A nostalgia não para!

Há cinco anos, o mundo da música mudava por completo com a estreia de diversas estrelas da música contemporânea, bem como o retorno de nomes já solidificados no cenário do entretenimento.

Em 2017, Dua Lipa fazia sua grandiosa estreia homônima e ganhava o mundo com o lead single “New Rules”, que tocou em praticamente todas as rádios do mundo. Além disso, Harry Styles começava a cimentar uma carreira de grande sucesso com seu début (também homônimo), e Pabllo Vittar dava início a uma longeva aclamação com Vai Passar Mal.

Katy PerryTaylor Swift também faziam seus respectivos comebacks com WitnessReputation – que, apesarem de não terem feito o mesmo sucesso de crítica dos álbuns anteriores, conquistaram os fãs.



Pensando nisso, montamos uma breve lista com dez álbuns que completam cinco anos em 2022.

Confira abaixo as nossas escolhas e conte para nós qual o seu favorito:

Aproveite para assistir:

VAI PASSAR MAL, Pabllo Vittar

Lançamento: 12 de janeiro



Antes de se tornar a drag queen mais famosa do mundo Pabllo Vittar fazia sua grandiosa estreia no cenário fonográfico com Vai Passar Mal. A elogiada produção a colocou no centro dos holofotes e misturou estilos como funkpophouse para dar vida a faixas sobre autoestima, empoderamento e sexualidade. Dentre os vários singles, é preciso destacar o sucesso de “Todo Dia”, “K.O.”“Corpo Sensual”.

HARRY STYLES, Harry Styles

Lançamento: 12 de maio

Contando com canções como “Sign of the Times” “Kiwi”, o début do ex-membro da banda One DirectionHarry Styles, veio acompanhado de uma antecipação gigantesca. Para a produção, ele trabalhou com Jeff BhaskerAlex SalibianTyler JohnsonKid Harpoon e criou narrativas cujo tema central eram os relacionamentos. Aqui, temos a mistura de rockBritpopsoft-rock – e vendas que ultrapassaram 1 milhão de cópias em apenas um ano.

EL DORADO, Shakira

Lançamento: 26 de maio

Retornando para suas raízes à música latina, Shakira parou o mundo quando lançou o aguardado El Dorado em maio de 2017. O disco contou com uma promoção massiva que gerou nada menos que oito singles (incluindo “Chantage”“Me Enamor锓Trap”), além de garantir uma estatueta de Melhor Álbum Latino do Grammy e uma indicação a Álbum do Ano no Grammy Latino.



DUA LIPA, Dua Lipa

Lançamento: 02 de junho

Se ‘Future Nostalgia’ reiterou o nome de Dua Lipa na música pop, sua estreia homônima deu cara à voz que viria a dominar uma geração. Depois de trabalhar como modelo, Dua resolveu investir tempo em outra arte que amava, a música, e com isso originou memoráveis faixas como “New Rules”“IDGAF”“Hotter Than Hell”. A produção incorpora elementos do dance-pop, do electropop e do R&B e já vendeu mais de 6 milhões de cópias.

HOPELESS FOUNTAIN KINGDOM, Halsey

Lançamento: 02 de junho


Dois anos depois de ‘Badlands’Halsey estava pronta para retornar ao cenário musical com Hopeless Fountain Kingdom. Além de estreat em primeiro lugar na Billboard 200, a produção conta com colaborações de QuavoLauren JaureguiCashmere Cat e é regida por diversos singles, incluindo “Bad at Love”“Alone”. Marcando o início da transição do indie pop para o mainstream, as canções possuem um caráter mais popR&B do que incursões anteriores.

WITNESS, Katy Perry

Lançamento: 09 de junho

“[…] o resultado tardio de Witness é um compilado de poderosas letras e um conceito futurista e à frente de seu tempo que luta para ganhar espaço em meio a uma gestação confusa, recheada de estilos que não deveriam ter vez (pelo menos não com aquilo que Katy planejava nos entregar). Afinal, durante a construção da obra, a cantora havia declaro que seu adeus ao colaborador de longa data Dr. Luke representaria o início de uma era completamente reformulada, da qual estava muito orgulhosa – uma era de ressignificação do pop para algo mais pessoal e autocrítico quando em comparação aos mercadológicos hits que vinha entregando.” – Thiago Nolla

MELODRAMA, Lorde

Lançamento: 16 de junho

Considerado um dos melhores e mais aclamados álbuns de todos os tempos, Melodrama mostrou que a cantora e compositora neozelandesa Lorde ainda tinha muito a contar para seus fãs. Ovacionado pela crítica especializada pelo afastamento da obra anterior e pelas breves incursões ao conceitualismo musical, a produção foi indicada Álbum do Ano no Grammy e apareceu em diversas listas de fim de ano e de década.

MASSEDUCTION, St. Vincent

Lançamento: 13 de outubro

Masseduction, assim como Melodrama, recebeu aplausos diversos pelos especialistas internacionais e promoveu uma profunda mudança na identidade sonora de St. Vincent – que já havia entregado diversos álbuns incríveis. Focando em temas como sexo, drogas, tristeza e imperialismo predatório, o disco funde electro-popnew waveglam rock e conta com quatro singles oficiais, incluindo a irretocável faixa “Los Ageless”.

REPUTATION, Taylor Swift

Lançamento: 10 de novembro

Reputation resgata elementos do pop clássico com um revestimento eletrônico que invade sem escrúpulos o synthpop – e que, para o bem ou para mal, representa uma enorme mudança na estética imagética de Taylor Swift. O álbum sofreu críticas sobre seu teor superficial, mas isso não quer dizer que não tenha faixas bastante envolventes – como “Getaway Car”“Don’t Blame Me”“Delicate”.

POP 2, Charli XCX

Lançamento: 15 de dezembro

Charli XCX fazia o grande lançamento de sua carreira em 2017, com a divulgação da mixtape Pop 2. Ganhando aclame pela crítica especializada, a cantora e compositora britânica apostava fichas em um pesado PC music, pincelado com avant-popindustrial pop (cortesia do lendário produtor A.G. Cook) e foi liderado pelo single “Out of My Head”, com AlmaTove Lo.

COMENTÁRIOS

Não deixe de assistir: