Crítica 2 | Sniper Americano

Crítica 2 | Sniper Americano

COMPARTILHE!

POR QUE AINDA TANTOS ACREDITAM NO NARRADOR?!

 

Sniper Americano (American Sniper) é a maior bilheteria do diretor Clint Eastwood. Apesar do Oscar, a bilheteria foi turbinada mesmo pelas polêmicas. A crítica e o público norte-americano dividiram-se. Para alguns, o filme é militarista e glorifica um assassino frio e desumaniza os iraquianos. A outra parte do público abraçou o filme, seja por enxergar e concordar com a dita glorificação seja porque percebeu que o filme não é sobre glória, mas sobre devastação.

Parte das acusações contra Sniper Americano veio das credenciais políticas de Clint, um republicano histórico; o Partido Republicano é o de George W. Bush, que promoveu a guerra do Iraque. Seja por má-fé ou apenas pela obviedade de que o autor ter ligações com sua obra!, muitas pessoas viram o filme como propaganda de guerra – algo que Hollywood fez e faz. Acontece que essa é uma leitura extremamente reducionista.

sniperamericano-11

Participe do nosso GRUPO ESPECIAL do Facebook » https://goo.gl/kg8NYU

     

Sniper Americano narra a história verídica de Chris Kyle, sniper com 160 mortes registradas no Iraque. Clint, como alguém que conhece o drama dos veteranos, quis expor a devastação psicológica que uma guerra causa em seus soldados. Bradley Cooper, interprete de Chris Kyle e também produtor, transmite a pressão que um soldado sofre em zona de guerra. Clint alterna os instantes de guerra com momentos de Kyle nos EUA. É bem clara como a tensão do front é transportada para dentro de casa. Em certas cenas, os ruídos domésticos mimetizam tiros, demonstrando o quanto a guerra consome a alma de seus soldados. São detalhes que não passarão despercebidos do público. Quero, nesta resenha, mostrar que o filme não é pró-guerra nem uma glorificação de seu protagonista, mesmo com elementos que, numa primeira leitura, possam sustentar tais teses.

Primeiro, as cenas de guerra – muito bem filmadas – são dirigidas com altos níveis de tensão e, sim, pelo ponto de vista de Kyle. Segundo, Kyle verbaliza uma visão brucutu da vida, encarando seus inimigos como animais. Terceiro, os iraquianos são retratados, em grande parte, como os vilões do filme, havendo, claramente, um “nós e eles”. Kyle é um norte-americano que está indo salvar o mundo dos animais iraquianos. Mas, vejam, eu disse, em grande parte.

Em Sniper Americano, enxergamos a guerra pelo ponto de vista de Kyle, um soldado rude e ufanista. Ora, se o filme adota um ponto de vista, é natural que haja alguma empatia com seu protagonista. Clint coloca a câmera na perspectiva de Kyle, sem endossar essa visão, necessariamente.

americansniper

A visão do inimigo como um selvagem, a tensão e a adrenalina que sentimos nas cenas de batalhas e a ideia da guerra como algo heroico não são um endosso da guerra, mas uma forma de nos aproximarmos da visão de Kyle. É sem dúvida uma opção dramática arriscada, permitindo que se atribua ao diretor as intenções da personagem que deseja retratar. O espectador deve estar alerta para puxar os (em gerais, discretos) fios que permitem identificar a intenção do autor.

Assim como Tropa de Elite 1 é um filme contra o Capitão Nascimento (Wagner Moura), Sniper Americano não exalta a perspectiva de seu protagonista. Clint vai deixando pistas para uma leitura da obra como uma exposição da devastação que a guerra causa nos soldados. Claro que ele está interessado nos soldados norte-americanos. O que é compreensível: o stress pós-guerra é um problema pouco lembrado pelos norte-americanos.

As dificuldades que Kyle passa em casa vão contra a ideia de que o filme defende a guerra. Inclusive, Clint disse não ter sido à favor da guerra, mas uma vez que ocorra, seu desejo é que os soldados cumpram seu dever e voltem vivos. Há elementos: as mortes dos colegas, a visita aos veteranos feridos, o diálogo entre Kyle e o psicólogo são alguns exemplos. A motivação de Kyle para se inscrever no exército – o ataque do 11 de setembro – e a exposição da guerra do Iraque, se pode ser lido como um absurdo histórico do roteiro, também pode ser lido como a falta de lógica das motivações dos soldados e da guerra.

sniperamericano-1

A forma como os iraquianos foram representados foi muito criticado. Contudo, é preciso desconsiderar o ponto de vista escolhido e a aparição de uma família iraquiano que sofre com a guerra ou a cena na qual uma criança iraquiana é morta por outro iraquiano. “Ah, mas essa foi a cena que mais desumanizou o inimigo! Muito maniqueísta!” Bom, para quem diz isso, deve-se lembrar que o povo da região é o que mais sofre nesses casos – e já sofria antes da guerra – e, mesmo a guerra tendo sido iniciada pelos EUA, não há justificativa quando iraquianos atacam iraquianos. Há outra razão para esse afastamento em relação aos inimigos: Kyle é um sniper, uma classe de soldado que fica distante da ação. Por conceito, o sniper enxergará o inimigo à distância. De certa forma, o filme apenas nos coloca nesse lugar.

Muito mais ambíguo podem ser as sequências do treinamento militar, que expõem a maquina de desumanização que o exército é. Por outro lado, se a guerra é brutal e desumana, haveria outro jeito de treinar os soldados? Também ambíguo é o papel do sniper na guerra. O filme expõe a tensão e os problemas do distanciamento, mas reconhece sua importância para proteger os soldados do seu batalhão.

O principal elemento para justificar que o filme não torna Kyle herói está nas cenas de sua infância. Nela, estão as raízes de um homem com visão rude e monossilábica do mundo. Parte da crítica entendeu esse trecho como prova da visão simplista do filme. Mas, é preciso desconsiderar que Clint já falou tanto da situação do homem destruído quanto da lógica da violência gerando violência, como em Grand Torino e Sobre Meninos e Lobos. Enfim, a maior defesa de Sniper Americano está na carreira de seu diretor.

American_Sniper_1

Clint poderia ter feito um segundo filme expondo o lado dos iraquianos, como fez em Cartas de Iwo Jima e A Conquista da Honra? Poderia. Mas, ficar pedindo que um artista faça um trabalho “sobre o outro lado” é caçar seu direito de escolher um ponto de vista narrativo – ou defender uma tese. É tão patético quanto alguém, no Facebook, criticando uma manifestação que tenha apenas um foco.

Apesar de tudo, não coloco Sniper Americano entre as melhores obras de Clint. Apesar das qualidades, poderia ter sofisticado mais os espaços de crítica ao protagonista. Devemos reconhecer a sempre ousadia da opção por um foco narrativo tão fechado. Ver um filme assim é didático: é fácil abraçar o ponto de vista do protagonista e tomá-lo como o do autor, mas, esse tipo de obra permite ao público colocar em xeque o próprio protagonista.


As Duas Cenas Pós-Créditos de Liga da Justiça


» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

[AVISO] Os comentários passam por uma aprovação e podem demorar até 24 horas para serem disponibilizados no site. Comentários com conteúdo ofensivo serão deletados, e o usuário pode ser banido. Respeita a opinião alheia e comporte-se.