Crítica | Horizonte Profundo: Desastre no Golfo

Crítica | Horizonte Profundo: Desastre no Golfo

COMPARTILHE!

Cinema Catástrofe em toda a sua Glória

Os filmes catástrofe se tornaram um subgênero popularizado na década de 1970, com destaque para produções como Aeroporto (1970), O Destino do Poseidon (1972), Terremoto (1974) e Inferno na Torre (1974). A estrutura era a mesma, rechear a obra de nomes muito reconhecíveis circundando, bem, como o nome diz, uma catástrofe, fosse um grande terremoto, problemas infernais em um arranha-céu, num aeroporto ou num navio transatlântico.

Depois de um breve descanso, o subgênero ensaiou retorno no fim da década de 1990, quando em 1997 dois vulcões entraram em erupção em uma cidadezinha americana e em plena Los Angeles, respectivamente em O Inferno de Dante e Volcano – A Fúria; e em 1998, asteroides gigantescos entraram em rota de colisão com nosso planeta, em Impacto Profundo (não, não é nome de filme que vocês costumam pesquisar na internet) e Armageddon.

horizonte-profundo-cinepop2




Atualmente, o subgênero está em falta no mercado, dominado e saturado com filmes de super-heróis, sendo o principal requisito das massas que dominam os multiplex. Justamente por isso, uma alegria nostálgica cinéfila tomou conta deste que vos fala ao adentrar a sessão de Terremoto: A Falha de San Andreas (2015), que incluiu certa galhofa no todo, não se levando nada a sério e assim se tornando incrivelmente irresistível em seu esplendor megalomaníaco.

Em uma dimensão mais próxima do que eram os filmes catástrofe originais, Horizonte Profundo chega finalmente aos cinemas brasileiros, depois de ser adiado repetidamente. A nova superprodução protagonizada pelo astro Mark Walhberg e dirigida pelo cineasta Peter Berg mantém vivo o espírito original do cinema catástrofe, dando um enfoque mais dramático ao desastre, mas não se libertando de rótulos como “espetáculo”. Esse é um blockbuster, mas um que fala de uma tragédia real e a trata com o respeito merecido.

horizonte-profundo-cinepop

Na trama, Wahlberg vive Mike Williams, um dos técnicos da plataforma de petróleo Deepwater Horizon. Se você acompanha os noticiários mundiais deve se lembrar deste desastre, que é considerado o maior da história norte-americana envolvendo tal tipo de instalação.  Explosões, chamas, incêndios e mortes chocam desesperando os personagens, de forma realística na tradução de Berg e dos realizadores, nos envolvendo instantaneamente e nos fazendo seguir de perto os ocorridos. Na tradição de um bom filme do subgênero, nomes como Kurt Russell, Kate Hudson, John Malkovich, Gina Rodriguez e Dylan O´Brien se amontoam entre os sobreviventes e as vítimas.




horizonte-profundo-cinepop3

Além da parte técnica impecável, o roteiro de Matthew Sand e do eficiente Matthew Michael Carnahan (O Reino, Leões e Cordeiros, Intrigas de Estado), baseado no artigo de David Rohde e Stephanie Saul, cria bons momentos, salientando a tensão de cenas chave, entregando bons diálogos e desenvolvimento de personagens acima do esperado para produções deste tipo. A interação dos personagens, mais do que as cenas apoteóticas, é o verdadeiro cerne aqui, realizado de forma bem humana.

DWH_D_19_05777.NEF

O diretor Peter Berg, que deu uma bela escorregada com Battleship: A Batalha dos Mares (2012) – um dos piores filmes dos últimos anos – volta aos trilhos nesta produção de classe, se reinventando como cineasta de qualidade. Pode-se inclusive apontar as parcerias com Wahlberg como alguns dos pontos altos de sua carreira. Além de Horizonte Profundo, a dupla colaborou em O Grande Herói (2013), filme de guerra e sobrevivência, que questiona a idolatria bélica norte-americana. É possível até mesmo afirmar a existência de uma trilogia não declarada, tendo como ligação apenas o diretor, seu novo ator fetiche e os temas incendiários (seja a guerra, um desastre laboral ou um atentado terrorista). O terceiro elemento desta, até então, tríade é Dia de Heróis (Patriots Day), que fala sobre os atentados a bombas de Boston, cuja estreia ocorre em janeiro nos EUA e em fevereiro no Brasil. Que a dupla siga gerando bons rebentos.

Curta nossa ENTREVISTA com a Nina Dobrev:


» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «