Crítica | Geraldinos

Crítica | Geraldinos

COMPARTILHE!

Uma das grandes graças do maracanã, a alegria do povo, uma história que infelizmente só iremos ver nos registros e nos depoimentos apaixonados pelo mundo da bola. Dirigido por Pedro Asbeg e Renato Martins, o longa-metragem Geraldinos presta uma homenagem ao grupo de torcedores mais famosos de um estádio de futebol brasileiro. Com imagens históricas de uma época em que o torcedor podia acompanhar seus ídolos de pertinho, o filme navega por depoimentos e imagens marcantes de um época que bate saudade.

Geraldinos investe forte na lógica de preencher seu espaço até virar um longa-metragem com imagens interessantes que compõem uma narrativa saudosa e simpática. Já no segundo arco, o projeto vai a fundo na questão do extermínio da geral. Antigamente, desde a década de 50, o maraca era uma grande arena da democracia, ingressos a preços populares que reunia todas as classes sociais em volta de um jogo. Após a entrada de empresas, todo o processo polêmico de privatização, no comando deste patrimônio cultural a cidade, tudo aquilo que existia se foi, mesmo sabendo que a cultura que o futebol representa é maior que qualquer empresa privada.

Com depoimentos de grandes ex-jogadores e competentes jornalistas esportivos cariocas como Apolinho, o galinho Zico, o baixinho Romário, Lúcio de Castro vamos percebendo a tristeza nas falas por conta do extermínio de um ponto do mais conhecido estádio do planeta que nunca poderia ter se encerrado. Chegamos a conclusão que é uma derrota de um projeto de cidade, a eletização dos espetáculos da cidade de alguma maneira reflete em um maracanã mais fraco, que é para alguns e não para todos.




Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema!


Não esqueça de CURTIR nossa MATÉRIA ESPECIAL: