Crítica | Atômica – O filme de ação mais sensual do ano

Crítica | Atômica – O filme de ação mais sensual do ano

COMPARTILHE!

Ah, Charlize Theron <3

David Leitch, dublê transformado em diretor, já pode ser considerado um dos cineastas mais visualmente estilosos trabalhando hoje em Hollywood. Sua estreia em De Volta ao Jogo (o primeiro John Wick, para os íntimos), de 2014, não foi creditada, é verdade, mas o dedo do sujeito estava ali, sintonizado com o colega Chad Stahelski, igualmente saído do mundo dos stunts e diretor “oficial” do longa. Stahelski seguiu sozinho para a continuação das aventuras do matador interpretado por Keanu Reeves, e a pompa estética seguiu junto – recebendo ainda mais elogios da imprensa especializada.

Poderíamos até dizer que Stahelski era a força da dupla, não fosse por este Atômica, lançado agora na segunda metade do ano, mostrando que Leitch igualmente manja do riscado, sem dever nada para sua contraparte inicial. O resultado de seu primeiro filme solo já levanta todas as expectativas nerds de plantão para seu próximo projeto, Deadpool 2, continuação do sucesso de 2016, em fase de filmagens.

Atômica (ou Atomic Blonde, Loira Atômica – título mais legal ainda) é baseado nos quadrinhos The Coldest City (título usado anteriormente para o longa), de Antony Johnston e Sam Hart, e o cineasta consegue transpor com eficiência o clima pulsante do imagético exagerado. Muitas cenas são verdadeiras pinturas vivas, transbordando o clima cool, contido apenas em lugares fora do real.

     

Pode-se argumentar também que o recheio deste bolo não é tão saboroso quanto sua cobertura, mas os detalhes dos confeitos são tão minuciosamente trabalhados, que não nos deixam pensar em mais nada. Na verdade, o que Leitch faz aqui é brincar, e muito, com a forma. Assim como já havia feito em De Volta ao Jogo, que virou de cabeça para baixo a fórmula do “filme de vingança”, acrescentando nas entrelinhas frescor suficiente para acharmos que tudo aquilo era novidade, ele repete a dose, com sua brincadeira com os filmes de espiões.

Na trama somos transportados de volta para os anos 1980 – para o último ano de tal década para ser mais preciso. O cenário é a Alemanha, Guerra Fria, na época da queda do muro de Berlim, que dividia o país. Lorraine Broughton (Charlize Theron) é uma agente do MI6, serviço secreto britânico, em missão para recuperar uma lista contendo os nomes de diversos espiões como ela (Missão: Impossível, alguém?), que serão revelados se caírem nas mãos erradas, ao mesmo tempo em que tenta descobrir o assassino de um antigo colega de profissão – e algo mais que isso – e em que circunstâncias se deu sua morte.

Uma vez no país, a exímia espiã (e quando digo exímia, quero dizer quase sobre-humana) terá como guia o agente infiltrado David Percival (James McAvoy), cuja lealdade pode estar comprometida e ter cambiado devido ao intenso disfarce de anos. E não apenas isso, como diz o superior da protagonista: “não confie em ninguém”. Atômica tem uma história simples, feita complicada devido às inúmeras reviravoltas de personagens e situações, daquele tipo no qual não sabemos quem está jogando para quem e por quê.

Atômica é um deleite. As cenas de ação, frisando mais as lutas e coreografias aprendidas pela musa Theron, e replicadas à perfeição no longa, são o que todos querem ver, afinal o filme é vendido por elas. Muitos tiros, violência e pancadas. Devido a censura do longa, aqui podemos sentir de verdade as consequências das brigas. Olhos roxos, hematomas espalhados por todo o corpo, e sangue até não poder mais. O realismo é enfatizado de forma crua e muito visceral, portanto não espere algo cartunesco como algumas fases de James Bond.

Fora isso, existe também muito humor implícito em Atômica. O roteiro adaptado por Kurt Johnstad (300) cria diálogos rápidos e recheados de ironia. As trocas entre o doce canalha Percival de McAvoy são o contraponto perfeito para a mulher autossuficiente e empoderada de Theron. Num dos diálogos mais sacanas, o sujeito cai de amores aos seus pés declarando: “acho que te amo”, ao que a ácida protagonista não hesita em retrucar: “que pena”.

Por falar em protagonista empoderada, Lorraine Broughton é uma das personagens femininas mais originais dos últimos tempos, e Charlize Theron é dona dela com gosto. A atriz vencedora do Oscar se entrega com tamanho comprometimento, realizando além das cenas ininterruptas de ação (a cereja no topo do bolo), momentos pra lá de sensuais, mostrando que a heroína pode ser e fazer o que quiser, inclusive se comportar como predadora sexual quando o momento lhe convir. E por que não? Em uma cena ao lado da exótica Sofia Boutella (A Múmia), que interpreta a misteriosa Delphine Lasalle, as atrizes incendeiam a tela.

E você pode até dizer, mas Angelina Jolie e Milla Jovovich já viveram o mesmo tipo de personagem em outras produções. E se você disser, estará equivocado. Lorraine exibe o comportamento da mulher moderna, mesmo em 1989. Ao ponto de acharmos que a personagem era originalmente um homem, reescrito como mulher, sem mudar qualquer traço de sua personalidade – como costumam erroneamente muitas vezes fazer.

McAvoy está especialmente bom com seu complexo personagem, tirando muito humor das situações. Mas não há como negar que o filme é Theron, e somente uma atriz que acredita num projeto, consegue vende-lo de tal forma. Em um momento quando está sendo interrogada por seus atos pelos superiores, Theron olha para a câmera de forma tão intensa, que somos nós na plateia que nos sentimos constrangidos e desviamos o olhar. Por esta olhada, sentimos a ameaça de uma verdadeira femme fatale, tipo de personagem que Theron tem se especializado, no entanto, a cada incursão criando uma nova abordagem (seja a caricata Rainha Ravenna de Branca de Neve e o Caçador, a fria e robótica Vickers de Prometheus, a sofrida heroína relutante Furiosa de Mad Max: Estrada da Fúria, ou a calculista Cipher de Velozes e Furiosos 8 ), sua abrangência é ampla deste jeito.

Tudo o que nos resta é esperar por um possível retorno de Lorraine às telonas. Ou quem sabe num crossover com o personagem que seria seu par perfeito: John Wick – criando assim a terceira parceria entre seus intérpretes no cinema, depois de Advogado do Diabo (1997) e Doce Novembro (2001).

Ps. A fotografia Jonathan Sela (De Volta ao Jogo) é hipnótica, de cores neon vibrantes, dá o toque almejado de sedução, e a trilha sonora, composta somente de sucessos dos 80´s – incluindo uma grande favorita deste que vos fala (Cities in Dust, de Siouxsie and the Banshees), empolga e precisa estar na playlist de todos.


Após ‘Mãe!’, Darren Aronofsky gostaria de comandar ‘O Homem de Aço 2’!


» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

[AVISO] Os comentários passam por uma aprovação e podem demorar até 24 horas para serem disponibilizados no site. Comentários com conteúdo ofensivo serão deletados, e o usuário pode ser banido. Respeita a opinião alheia e comporte-se.