Crítica | Guardiões da Galáxia Vol. 2 – tão bom quanto e mais engraçado

Crítica | Guardiões da Galáxia Vol. 2 – tão bom quanto e mais engraçado

COMPARTILHE!

Em nome do pai

Guardiões da Galáxia (2014) é um caso raro mesmo dentro de uma filmografia expressiva como a dos estúdios Marvel. Reverberando a era das marcas pré-estabelecidas, foi de certa forma esperado que produtos como Capitão América, Thor e Homem de Ferro (embora este último tenha sobressaído todas as expectativas) emplacassem no gosto dos fãs, seguido por sua qualidade conquistando os demais. Guardiões, no entanto, era a aposta mais arriscada da mega empresa, por jogar os holofotes em personagens obscuros do nível C (se Homem de Ferro era do time B).

Provando que quando existe qualidade qualquer material pode se tornar sucesso, Guardiões rendeu um dos filmes mais elogiados da casa, e abriu as portas para novas marcas nível C da empresa, vide Homem-Formiga (2015) e Doutor Estranho (2016). A esta altura, inteiramente consolidada, a Marvel não precisa mais temer o acesso e apelo de seus produtos junto ao público, pois seu selo estampando o pôster de uma obra é garantia de ao menos despertar interesse da grande fatia pagante das salas de cinema.

Muitos dos louros pela empreitada bem sucedida de Guardiões devem ir ao comandante da produção, o cineasta James Gunn. Dono de uma filmografia especializada em terror, humor ou a mescla dos dois, Gunn teve carta branca e mostrou o que podia ao entregar sua space opera. Remetendo a clássicos como Star Wars, sem esquecer o lado “quadrinhos de heróis”, e acrescentando o toque final (e especial) de uma trilha sonora inspiradíssima – o charme que foi o arremate para que todos comprassem a ideia (e que tentou ser duplicado sem sucesso em Esquadrão Suicida) – Guardiões da Galáxia surgiu como filme único, dentro de uma empresa conhecida por não dar muita liberdade para seus criadores diferenciarem suas obras das demais da casa.

Participe do nosso GRUPO ESPECIAL do Facebook » https://goo.gl/kg8NYU

     

Agora, porém, se a missão de Gunn se torna mais fácil por um lado, já que Guardiões se mostrou extremamente vendável, por outro, a expectativa de tal nível ser mantido é quase mortal – veja o que ocorreu com Joss Whedon e o segundo Vingadores (2015). Mas provando que um raio pode cair duas vezes no mesmo lugar (e na segunda ser ainda mais gostoso), Guardiões da Galáxia Vol. 2 é tudo o que os fãs esperavam e muito mais.

Para começar, Gunn (que também é dono do roteiro) subverte novamente os filmes do gênero (pelo menos os da Marvel), quebrando seu molde estrutural. Ao contrário de todas as outras produções do estúdio, Volume 2 não possui um vilão declarado, uma ameaça a ser combatida, introduzida logo no primeiro ato. O foco da continuação é outro, e assim como nos últimos Velozes e Furiosos, a palavra de ordem é família.

Aqui, o tópico é explorado de variadas formas, seja na rivalidade entre Nebulosa (Karen Gillan), a filha preterida, com a irmã Gamora (Zoe Saldana); na descoberta de Peter (Chris Pratt) em relação ao seu progenitor Ego (Kurt Russell); na deserdação de Yondu (Michael Rooker) de sua família espacial de piratas, personificada por Stakar (Sylvester Stallone); e por aí vai.

É justamente nas interações humanas (ou quase, já que a maioria é extraterrestre) que Volume 2 se vende. Temos ainda as amizades fraternais nascidas entre Rocky (Bradley Cooper) e Yondu, e entre Draxx (Dave Bautista) e Mantis (Pom Klementieff) – donos das trocas mais engraçadas do filme. Por falar neste quesito, especialidade muito conhecida dos filmes Marvel, Volume 2 é simplesmente hilário.

Humor é algo muito difícil de fazer, mais difícil e menos valorizado que o drama – que o diga os filmes da rival DC. E o humor que permeia o segundo Guardiões é o mais proeminente dos filmes do estúdio, funcionando de forma cronometrada – é o tão falado timing cômico. Recortando este stand-up das galáxias, o filme realiza de modo eficaz a transição para momentos verdadeiramente dramáticos e emocionantes (a morte de um personagem no final ganha um momento belíssimo e delicado), além, é claro, das esperadas cenas de ação e batalhas – que não são o forte desta saga, tampouco o foco.

Guardiões da Galáxia Vol. 2 acerta novamente o alvo, e continua se mostrando bem consciente do que é: uma grande brincadeira, que possui a capacidade, como poucos filmes de entretenimento hoje em dia, de nos fazer voltar a ser criança. Assim como Uma Aventura LEGO (2014) e LEGO Batman (2016), Volume 2 é uma orgia de referências à cultura pop do presente e passado, acariciando de forma incessante o consciente coletivo nerd. Novamente é impossível não se contagiar e continuar desejando mais. E para a alegria de todos teremos mais, muito mais.

Ps. Não saia quando o filme terminar, a diversão se estende por muitas cenas pós-créditos.


Crítica Liga da Justiça


» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

[AVISO] Os comentários passam por uma aprovação e podem demorar até 24 horas para serem disponibilizados no site. Comentários com conteúdo ofensivo serão deletados, e o usuário pode ser banido. Respeita a opinião alheia e comporte-se.