Crítica | O Cidadão do Ano

Crítica | O Cidadão do Ano

COMPARTILHE!

A vingança procede sempre da fraqueza da alma, que não é capaz de suportar as injúrias. Dirigido pelo espetacular diretor norueguês Hans Petter Moland, cineasta que comandou um dos filmes mais lindos dos anos 2000 (chamado Uma Vida Nova, em 2004), a fita norueguesa O Cidadão do Ano conta com um excêntrico vilão, personagens envolventes, roteiro afiado, que deixam o nível de adrenalina lá em cima a cada nova sequência. É um filme violento que, antes de mais nada, mostra a dor de um pai e o incansável e ilimitado limite que o mesmo extrapola para vingar a morte de seu único filho.

Na trama, conhecemos Nils (Stellan Skarsgård), um homem de meia idade, bom trabalhador, honrado cidadão, que ganha a vida limpando a neve por meio de sua empresa familiar. Tudo ia bem em sua pacata vida até que uma tragédia acontece, seu único filho é encontrado morto. Não querendo acreditar nas causas ditas pelas autoridades sobre o falecimento, e afastando-se cada vez mais de sua mulher, resolve ir investigar por conta própria e acaba resolvendo combater uma poderosa gangue que domina a região faz anos. Assim, embarcamos no terrível universo da vingança.

O filme detalha muito bem a rotina de uma organização criminosa, sabemos detalhes sobre o dia a dia dos personagens, o que ajuda muito na hora de entendermos as ações que eles tomam ao longo da projeção. Há uma certa intolerância estúpida acoplada a uma falta de senso de justiça percorrendo todos os minutos deste belo trabalho. Além do ótimo roteiro e da direção quase impecável de Hans Petter Moland, O Cidadão do Ano é um desfile de ótimos atores. Destaque para o protagonista, interpretado pelo sempre competente Stellan Skarsgård e também para a participação especial do eterno Bruno Ganz.

O grande clímax do filme é o conflito pessoal que o personagem principal passa na hora de tomar as atitudes que necessita para consolidar seu plano de vingança. Sem saber direito como proceder em meio a uma guerra iniciada por ele mesmo, o protagonista abusa da arte do ‘achismo’ e sê vê posto em situações de extremo desconforto. A câmera de Moland escancara uma verdade tão nítida que os nossos olhos às vezes teimam em não acreditar. Com ou sem lição de moral em seu desfecho, semi-aberto e interpretativo O Cidadão do Ano cumpre seu papel e se coloca com uma das melhores estréias européias que veremos em nossos cinemas neste ano.

     

 

 

 


Crítica:





» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

[AVISO] Os comentários passam por uma aprovação e podem demorar até 24 horas para serem disponibilizados no site. Comentários com conteúdo ofensivo serão deletados, e o usuário pode ser banido. Respeita a opinião alheia e comporte-se.