Os 10 Melhores Diretores de Terror da Atualidade

Os 10 Melhores Diretores de Terror da Atualidade

COMPARTILHE!

Invocação do Mal 2 já é sucesso absoluto de crítica e público. O terror chega para provar que continuações podem ter qualidade e manter a boa reputação de seus predecessores. Em homenagem à sequência e ao gênero (muito específico) do terror em si, decidimos formular uma lista com os mais talentosos cineastas do gênero na atualidade. Então, prepare-se para procurar seus filmes, e caso já os conheça, para esperar os novos exemplares.

Ti West

Ti West - CinePOP

O americano de 35 anos é o diretor menos conhecido da lista. Independentes, seus filmes não se tornaram grandes sucessos mainstream, apesar das críticas positivas que receberam. West começou a carreira em 2001, dirigindo curtas. No currículo, o diretor tem trabalhos em coletâneas como V/H/S (no qual comandou o conto “Second Honeymoon”) e O ABC da Morte (com o conto “M Is for Miscarriage”).




West também dirigiu episódios de séries de TV, como Pânico (Scream, 2015 – episódio “The Dance”), South of Hell  (2015, episódio “Take Life Now”) e Wayward Pines (2016, episódios “Episode  #2.10” e “Exit Strategy”). Suas obras mais cultuadas, no entanto, são os filmes A Casa do Diabo (2009) – uma bela homenagem à década de 1980; Hotel da Morte (2011) – eficiente incursão no subgênero de hotéis assombrados; e O Último Sacramento (2013) – interessante crítica ao fanatismo religioso.

Próximo Filme: In the Valley Of Violence – um faroeste diferente sobre vingança, esta é a produção mais ambiciosa do cineasta, e conta com nomes como John Travolta, Ethan Hawke, Taissa Farmiga e Karen Gillan no elenco. A estreia ocorre em 16 de setembro de 2016 nos EUA.

Michael Dougherty

Dougherty - CinePOP

Mais conhecido como o parceiro profissional de Bryan Singer, o cineasta americano de 41 anos foi responsável pelos roteiros dos blockbusters X-Men 2 (2003), Superman – O Retorno (2006) e pela história do recente X-Men: Apocalipse (2016).




Como diretor, Dougherty estreou em 1996, no comando do curta Season´s Greetings, já demonstrando o gosto pelo tema “feriados”. Seu primeiro longa foi o embargado Contos do Dia das Bruxas (Trick r Treat), exibido em um festival de 2007, e chegando ao circuito americano, de forma restrita, somente em 2009 (no Brasil, o filme recebeu um lançamento direto em vídeo). Ano passado foi a vez do Natal receber o tratamento Dougherty com Krampus: O terror do Natal, aguardado novo trabalho do diretor. Ambos Contos do Dia das Bruxas e Krampus receberam elogios dos especialistas e uma base cult de fãs.

Próximo Filme: Trick ´r Treat 2 – ainda sem data de estreia definida, elenco, ou qualquer informação mais detalhada, sabe-se apenas que a continuação do cultuado filme de estreia do diretor está anunciado, com Dougherty novamente assumindo roteiro e direção.

Mike Flanagan

Flanagan - CinePOP

Ao contrário dos primeiros nomes da lista, Flanagan (de 38 anos) não iniciou a carreira com curtas e sim num longa, o drama Makebelieve (2000). O debute no gênero ocorreria em 2006, com o curta Oculus: Chapter 3 – A Man With a Plan, que viria a se tornar o longa-metragem O Espelho (2013), o maior sucesso de sua carreira.

A estreia em longas de terror, no entanto, foi com Absentia (2011), que misturava drama e gravidez em sua trama. Este ano, o diretor lançou o comentado Hush: A Morte Ouve, que fala sobre uma casa isolada, uma protagonista surda e um psicopata, direto na plataforma Netflix. Além disso, Flanagan tem ainda O Sono da Morte, que chega em julho deste ano no Brasil, fala sobre um garotinho com o estranho dom de manifestar seus sonhos e pesadelos, e conta com o engraçadinho Jacob Tremblay (O Quarto de Jack) no elenco.

Próximos Filmes: Flanagan tem alguns projetos legais enfileirados. O diretor assina o roteiro do reboot Eu Sei o que Vocês Fizeram no Verão Passado – baseado no livro de Lois Duncan. Na direção, estará no comando de Gerald´s Game – sobre o jogo mortal entre um casal, e Ouija 2 – que com seu roteiro e direção tem tudo para ser anos luz superior ao desastre de 2014. Além disso, Zahhak é a refilmagem hindu de O Espelho, que está sendo filmada.

Jennifer Kent

Kent

A australiana Jennifer Kent possui 13 créditos como atriz e apenas 5 como diretora. Apesar disso, sua marca foi deixada com O Babadook, terror psicológico de 2014, que os críticos adoraram, mas o público nem tanto.

O início da carreira da diretora foi em 2005 com o curta Monster. Depois, Kent seguiu no comando da série Nada é o Que Parece (Twisted), na qual comandou o episódio “Love Crimes”. Além disso, dirigiu também outro curta em 2014, intitulado Dook Stole Christmas. Mas como citado, O Babadook, que igualmente pode ser visto como um drama de relacionamento entre mãe e filho problemáticos, foi o divisor de águas na carreira da artista e o que a trouxe para esta lista.

Próximo Filme: The Nightingale – nova produção australiana comandada pela cineasta, que tem apenas a sinopse, até o momento, divulgada. Na trama, passada na Tasmânia de 1829, uma mulher jovem e convicta procura vingança pela morte de sua família. No caminho, ela leva consigo um aborígene considerado um pária. Pelo interior, a dupla irá enfrentar muito mais do que podem. Infelizmente a estreia ocorre somente em 2017.

Fede Alvarez

Fede - CinePOP

Sonhos podem se tornar reais, e depois serem transformados em pesadelos. Foi o que aconteceu com o uruguaio Fede Alvarez (de 38 anos), quando Ataque de Pânico! (2009), seu quarto curta-metragem (o primeiro foi em 2001), foi lançado na internet se tornando um grande sucesso.

Graças ao trabalho, Alvarez recebeu o convite para comandar o remake A Morte do Demônio (2013), planejado para trazer novo fôlego à franquia de Sam Raimi, produzido pelo próprio. Embora não tenha saído como o esperado, as qualidades da obra são inegáveis e a pegada mais séria e dramática teve seus apreciadores. Em 2014, Alvarez comandou o episódio “La Conquista”, da série Um Drink no Inferno, original da Netflix.

Próximo Filme: O Homem das Trevas (Don´t Breathe) – A Morte do Demônio (2013) pode ter dividido opiniões, mas o talento do cineasta se tornou inegável e todos esperavam seu próximo trabalho. Criativo, Alvarez desenvolveu o roteiro e assina a direção deste suspense de terror, que mostra um trio de ladrões baratos tentando roubar uma casa abandonada. A surpresa é que a casa não está abandonada e o dono cego, mais perigoso que os criminosos, começa a virar o jogo. No elenco, Alvarez reprisa a parceria com a talentosa Jane Levy (do citado remake). A estreia ocorre no dia 8 de setembro no Brasil.

Marco Dutra

Dutra - CinePOP

É com muita alegria que anuncio um cineasta brasileiro fazendo parte desta seleta lista. E não é nepotismo algum. Marco Dutra, paulistano de 36 anos, entregou alguns dos filmes brasileiros mais interessantes dos últimos anos, o que faz do diretor não apenas um destaque dentro do gênero, como um de nossos cineastas mais criativos e talentosos. Dutra entraria facilmente em uma lista dos melhores diretores brasileiros da atualidade.

A carreira foi iniciada em 1999, com o curta Três Planos, Nove Planos. Depois de mais 10 curtas, a estreia em um longa-metragem veio em 2011 com o elogiado Trabalhar Cansa (ou Hard Labor, como é conhecido internacionalmente). O passo seguinte era dado com Quando Eu Era Vivo (2014), que contou com nomes como Antonio Fagundes e a cantora Sandy no elenco. Os filmes de Dutra costumam ser mais do que somente obras de terror, funcionando como críticas / sátiras sociais e comportamentais. São filmes de terror dramáticos e psicológicos. Dutra também foi o responsável pelas canções de Sinfonia da Necrópole (2014), musical fúnebre dirigido por Juliana Rojas, parceira no roteiro e direção de seu primeiro filme.

Próximos Filmes: O Silêncio do Céu é uma produção brasileira, falada em português e espanhol, e conta com o argentino Leonardo Sbaraglia (Relatos Selvagens) e a brasileira Caroline Dieckmann como o casal protagonista. Justamente nesta época turbulenta em nosso país, da intensa discussão de crimes e violência contra a mulher, a nova produção de Dutra chega para promover mais rebuliço com uma trama forte, que fala justamente sobre estupro e suas consequências, e será lançado ainda este ano. Em 2017, Dutra e Rojas se reúnem (dividindo mais uma vez roteiro e direção) para lançar As Boas Maneiras, fantasia de horror ainda sem a sinopse divulgada.

Álex de la Iglesia

Iglesias - CinePOP

O espanhol de 50 anos não é um novato na direção, tendo começado a carreira em 1991 e constando com 22 créditos como diretor. No entanto, ainda vive no submundo do cinema cult, pouquíssimo conhecido do grande público. Iglesia já fez filmes ao lado de artistas como Javier Bardem, Salma Hayek e Carmem Maura, e dirigiu longas fora do gênero do terror. Com Enigmas de um Crime (The Oxford Murders, 2008) entregou seu primeiro e único filme totalmente falado em inglês, e dirigiu Elijah Wood e John Hurt.

Os chamarizes de sua carreira, no entanto, são os filmes Balada do Amor e do Ódio (2010) e As Bruxas de Zugarramurdi (2013), nos quais pôde exercitar toda sua qualidade técnica e sua mente insana, em produções escandalosas, mas muito criativas, que não ficavam devendo nada às superproduções hollywoodianas (é sério!). Em ambas as obras, assim como na série Plutón B.R.B. Nero (2008 – 2009), na qual comandou todos os 24 episódios, trabalhou ao lado da esposa, a belíssima atriz espanhola Carolina Bang.

Próximos Filmes: Mi gran Noche (ou My Big Night) foi exibido no Festival de Toronto do ano passado e estreou em países como a Espanha. Nos EUA, chegou em abril deste ano, mas por enquanto ainda não aportou em nosso país (provavelmente chegará no mercado de home vídeo). O filme não é um terror, mas sim uma comédia, e mostra as desventuras de diversos personagens durante um programa televisivo na noite de ano novo. Já com El Bar, que não teve a sinopse divulgada, mas tem estreia programada para 2017, Iglesias retorna para o gênero do terror (mais uma vez mesclado à comédia). No elenco, Blanca Suárez (A Pele que Habito).

David Robert Mitchell

Mitchell - CinePOP

Este próximo diretor tem apenas um longa-metragem do gênero no currículo (no total de mais um longa e um curta), então porque se encontra na lista, você pergunta. Acontece, que o tal filme é nenhum outro senão Corrente do Mal (2014), uma das produções mais elogiadas do gênero nos últimos anos. Escrito pelo próprio cineasta autoral, o filme citado é criativo, artístico e conta com uma das premissas mais originais para uma produção do gênero: uma maldição (só vendo para saber) é passada através do sexo. Mas só dizendo isso não chega nem perto de fazer jus à obra.

Além disso, o cineasta americano de 42 anos, homenageia o cinema de mestres como John Carpenter com seu filme, duplicando tomadas, estilo e trilha sonora, e fazendo a seu modo um novo clássico nascer. Mitchell começou a carreia em 2002 com o curta Virgin e em 2010 entregou o igualmente elogiado The Myth of the American Sleepover, drama jovem de amadurecimento.

Próximo Filme: Under the Silver Lake é um suspense descrito somente como um thriller criminal moderno, no estilo noir, passado em Los Angeles. Mitchell escreve e dirige novamente, e no elenco Andrew Garfield (O Espetacular Homem-Aranha) e Dakota Johnson (Cinquenta Tons de Cinza) protagonizam.

Robert Eggers

Eggers - CinePOP

Novamente encontramos na lista um cineasta com apenas um filme adornando seu currículo. No entanto, este filme é nada menos que A Bruxa (2015), um dos mais falados exemplares do gênero dos últimos tempos. Robert Eggers, cineasta americano de 33 anos, sendo assim o mais jovem da lista, começou a carreira em 2007 realizando curtas.

O terror artístico extremamente perturbador A Bruxa serviu para colocar seu nome no mapa. Um filme de difícil vendagem, mas que mesmo assim conseguiu atingir bem mais que os críticos (o que não deixa de surpreender). Com uma trama passada em 1630 e focada unicamente no declínio espiritual de uma família, a obra de Eggers é um forte estudo de clima, tensão e elementos técnicos de um filme, como direção de arte, fotografia e trilha sonora. Agora o mundo está ligado em Eggers, esperando seu próximo passo.

Próximos Trabalhos: apesar de brevemente vinculado a um remake do clássico Nosferatu (1922, já refilmado em 1979), Eggers desistiu do projeto. No entanto, optou pela série biográfica da figura histórica russa, Rasputin, o monge louco. Eggers irá dirigir e escrever de 6 a 8 episódios, que cobrirão toda a minissérie, produzida pela Media Rights Capital, produtora por trás de Ted (2012) e a nova adaptação de Stephen King, A Torra Negra.

James Wan

Wan - CinePOP

O número 1 da lista não poderia ser outro. Ao longo da lista tivemos cineastas que marcaram com apenas um trabalho e outros que embora tenham uma cinegrafia cheia, não explodiram verdadeiramente, sendo conhecidos apenas no nicho. Isso muda quando falamos de James Wan, o cineasta que emplaca sucessos consecutivos no gênero terror (e em outros também) e parece não poder errar.

O malaio naturalizado australiano, de 39 anos, iniciou a carreira em 2000 com o terror Stygian. Mas foi em 2003, com o curta Saw que sua estrela iria brilhar. Acontece que o filme de 9 minutos deu origem ao longa Jogos Mortais (2004), um dos maiores sucessos no currículo de Wan. Depois vieram Sobrenatural (2010), Invocação do Mal (2013), Sobrenatural: Capítulo 2 (2013) e o recente sucesso Invocação do Mal 2 (2016). Mas Wan não manda bem somente no terror e tem Velozes & Furiosos 7 (2015) para mostrar que comanda uma superprodução como poucos.

Próximo Filme: tudo que Wan toca vira ouro. Porém, seu maior desafio virá a seguir. O cineasta está vinculado ao projeto do filme solo do herói Aquaman, da DC Comics / Warner. O filme que tem Jason Momoa (Game of Thrones) no papel título enfrenta alguns problemas, no entanto. O primeiro é a má fama e críticas extremamente negativas que Batman VS. Superman (2016) recebeu, minando um pouco os planos de um universo cinematográfico da DC.

O segundo diz respeito ao escândalo de violência doméstica do casal Johnny Depp e Amber Heard. A atriz estava escalada para viver Mera, personagem feminina principal do longa. Acontece que a conturbada situação fez com a atriz perdesse alguns quilos, que não poderia, já que para a personagem é exigido uma forma física mais exuberante. Rumores apontam a saída de Heard, que chateada contesta o fato. Tudo isso são problemas que Wan precisará lidar para tirar o projeto do papel. A estreia é programada para 2018, Wan já fala do filme, mas ainda consta somente como um projeto anunciado e não se encontra sequer em fase de pré-produção.

Curta nossa ENTREVISTA com a Nina Dobrev:


» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «