Crítica | xXx: Reativado

Crítica | xXx: Reativado

COMPARTILHE!

Um filme de ação à moda antiga

Quando o ator Vin Diesel se tornou um astro de ação, no início da década passada, seu estilão nas telas foi muito comparado ao dos brucutus que reinaram nos anos 1980 e 1990, considerados em extinção quando Diesel ascendia. O ator não nega as raízes e as comparações vinham em forma de elogio para ele, que mantinha a tocha acesa para o subgênero.

Se no início da década passada este tipo de cinema soava sem força, hoje, com super-heróis aos montes, banhados a muito efeito de computação, manter a tocha acesa soa como remar contra a maré. Mais eis que surge Vin Diesel novamente, clamando por seu trono nas bilheterias, numa era onde ele talvez se veja extinto também. Além de ator e astro, Diesel adentra os novos tempos como empresário do ramo, com bastante controle criativo nas rédeas de lucrativas franquias. Se Velozes e Furiosos deu tão certo que chega este ano ao seu oitavo episódio, com quase $3 bilhões em caixa, contando apenas os três últimos filmes, é hora de tentar revitalizar outra marca pré-estabelecida.




xXx ou Triplo X, pegou carona no sucesso de Diesel, tentando capitalizar em cima da temática dos filmes de agentes secretos, muito em voga na época. O ano era 2002, James Bond tinha as formas de Pierce Brosnan (parecendo velho junto ao público) e ganhava um novo exemplar com Um Novo Dia para Morrer; Tom Cruise e seu Missão: Impossível saíam do bem sucedido segundo filme (2000) e as portas eram abertas para um novo espião, mais jovem e ágil, na pele de Matt Damon em A Identidade Bourne. Triplo X era ainda mais moderno e arrojado, indo na contramão da classe do agente da Rainha, por exemplo, e apelando mais para a geração vídeo game Thug Life.

Xander Cage (Diesel) é um esportista radical, que realiza os atos mais audaciosos imagináveis, sempre indo contra as autoridades e as regras, a fim de quebrar recordes e fazer valer a máxima da atitude ‘stick it to the man’. Seria um rebelde elevado à décima potência. Justamente por isso, uma agência do serviço secreto americano, personificado por Augustus Gibbons (Samuel L. Jackson), achou que Cage seria o homem ideal para ser seu mais novo espião!? Bom, em 2002 já percebíamos que xXx não era o tipo de filme para ser levado a sério, no qual a diversão só é de fato encontrada se você embarcar na insanidade de tudo, desacreditando conceitos físicos e dando espaço para toda quebra de realidade – é o chamado salto de fé, aqui mais para ‘um triplo mortal de costas no ar de fé’.

Uma malfadada continuação em 2005 depois – estrelada por Ice Cube (numa época em que Diesel achava que sua carreira não ficaria presa aos estereótipos por ele criados) – e Xander Cage está de volta, quinze anos depois de sua primeira incursão nos cinemas, sim o tempo passa. Dado como morto, Cage passa seu tempo arriscando o pescoço na República Dominicana, descendo ribanceiras de florestas com esquis (sim, você leu certo) e ruas bastante íngremes com seu “skate envenenado”, para que o vilarejo onde vive possa ter acesso ao jogo de futebol. Tudo isso em 10 minutos de filme, 10 minutos em que jogamos pela janela qualquer sinal de bom senso, lógica e inteligência se quisermos ter uma experiência minimamente aceitável aqui.




Depois de um breve encontro com Neymar, Gibbons sai de cena. Em seu lugar, a nova manda-chuva da agência é a loira gelada Jane Marke (papel da indicada ao Oscar, Toni Collette). Cabe a ela recrutar novamente Cage para uma segunda missão suicida. O objetivo agora é recuperar um item (o MacGuffin da vez), que tira satélites de órbita e pode invadir os computadores de qualquer agência de segurança do mundo, roubado por um time de especialistas, comandados por Xiang (Donnie Yen, o cego de Rogue One). Serena (papel da indiana Deepika Padukone, estreando no cinema americano), Talon (Tony Jaa, de Velozes e Furiosos 7) e Hawk (Michael Bisping, lutador de MMA na vida real) completam o time de antagonistas.

Como não gosta de andar na linha, Cage exige sua própria equipe para desbaratinar os planos dos malfeitores, e então entram em cena Adele Wolff (papel da estonteante Ruby Rose, da série Orange is the New Black), Nicks (o chinês Kris Wu, também debutando em Hollywood) e Tennyson (Rory McCann, o ‘cão’ da série Game of Thrones). O interessante aqui é que todos estes personagens secundários ganham espaço para destaque dentro da trama, entre uma cena e ação e outra, o que é mais do que se pode dizer de tantos filmes que abarrotam seus personagens na tela. Inclusive, há espaço para participações bem especiais, que não valem a pena ser mencionadas para não estragar a surpresa. A estrela da TV Nina Dobrev (Diários de um Vampiro) também empresta seu carisma para a versão de Q deste universo, a agente high tech Becky.

xXx: Reativado soa como um filme cujo roteiro já vem sendo requentado desde quando tais obras estavam no auge. Não trabalha com originalidade, mas sim com criatividade, carisma e graça. Já vimos essa história antes, mas não custa ver de novo se quem está contando vende a coisa com vontade. É exatamente o que Vin Diesel (que também produz o longa), o roteirista F. Scott Frazier (graças a Deus um roteiro com apenas um autor assinando) e o diretor D.J. Caruso (Paranoia e Controle Absoluto) fazem aqui, vendem seu peixe com frescor e tempero de novidade, mesmo que a mercadoria tenha sobrado na mesa por alguns dias.  O terceiro Triplo X é um filme de ação à moda antiga, exala testosterona, exalta ânimos e nervos com muita pancadaria (afinal, de que outra forma se resolve uma disputa), e arruma tempo para enaltecer a figura de Vin Diesel como o galã que toda mulher quer levar para a cama (o sujeito tem menos cabelos que Bond, mas muito mais lábia). Os trogloditas estão com os dias contados, mas enquanto não desaparecem, procuram se divertir.

 


Assista nossas entrevistas com os Power Rangers e M. Night Shyamalan:



» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

[AVISO] Os comentários passam por uma aprovação e podem demorar até 24 horas para serem disponibilizados no site. Comentários com conteúdo ofensivo serão deletados, e o usuário pode ser banido. Respeita a opinião alheia e comporte-se.