Especial ‘Vingadores: Guerra Infinita’ | Thor

Especial ‘Vingadores: Guerra Infinita’ | Thor

COMPARTILHE!

Continuando com nosso especial de franquias da Marvel, vamos falar hoje sobre uma série de filmes bem polêmica. Amada por uns e odiada por outros, a saga de Thor, o Deus do Trovão, começou em 2011 e tinha uma missão delicada: surfar no sucesso dos romances da época para atrair o público adolescente feminino ao Universo Cinematográfico Marvel.

Passando de romance shakespeariano para aventura medieval, e terminando como uma galhofa espacial, essa falta de um tom definido foi um dos motivos pelo qual a franquia “Thor” não é uma das mais populares dentre os fãs. Ainda assim, muitas coisas curiosas aconteceram em seus bastidores. Confiram!

 

Thor:




Como filho de Odin, rei dos deuses nórdicos, Thor logo herdará o trono de Asgard de seu idoso pai. Porém, no dia de sua coroação, Thor reage com brutalidade quando os inimigos dos deuses entram no palácio violando o tratado. Como punição, Odin manda Thor para a Terra. Enquanto seu irmão Loki conspira em Asgard, Thor, agora sem seus poderes, enfrenta sua maior ameaça.

  • Conflito de Irmãos

Já pensou fazer o teste para o maior papel de sua carreira e terminar concorrendo com seu irmão? Chato, né?
Pois isso aconteceu na seletiva para o papel de Thor. Depois de desbancar Tom Hiddleston, que terminaria sendo o Loki, Chris Hemsworth competiu contra seu irmão caçula, Liam.
Chris torcia muito para que chamassem seu “maninho”, mas acabou sendo ele o escolhido. Toda essa situação fez com que ele se dedicasse muito ao papel. Com a gana de honrar o Deus do Trovão, ele malhou tanto que a produção teve de fazer figurinos maiores e mais largos no meio das filmagens. Haja proteína!

Quem conhece o personagem nos quadrinhos sabe que sua identidade secreta é o Doutor Donald Blake. Quando ele bate sua bengala no chão, o franzino médico se transforma no Poderoso Thor.
Adaptar isso para os cinemas, naquela época, soaria ridículo e destoante da proposta mais “realista” da Marvel. Então, como forma de homenagear o alter-ego do herói, o diretor Kenneth Branagh inseriu Donald como o ex-namorado de Jane Foster (Natalie Portman). A princípio, não passa de um easter egg, mas poucos sabem que ele quase apareceu mesmo, sendo interpretado por Kevin McKidd (Grey’s Anatomy).

  • Odin Gibson

Odin, o Pai de Todos, foi interpretado com muita dificuldade por Anthony Hopkins (O Silêncio dos Inocentes). Segundo o ator, seu traje era muito pesado para alguém da idade dele. Curiosamente, o papel tinha sido oferecido a alguém que não teria problema nenhum em andar com um monte de ferro pendurado na roupa: Mel Gibson. O brucutu prontamente recusou a proposta. Outro nome cotado antes de Hopkins era o ator Brian Blessed, que negociava com a Warner para viver o Thorin Escudo de Carvalho, na trilogia O Hobbit. Além desses dois, a Lenda Viva dos Quadrinhos e co-criador de Thor, Stan Lee chegou muito perto de ser o Pai de Todos.

O casting buscava alguém com capacidade para dar um tom mais sarcástico ao vilão Loki. O ator favorito para isso era o comediante Jim Carrey. Além de já ter certo conhecimento sobre o Deus da Trapaça, seu corpo esguio parecia ideal para dar uma impressão de fragilidade ao personagem.
Porém, um rapaz que fez teste para o papel principal teve um desempenho tão impressionante que despertou a curiosidade dos avaliadores. Convidado para interpretar o Deus da Mentira, ele surpreendeu a todos e acabou sendo escolhido.
Esse homem era Tom Hiddleston. Hoje em dia, ninguém consegue pensar em outro rosto para Loki, dado o trabalho muito mais que competente de Tom, mas poderíamos ter uma faceta diferente, talvez mais brincalhona do personagem, com a atuação de Jim Carrey.

  • Journey Into Mistery

O Martelo do Thor cai em uma cidadezinha no Novo México chamada Puente Antiguo. Ela foi completamente construída para as gravações do filme e está abarrotada de referências, a começar por seu nome.
“Ponte Antiga” é uma menção a Bifrost, a Ponte do Arco-Íris. Outro easter egg bem escondido é a região na qual o Mjölnir cai, formando o escudo do Capitão América. Mas nenhum deles é tão simples e simbólico quanto o outdoor de viagens que anuncia “Uma terra de encantamentos... Uma Jornada Misteriosa”. Journey Into Mistery é o título da primeira revista em que Thor foi publicado.

Thor: O Mundo Sombrio:

Thor precisa contar com a ajuda de seus companheiros e até de seu traiçoeiro irmão Loki em um plano audacioso para salvar o universo. Entretanto, os caminhos de Thor se cruzam com Jane Foster e, dessa vez, a vida dela está realmente em perigo.

Houve uma troca de elenco não muito comentada na franquia Thor. Saiu Josh Dallas e entrou Zachary Levi, como Fandral, um dos Três Guerreiros. O interessante aqui é que Levi era a primeira opção para o papel, não assumido por conflitos de agenda. Com a saída de Josh, ele foi logo convocado e aceitou.

Atualmente, Zach está com a DC, protagonizando o filme Shazam!

  • Volta Loki

As primeiras versões do roteiro não incluíam a presença de Loki. O foco seria voltado a introduzir e explicar a raça dos Elfos Negros, sua rixa com Asgard e aprofundar mais as motivações de Malekith (Christopher Eccleston). Mas com o sucesso de Vingadores e o aumento da popularidade do Deus da Trapaça, a história foi completamente reescrita para encaixar e dar um papel de destaque ao personagem. Como vocês podem ver, foi uma péssima ideia.

  • Que Língua É Essa?

Ok, muita gente sequer lembra quem foi o vilão desse filme. Alguns dizem que os Elfos Negros foram tão irrelevantes que se Thor e Loki passassem duas horas socando “pessoas invisíveis”, o efeito seria o mesmo.
É verdade, eles são fracos, mas não dá para negar que a produção não mediu esforços para deixá-los mais interessantes. Além das horas e horas gastas maquiando seus atores – sendo essa uma das muitas reclamações de Eccleston, eles criaram um dialeto exclusivo para os Elfos Negros. Pense na dificuldade de gravar essas cenas...

  • TODO MUNDO ODEIA ESSE FILME!

Não há filme mais problemático que esse em todo o Universo Cinematográfico Marvel. Todo mundo parece ter alguma coisa negativa a dizer sobre ele. Algumas parecem frescura, enquanto outras são bem graves.
- Patty Jenkins era a diretora original de Thor 2. Ela abandonou o projeto por divergências criativas.

- Natalie Portman não queria reprisar seu papel de Jane Foster. Só mudou de ideia quando anunciaram Patty na direção. Com a saída de Jenkins, ela ameaçou deixar a produção e boicotar o estúdio.

- Christopher Eccleston odiou com todas as forças trabalhar com a Marvel. Seu personagem teve participação reduzida, as ações de Malekith foram definidas como clichês e mecânicas... Fora as horas gastas na maquiagem.

- Alan Taylor sentiu na pele as “divergências criativas” que afastaram Patty Jenkins. Ele teve liberdade total para dirigir o filme, mas viu os executivos picotarem sua ideia na pós-produção e encher sua agenda com refilmagens. Experiência traumatizante.

- Jaimie Alexander foi a que se deu pior. A atriz da Lady Sif sofreu um acidente nos sets ao tentar descer uma escada na chuva. Ela escorregou escada abaixo, fraturando onze vértebras e tirando do lugar um disco da coluna. Ai!

Thor: O Mundo Sombrio foi 70% gravado em estúdio. Poucas são as cenas filmadas em locações reais, o que é impressionante, dado o visual do filme. Uma das sequências mais interessantes do longa é a batalha de Bor contra os Elfos Negros pelo Éter. Tirando dois atores que estavam no set, todo o resto é feito em computador. O diretor dessa guerra computadorizada não foi Alan Taylor, mas sim Tim Miller, responsável por escrever e dirigir o filme do Deadpool (2016).

Thor: Ragnarok:

Thor está preso do outro lado do universo. Ele precisa correr contra o tempo para voltar a Asgard e parar o Ragnarok, a destruição de seu mundo, que está nas mãos da poderosa e implacável vilã Hela.

  • Promoveu Uma Mini-Reunião de Jurassic Park

Thor: Ragnarok reuniu em seu elenco Sam Neill e Jeff Goldblum pela primeira vez desde que a dupla atuou junta em Jurassic Park (1993). Jeff interpreta o Grão Mestre, uma das melhores coisas de todo o filme. A participação de Sam é bem menor, e muita gente deve estar procurando pelo ator até hoje. Ele encarna o ator asgardiano que atua como Odin na peça exibida para Loki. Junto a ele estão Matt Damon e o irmão mais velho de Chris Hemsworth, Luke (de Westworld).

  • Promoveu Uma Mini-Reunião de Star Trek

Quatro atores do elenco fizeram parte da trilogia mais recente de Star Trek.
- Chris Hemsworth (Thor) foi George Kirk em Star Trek (2009).
- Benedict Cumberbatch (Doutor Estranho) foi o vilão Khan em Star Trek - Além da Escuridão (2013).
- Idris Elba (Heimdall) foi o vilão Krall em Star Trek – Sem Fronteiras (2016).
- Karl Urban (Skurge) viveu o Dr. McCoy nos três filmes da franquia.

Cate é uma das atrizes mais prestigiadas da atualidade e sua atuação como Hela, a Deusa da Morte, é estupenda. Além de ser a primeira vilã dos estúdios Marvel, ela é uma das poucas a utilizar uma “máscara” nas cenas de confronto.
Contudo, os fãs devem essa escalação aos filhos da atriz. Fãs de quadrinhos, eles importunaram a mãe a interpretar a vilã. O mais velho chegou a afirmar que estar num filme da Marvel poderia impulsionar sua carreira de forma positiva.
Bem, ela aceitou e já é adorada pelos fãs.

  • Thanos

Esse filme é fundamental na preparação para Guerra Infinita. Ele resolve alguns antigos problemas e estabelece atos que terão muita relevância no terceiro filme dos Vingadores. Uma delas é a Manopla do Infinito. Um easter egg no primeiro Thor mostrava a Manopla completa no Cofre de Tesouros de Odin. Em Ragnarok, Hela quebra esse artefato e diz que não passava de uma cópia barata.
Outro ponto importante diz respeito ao Tesseract. Loki retira a Joia do Infinito de Asgard antes de Surtur destruir tudo. Ele a leva consigo na nave dos sobreviventes, e isso faz ligação direta com Thanos.
A cena pós-créditos mostra os asgardianos restantes voando rumo à Terra para tentarem se restabelecer no novo planeta. No caminho, eles são interceptados pela Sanctum II, a nave de Thanos. Essa cena já acontece dentro de Guerra Infinita.

  • 80% Dos Diálogos Foram Improvisados

Assim como o primeiro Homem de Ferro, Thor: Ragnarok teve 80% dos diálogos improvisados. Essa técnica foi utilizada para tentar integrar o elenco e promover uma relação mais próxima e divertida.
Taika Waititi queria utilizar do ótimo timing para a comédia de Chris Hemsworth. Deixar os outros atores na mesma sintonia era fundamental para o bom funcionamento do filme.

 

Os Vingadores: Guerra Infinita estreia em 26 de abril de 2018.



Inscreva-se em nosso canal e receba conteúdo exclusivo » https://goo.gl/mPcJ5c