao Oscar no ano seguinte. Assim, ‘Cidade de Deus’ acabou se tornando o filme nacional com o maior número de indicações aos Prêmios da Academia, totalizando 4 nomeações: melhor diretor, melhor roteiro adaptado, melhor edição e melhor fotografia.

Com a animação norte-americana ‘Rio’ (2011), o Brasil ganha novamente representantes na categoria melhor canção original. A música ‘Real in Rio’, composta por Carlinhos Brown e Sergio Mendes, em parceria com Siedah Garrett, disputou a estatueta com ‘Man or Muppet’ de ‘Os Mupppets’ (2011). Em um ano onde só duas canções concorriam, a obra composta pela dupla de brasileiros acabou sendo derrotada.

Já em 2016, uma grande surpresa aconteceu, com ‘O Menino e o Mundo’. Sendo oficialmente lançando em 2014, mas chegando aos cinemas internacionais no ano seguinte, a animação brasileira independente conquistou prêmios importantes e emplacou uma indicação ao Oscar de Melhor Animação. E essa é, até o momento, a última indicação oficial do Brasil aos Prêmios da Academia.

Não esquecendo de Carlos Saldanha, o brasileiro que esteve envolvido em produções estrangeiras indicadas aos Prêmios da Academia. Pois ele codirigiu ‘A Era do Gelo’ (Melhor animação, em 2003) e dirigiu ‘A Aventura Perdida de Scrat’ (Melhor Curta Metragem de Animação, 2004).

PARCERIAS

Nosso país nunca ganhou uma estatueta dourada definitivamente, mas coproduções brasileiras já tiveram esse prazer. Exemplo ‘Orfeu Negro’ (1959), que é um filme baseado em uma peça de Vinicius de Moraes, totalmente falado em português. Uma parceria entre o Brasil, Itália e França, a qual acabou ganhando o Oscar de melhor filme estrangeiro em 1960, mas não se engane, o Oscar foi apenas para os franceses, já que o longa era representante do país.

Vinte e seis anos depois, uma produção brasileira-estadunidense é indicada aos Prêmios da Academia, ‘O Beijo da Mulher Aranha’ (1986). Uma história ambientada no Brasil, com um elenco quase todo brasileiro e que recebeu quatro nomeações ao Oscar, incluindo melhor filme e rendeu uma estatueta de melhor ator para o americano William Hurt.

Em 2005 ‘Diários de Motocicleta’, dirigido por Walter Salles (Central do Brasil), conseguiu emplacar duas nomeações na maior premiação do cinema: melhor roteiro adaptado e melhor canção original – acabou ganhando a segunda citada – pela música ‘Al otro lado del río’. Sendo uma produção dirigida por um brasileiro, o filme foi produzido pelos seguintes países: Argentina, Brasil, Chile, Reino Unido, Peru, Estados Unidos, Alemanha e França.

Já em 2011 é indicado a melhor documentárioLixo Extraordinário’ (2010), que tem como tema o artista plástico brasileiro Vik Muniz, mas é uma indicação cercada de polêmica. Sendo uma produção anglo-brasileira, a Academia só creditou os britânicos Angus Aynsley e Hank Levine, e acabou esquecendo o codiretor brasileiro, João Jardim. Mas o longa acabou perdendo para o documentário, ‘Trabalho Interno’ (2010).

De uma produção da companhia francesa Decia, com colaboração de produtoras do Brasil e da Itália, nasceu ‘O Sal da Terra’ (2014), que mostra a obra de Sebastião Salgado e sua proximidade com ela. Mas no mesmo ano concorria o filme que relatava sobre o vazamento de segredos dos EUA por Edward Snowden, que acabou ganhando a categoria de melhor documentário em 2015.

Vale lembrar que ‘Central do Brasil’ é um filme franco-brasileiro, mas quando foi indicado ao Oscar, estava representando pelo Brasil.

 





Inscreva-se em nosso canal e receba conteúdo exclusivo » http://goo.gl/mPcJ5c