Desde que o projeto ‘Raya e o Último Dragão’ foi noticiado pela Disney, a expectativa foi lá em cima. Seria ela a nova princesa do castelo encantado? Ela conseguiria superar o recente lançamento ‘Soul’, indicado ao Globo de Ouro? Então, veio o anúncio da produtora de que o filme seria lançado simultaneamente na plataforma dela, a Disney+, e nos cinemas, o que gerou repercussão: algumas distribuidoras se recusaram a exibir o longa e os assinantes da plataforma acharam um absurdo ter que pagar um extra de R$69,99 para poder assistir ao filme na data de lançamento “antecipado” na plataforma. Com tanto bafafá, o resultado de ‘Raya e o Último Dragão’, no final das contas, é um nugget: um filme em que se enfiou um monte de coisa nada a ver para gerar um sabor gostosinho e de fácil digestão.

Quando criança, Raya (Kelly Marie Tran, na voz original) e seu pai, Benja (Daniel Dae Kim) tinham a esperança de reunir os cinco povos para voltarem a ser uma só nação: Kumandra. Isso havia acontecido mais de 500 anos antes, quando humanos e dragões conviviam pacificamente, até que, um dia, forças tenebrosas ameaçaram o território, e, na tentativa de salvar a humanidade, os dragões dividiram seus poderes e criaram uma joia única, guardada com rigor pela família de Raya. Então, ao reunir os cinco povos na tentativa de pedir que, se confiarem uns nos outros, o território poderá voltar a ser Kumandra, o plano de Benja dá muito errado, pois os líderes dos outros povos disputam a joia e acabam partindo-a em cinco pedaços, fazendo renascer das trevas a grande ameaça que transformou os humanos em estátuas de pedra. Seis anos se passaram, Raya é agora uma jovem guerreira solitária com um único objetivo: encontrar Sisu (Awkwafina), o lendário último dragão, na esperança de que ele traga de volta o equilíbrio da terra.



A estrutura narrativa de ‘Raya e o Último Dragão’ é esquisita, pois apresenta todo esse plot em menos de dez minutos sem aprofundar nada, nem a tal lenda dos dragões nem os personagens principais. Assim, começamos a aventura de Raya sem nem saber direito o que ela quer da vida. Com uma história criada por oito pessoas e o roteiro assinado por Qui Nguyen e Adele Lim, o enredo do longa foca mais em transformar Raya numa espécie de caçadora de recompensas, indo de lugar em lugar atrás dos pedaços da joia, encontrando pessoas e adversários no meio do caminho e sem se deter muito em cada lugar. É só isso mesmo.

Assim, o que o filme dirigido por Don Hall e Carlos López Estrada acaba apresentando ao espectador é uma sequência de mini aventuras para encher a tela grande do cinema, com o intuito de vender jogos de videogame e de fazer a protagonista parecer uma grande guerreira. A estética da primeira parte do filme lembra muito a técnica utilizada na animação ‘Clone Wars’, do universo de ‘Star Wars’ – que, aliás, parece ter sido a inspiração da produção, que criou um tatu-bola que corre como o BB-8, elaborou um deserto como o do Anakin e apresentou sequências de perseguição dignas do universo de George Lucas. Já na parte final, temos um possível easter-egg com uma cidadã igualzinha à vovó Coco, de ‘Viva – a Vida é uma Festa’, a mesma locação da floresta de Arendelle e um cenário beeeem semelhante ao de Asgard, lar de Thor e Loki.

Aproveite para assistir:



Raya e o Último Dragão’ é um filme bem razoável, com pouca história, muita aventura e uma forma entediante de apresentar sua proposta. A Disney não traz nada de inovador nesta produção, pelo contrário, parece reciclar seus personagens – Moana, Detona Ralph e Vanellope , Miguel –, jogar no mix uma pitada de ‘Kung Fu Panda’, pegar os cenários de ‘Star Wars’ e pedir pra gente gostar desse trabalho de corte-colagem. Pouco cativante e com uma mensagem fraquinha, não deve nem vender bonecos.



Comentários

Não deixe de assistir:

🚨 INSCREVA-SE NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE 🚨http://bit.ly/CinePOP_Inscreva