Crítica | Corpo Elétrico – cinema nacional representativo

Crítica | Corpo Elétrico – cinema nacional representativo

COMPARTILHE!

Liberdade Extrema

O conceito de liberdade, e as novas tintas que a ele se agregam, inerentes do mundo moderno, é o cerne de Corpo Elétrico – primeiro longa-metragem do cineasta Marcelo Caetano, assistente de direção em filmes como Tatuagem (2013), Boi Neon (2015) e Mãe Só Há Uma (2015). Assim como nas obras em que trabalhou, Caetano dá voz a um cinema antes tido como marginal, e que ganha cada vez mais verve devido ao seu cunho representativo.

Escrito pelo próprio diretor, em parceria com Gabriel Domingues e Hilton Lacerda (Árido Movie e Febre de Rato), o longa segue Elias (Kelner Macêdo) jovem gay e paraibano, vivendo em São Paulo. Sua existência atual divide-se entre o trabalho numa confecção de roupas próspera, na qual tem importante cargo, e a vida pessoal, onde constam confraternizações com os amigos (muitos do trabalho) e encontros sexuais.

Elias, o protagonista de Caetano, é a representação e símbolo de uma geração. Sua relação social surge como aspiração para um mundo inclusivo, longe de violência e mazelas. É interessante notar como o cineasta preza o amor em sua obra, se mantendo distante de problemáticas ou qualquer conflito do mundo exterior. Esse tipo de sentimento que permeia Corpo Elétrico pulsa como discurso político de aceitação necessária, vislumbrando o quão simples as coisas poderiam ser.

     

Fora isso, a obra do cineasta aposta em riqueza visual, enaltecendo o valor de produção. Num plano-sequência por uma rua desértica, vemos os colegas de trabalho caminhando e simplesmente conversando, a cada novo membro do grupo que chega e é agregado à cena, a tomada ganha novas proporções, constituindo um misancene ousado para uma produção pequena e de poucos recursos. O mesmo ocorre em outro momento, com a câmera parada e os personagens em volta da mesa, interagindo e comendo. Novamente, em outra cena, Caetano aposta na estética quando filma um mar de guarda-chuvas pelas ruas da metrópole, confeccionando uma dança sem música.

Jogando contra, existe certa estática de narrativa. Como se o roteiro permanecesse estacionado num momento único da jornada do protagonista, sem evolução, ou interesse para algo além, para sabermos mais, uma vez compreendido e estabelecido quem é Elias e os que o cercam.

Voltando ao primeiro parágrafo, e ao conceito de liberdade, não existe ou não deveria existir a estigma de liberdade demais. Esta liberdade extrema é representada em dois momentos em Corpo Elétrico. Primeiro, quando o corpo de Elias flutua no mar sem rumo. E depois, em sua resposta sobre o desejo de não retornar ao trabalho, o qual foi o responsável por parte de suas amizades e lhe promete um futuro enriquecedor (a dona da confecção vai para Londres, com a promessa de um dia levar Elias com ela). É poder estar livre de ambições profissionais e financeiras. O Corpo Elétrico, cuja energia está em querer ser o que quiser sem se conter, é a liberdade extrema.


Crítica 'Mãe!' | O filme mais insano de 2017!


» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

[AVISO] Os comentários passam por uma aprovação e podem demorar até 24 horas para serem disponibilizados no site. Comentários com conteúdo ofensivo serão deletados, e o usuário pode ser banido. Respeita a opinião alheia e comporte-se.