Crítica | Labyrinthus: 38ª Mostra de Cinema de SP

Crítica | Labyrinthus: 38ª Mostra de Cinema de SP

COMPARTILHE!

SESSÃO DA TARDE NA MOSTRA

 

E literalmente foi uma sessão da tarde. Assisti ao filme na primeira sessão do dia. Labyrinthus, do diretor belga Douglas Boswell, atende a todos os requisitos de um filme da Sessão da Tarde. História com apelo com o público pré-adolescente – e nerd, rsrs –, uma narrativa com bastante aventura, humor jovial, uma vilão típico dos filmes adolescentes, linguagem simples, estrutura linear e roteiro seguindo uma estrutura bem clássica de narrativa.

Em Labyrinthus, depois de esbarrar com um homem misterioso, o adolescente Frikke (Spencer Bogaert) encontra uma caixa escura e um pendrive. Quando ele conecta esse pendrive ao computador, inicia-se um jogo. O que ele descobrirá em pouco tempo, é que a caixa serve para transferir objetos e pessoas para dentro do jogo. Frikke terá que ajudar a garota Nola (Emma Verlinden).

Estamos diante de uma aventura clássica. Todos os elementos estão presentes, do romance juvenil ao vilão caricato. No roteiro, são perceptíveis furos e obviedades. Como exemplo, temos Rudolf (Pepijn Coudron), sujeito mais velho que irá ajudar Frikke em solucionar o problema do jogo. Nem bem ele cruza com a mãe de Frikke, já sabemos que ele ficou interessado nela, mesmo sem ter nada disso construído na narrativa! Simplesmente, ele fica interessado, e ponto final! Claro que se trata de um filme mais singelo, despretensioso, que tende a agradar mais os adolescentes, e esses detalhes no roteiro não afetam a sessão da tarde. De qualquer forma, Labyrinthus pode ser uma opção mais leve entre um filme mais pesado e outro da Mostra.


Publicidade

Inscreva-se em nosso canal e receba conteúdo exclusivo » https://goo.gl/mPcJ5c




Publicidade