Crítica | O Pequeno Príncipe

Crítica | O Pequeno Príncipe

COMPARTILHE!

Assim como o autor do livro ‘O Pequeno Príncipe‘ (Le Petit Prince), Antoine de Saint-Exupéry, o diretor Mark Osborne (‘Kung Fu Panda’) também é um visionário. Sabendo que estender o curto livro em um longa-metragem poderia ficar com um ritmo demasiadamente lento, ele teve a brilhante ideia de tomar a liberdade criativa de fazer uma história paralela à do livro, mantendo a essência do texto e adicionando novos elementos que conseguem transmitir o efeito que o clássico conto tem nas pessoas – e, principalmente, nas crianças.

Não bastando a genial ideia de colocar duas tramas paralelas no filme – a do livro e a da garotinha que lê o livro pela primeira vez – Osborne teve outra brilhante ideia: usar duas técnicas diferentes de animação para contar as duas histórias – em animação 3D para o segmento inédito, e em stop-motion para a história do Pequeno Príncipe. Visualmente, o filme é um deleite em ambas as técnicas de animação, mas beira a genialidade com o visual do Príncipe feito com a técnica diferenciada.

pequenoprincipe_9




Logo nos primeiros minutos de projeção, descobrimos que não se trata de uma adaptação direta de ‘O Pequeno Príncipe‘ – em que um aviador bate seu avião no deserto, e, em seguida, encontra um garoto misterioso que afirma viver em um planeta minúsculo. No centro de tudo está A Pequena Garota (em nenhum momento seu nome é revelado), que está sendo preparada por sua mãe para o mundo muito adulto no qual vivem – e é interrompida por seu excêntrico e amável vizinho, O Aviador.

O Aviador apresenta sua nova amiga a um mundo extraordinário, no qual tudo é possível. Um mundo ao qual ele mesmo foi apresentado há muito tempo pelo Pequeno Príncipe. É aí que começa a jornada mágica e emocionante da Pequena Garota pela sua própria imaginação – e pelo universo do Pequeno Príncipe. E é onde a Pequena Garota redescobre sua infância e aprende que o que importa são as relações humanas e o que é realmente essencial somente pode ser visto com o coração.

pequenoprincipe_8

É incrível ver a maneira que o diretor consegue traçar essas duas tramas e uni-las, mostrando o efeito que o conto do Principe tem na garota: o mesmo que o livro tem em seus leitos. Ela é tocada pela história, que lhe mostra o que é realmente essencial… e como isso é invisível aos olhos.




Os adultos no segmento da Pequena Garota são frios, secos e só se importam em trabalhar e produzir excessivamente, esquecendo dos sentimentos e transformando o mundo que conhecemos em um lugar inóspito e triste. É um belo paralelo ao que o livro de Saint-Exupéry tenta ensinar a seus leitos.

 

Somente em seu terceiro ato o filme perde um pouco de ritmo, podendo ter reduzido sua duração em dez minutos,o que pode deixar as crianças entediadas por alguns minutos.

pequenoprincipe_5

Por fim, o final consegue encerrar as duas tramas de maneira brilhante e interlaçá-las com uma bela lição de moral que deixará o espectador extremamente emotivo (grande parte da sala de cinema na pré-estreia estava aos prantos quando o filme acabou).

O Pequeno Príncipe‘ é uma obra-prima diferenciada, um filme de animação com toques de arte que foge do padrão hollywoodiano e traz um tema mais adulto, mas encanta por sua simplicidade e pureza. A mensagem passada pelo filme – a mesma do livro – deixará você pensativo por dias. Afinal, o que é essencial?

pequenoprincipe_1

 

 

Curta nossa ENTREVISTA com a Nina Dobrev:


» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «