Crítica | Hereditário - Terror sem jump scares e EXTREMAMENTE perturbador

Crítica | Hereditário - Terror sem jump scares e EXTREMAMENTE perturbador

COMPARTILHE!

O gênero terror está em constante mutação, e dentre todos os gêneros é o com maior poder de transformação. Cada década reflete um subgênero diferente: tivemos os slashers nos anos 90 com 'Pânico' e seus derivados, os filmes "found footage" nos anos 2000 com 'A Bruxa de Blair' e 'Atividade Paranormal', e adentramos recentemente na onda dos filmes de assombração após o sucesso de 'Invocação do Mal' e seu universo compartilhado.

O terror nunca esteve tão em alta, para a alegria dos fãs, e atualmente temos duas produtoras competentíssimas trazendo produções assustadoras de baixo orçamento: a Blumhouse, que aposta em ótimos filmes para as massas, e a A24, que nos brinda com filmes tenebrosos realizados para um público menor.

De qualquer maneira, quem está saindo ganhando são os fãs do gênero. Após nos apresentar ao polêmico 'A Bruxa' em 2015, a A24 nos surpreende novamente com 'Hereditário' - filme que tem sido considerado o novo 'O Exorcista' pelos críticos norte-americanos.




Antes de começar essa crítica, já adianto: se você não gostou de 'A Bruxa', provavelmente não curtirá 'Hereditário'. Ambos os filmes possuem a mesma estrutura: constroem uma atmosfera satânica e sufocante lentamente, sem apelar para jump scares em momento algum.

Em 'Hereditário', a família Graham começa a se revelar após a morte de sua avó reclusa. Mesmo após sua partida, a matriarca ainda exerce um mal sobre todos, especialmente em sua neta adolescente e solitária, Charlie, com quem ela sempre teve um fascínio incomum. À medida que um terror esmagador toma conta de sua casa, sua existência pacífica é desfeita, forçando sua mãe a explorar um reino mais obscuro para escapar do destino infeliz que eles herdaram.

O roteirista e diretor Ari Aster não tem pressa para assustar ao público, e vai apresentando as peculiaridades de cada membro da família de maneira lenta e profundo, a ponto de nos identificarmos com cada um e seus sofrimentos. E este é o principal acerto do filme. Conforme a trama vai avançando, o espectador começa a se sufocar com a iminência de uma revelação devastadora, que provavelmente vai te dar pesadelos por alguns dias.

O elenco do filme é extraordinário, encabeçado pela melhor atuação da carreira de Toni Collette ('O Sexto Sentido'), que constrói uma personagem perturbada e consegue transparecer toda a sua agonia e insanidade, chegando a nos assustar apenas com suas expressões faciais. Arrisco a dizer que ela merece uma indicação ao Oscar, mesmo sabendo que a Academia sempre torce o nariz para filmes do gênero.

Mas quem rouba a cena é a garotinha Milly Shapiro, que constrói sua personagem em torno de uma irritante mania com o estralar de sua língua, que provavelmente vai te dar pesadelo por dias... ou por anos. Indicada a um Grammy pela peça na Broadway 'Matilda', a jovem atriz entrega uma atuação espetacular que vai deixar o espectador boquiaberto.

Alex Wolff entrega uma atuação aterrorizante, e consegue segurar muito bem o difícil papel que é lhe dado.

'Hereditário' é um filme aterrorizante em vários níveis, e consegue construir um clima de horror com poucos elementos e deixar o espectador sufocando na cadeira com tantas situações assustadoras que te levam para um final que provavelmente te deixar chocado e em pânico. É um filme de terror para ser apreciado com paciência, e ser degustado aos poucos. No fim, a sensação de ter participado de algo demoníaco pode deixar algumas pessoas passando mal. Quem gosta de terror hardcore, vai se apaixonar por esse filme.




Inscreva-se em nosso canal e receba conteúdo exclusivo » https://goo.gl/mPcJ5c