Crítica | Força Para Viver

Crítica | Força Para Viver

COMPARTILHE!

Debutando na carreira de diretor (dessa vez pra valer, já que havia dirigido um filme feito para TV, Lip Service, na década de 80), o fabuloso ator William H. Macy reúne um elenco primoroso para contar uma história dramática sobre um pai em busca de redenção para um terrível trauma em sua vida. O nova iorquino Billy Crudup foi o escolhido para ser o protagonista, concorreu pela vaga com outros atores e a produção do filme não poderia ter escolhido melhor, Crudup emociona em cada cena, é algo tão tocante que deve gerar todos os tipos de reações do espectador, sem dúvidas uma das melhores atuações do ano.

1196276_Rudderless

Na trama, conhecemos o confiante e bem sucedido Sam (Crudup), um pai de família que vive intensamente seu cotidiano fazendo dinheiro com seu estável trabalho. Certo dia, uma grande tragédia acontece na biblioteca onde seu filho estudava e esse fato muda completamente o protagonista que se joga no alcoolismo, muda de cidade e vai morar em um barco bem longe de casa. Passados dois anos, agora trabalhando como pintor e sem muitas pretensões na vida, Sam recebe de sua ex-mulher Emily (interpretado pela sempre maravilhosa Felicity Huffman) uma caixa com alguns pertences do filho e isso o faz despertar para um elo esquecido que eles tinham, a música. Preso ainda pelos pensamentos doloridos de seu passado, Sam embarca numa jornada musical, principalmente quando conhece o carismático Quentin (Anton Yelchin) e resolve criar uma banda.




As canções chegam para Sam de maneira impactante, o aproxima novamente de seu filho. Eles possuíam uma boa relação mas pouco se viam, esses pensamentos de nunca poder estar tão presente na vida do filho, de querer voltar no tempo, praticamente destrói o protagonista por dentro. Conseguimos sentir toda a angústia e amargura desse grande personagem por conta da espetacular atuação de Billy Crudup. Com o sucesso que o filme fez em Sundance e em outros festivais, não será nenhuma surpresa se Crudup aparecer na lista dos principais prêmios do cinema no ano que vem. Vale também os destaques para a boa direção de William H. Macy que não resistiu e também aparece no filme, e para Felicity Huffman que personifica a dor na figura materna.

Tem um grande detalhe nesse belo roteiro que é revelado somente perto do desfecho, o que faz nós espectadores entendermos melhor toda aquela angústia e as escolhas que o personagem principal tomou após a tragédia. As músicas que ouvimos durante toda a fita, possuem uma melodia, uma letra, tão empolgante que se tornam um antídoto contra qualquer tristeza que possa estar preenchendo nossos dias. Afinal, a vida não é uma eterna arte de se reconstruir? Por isso: Respire fundo, conte as estrelas, deixe o mundo rodar sem você.

Curta nossa ENTREVISTA com a Nina Dobrev:


» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «