Crítica | As Linhas Tortas de Deus – Suspense Psicológico da Netflix Cheio de Reviravolta Vai dar Nó no seu Cérebro!

Como é bom poder assistir a um filme que desafia sua inteligência e te leva por caminhos não imaginados! É o desafio mais buscado pelos fãs de terror e suspense, afinal, é a imprevisibilidade da trama que injeta adrenalina nas veias dos fãs e fazem com que o espectador engaje de vez no filme. Não é todo filme que faz isso com a gente, mas, quando acontece… ah, que delícia! Para quem está buscando um bom exemplo disso que estou falando, é só clicar para assistir a ‘As Linhas Tortas de Deus’, novo suspense psicológico da Netflix que tem se mantido inabalável no Top 10 da plataforma desde sua estreia.

Alice (Bárbara Lennie) é uma detetive particular contratada por um homem poderoso para investigar o caso de um suposto suicídio de um rapaz internado em uma clínica psiquiátrica. Uma vez na clínica, Alice decide assumir uma nova identidade, chamando-se Alicia, e fingir transtornos mentais, dizendo-se paranoica, internada voluntariamente porque seu marido quer ficar com sua fortuna. Tudo vai bem no seu plano até a investigação começar propriamente, e realidade e ficção começarem a se misturar fortemente em sua cabeça, com médicos e pacientes colocando em dúvida suas maiores certezas. Sem conseguir definir qual é a verdade, Alice procurará convencer a todos que o que fala é a realidade, e que seu marido está de fato construindo um complô para interditá-la para ficar com sua fortuna.

Com duas horas e meia de duração (sim, dava para fazer um pouquinho menor), desde suas primeiras cenas ‘As Linhas Tortas de Deus’ mostra que será desses filmes com muitos plot twists e não decepciona: até literalmente a última cena o espectador é presenteado por grandes reviravoltas, que fazem com que a história se faça e se desfaça constantemente, relegando a nós a definição do que seria exatamente o fim do filme.

Diante de uma assinatura tão boa na construção do enredo, fica fácil identificar a razão: o realizador Oriol Paulo também é responsável por outros dois grandes thrillers de sucessos na Netflix – ‘Durante a Tormenta’ (2018 ) e ‘Um Contratempo’ (2016), cujas críticas podem ser lidas ao clicar nos títulos.

Oriol Paulo imprime um tom beeem hitchcockiano em seu ‘As Linhas Tortas de Deus’, especialmente observados na trilha sonora, que recupera os mesmos instrumentos e notas de ‘Psicose’, e na fotografia, apoiadora do suspense e da paranoia da protagonista. Esses dois elementos envolvem a personagem Alice/Alicia, uma musa em desconstrução apresentando-se inicialmente como uma femme fatale que, no desenrolar da trama, vai perdendo todas as suas características até virar a vítima da história. E nada disso o espectador percebe acontecer.

Oriol Paulo conseguiu de novo. Em seu ‘As Linhas Tortas de Deus’ o espectador se depara com um complexo e imprevisível suspense psicológico de roer as unhas e dar nó no cérebro. Uma ótima pedida nesse fim de ano.

Mais notícias...

Siga-nos!

2,000,000FãsCurtir
370,000SeguidoresSeguir
1,500,000SeguidoresSeguir
183,000SeguidoresSeguir
158,000InscritosInscrever

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MATÉRIAS

CRÍTICAS

Como é bom poder assistir a um filme que desafia sua inteligência e te leva por caminhos não imaginados! É o desafio mais buscado pelos fãs de terror e suspense, afinal, é a imprevisibilidade da trama que injeta adrenalina nas veias dos fãs e...Crítica | As Linhas Tortas de Deus - Suspense Psicológico da Netflix Cheio de Reviravolta Vai dar Nó no seu Cérebro!