sexta-feira, maio 24, 2024

Crítica | ‘The Tortured Poets Department’ apresenta uma Taylor Swift estagnada no tempo e sem muita originalidade

Taylor Swift sempre foi um acontecimento.

Desde sua estreia no mundo da música com seu álbum homônimo, Swift demonstrou uma habilidosa versatilidade lírica que a eternizaria como uma das maiores compositoras da atualidade. Não é surpresa que, ao completar seus trinta anos, ela tenha entrado em, quiçá, a melhor fase de sua carreira com o complexo e intrincado ‘folklore’, que lhe rendeu mais uma estatueta de Álbum do Ano no Grammy Awards, e com a igualmente bela sequência intitulada ‘evermore’. Todavia, após lançar dois álbuns em um mesmo ano, Swift parece ter perdido a mão no quesito “originalidade”, focando nos relançamentos de seus discos anteriores após conquistar a plenitude das masters e mergulhando em um conceitualismo pré-fabricado com ‘Midnights’.

Após ganhar o gramofone de Melhor Álbum Pop Vocal por sua décima incursão de inéditas, ela anunciou que estava pronta para seguir em frente com o ambicioso ‘The Tortured Poets Department’ – uma espécie de testamento em que exploraria as cinco fases do luto e uma “imperativa criação poética” que é bastante característica de sua persona. Através de vários materiais promocionais, ela nos preparou para um compilado que tinha todos os elementos para ser profundo e condizente com aquilo que de melhor nos entregara anos atrás. Infelizmente, o resultado não é esse: com breves exceções, a obra é uma massa amorfa de progressões repetidas e faixas que soam descartadas de inflexões predecessoras, além de versos sem qualquer sentido que são manchados por um exaurível platô criativo.

Ao longo de dezesseis faixas, Taylor dá o máximo de si para fugir de convencionalismos poéticos – algo que fizera com esmero em mergulhos críticos sobre a própria vida e sobre seu modo de enxergar o cosmos ao seu redor (uma reflexão à la Emily Dickinson que garantiu laços inquebráveis entre ela e sua legião de fãs). A track de abertura, ‘Fortnight’, puxa colaboração com Post Malone em uma sólida narrativa sonora movida por uma amálgama do baixo e dos sintetizadores, explodindo em uma melancólica balada. Cada imagem arquitetada é pensada com cautela (com destaque aos versos “todas as minhas manhãs são segundas/ presas em um fevereiro interminável”, em referência ao momento letárgico entre o fim do inverno norte-americano e o começo da primavera) e nos dá um gostinho do que, a priori, poderíamos esperar do restante do projeto.

Enquanto esse potente início configura-se como uma das melhores narrativas assinadas pela artista, a maioria das canções resume-se a um ciclo sem fim de progressões sonoras e instrumentais batidos. É notável como o electro-synth grita a plenos ares como se a urgência fosse o único modo de nos afastar de uma coleção de contos que discorrem sobre o mesmo tema – enredos de empoderamento e de superação que não possuem qualquer grau de maturidade para além de uma predisposta presunção lírica que, no final das contas, sai de lugar nenhum e chega a nenhum lugar. Se Jack Antonoff ficou responsável por algumas das canções mais icônicas não apenas de Taylor, mas também de nomes como Lorde, The Chicks e St. Vincent, aqui ele posa dentro de um vazio existencial que recicla melodias sem inspiração em um liquidificador turbulento.

A faixa-título começa com potencial infinito apenas para se transmutar em um risível enfeixe de metáforas vencidas e ilógicas (afinal, que diabos seria um “golden retriever tatuado”?); “I Can Do It With a Broken Heart” carrega uma das produções mais insuportáveis da memória recente, fadada a uma infantilização dissonante que apenas restringe o que Swift pode entregar – isso sem falar dos versos “porque eu sou uma criança realmente forte/ consigo lidar com toda minha m****”, que simplesmente não conseguimos associar à mesma pessoa que assinou canções como “All Too Well” e “August”; “My Boy Only Breaks His Favorite Toys” peca numa linearidade cansativa e reminiscente de ‘Lover’ e ‘1989’, além de contar com um fraseamento bizarro demais para ser levado a sério; “Down Bad” é tão apoiado na robotização e no pseudo-futurismo dos sintetizadores que mal captar as mensagens promovidas pela pessoalidade declamatória da performer.

A verdade é que os exemplos do parágrafo acima podem se destinar a boa parte das tracks presentes no álbum, desde “So Long, London”, passando por “But Daddy I Love Him” e culminando em um desperdiçado dueto entre Taylor e Florence Welch com o indie-pop-rock de “Florida!!!” – cuja bateria é um dos elementos que mais nos causa desconforto. Porém, não posso deixar de mencionar os breves ápices do disco, que afloram as centelhas de inspiração artística da cantora e compositora.

Além da música de abertura, temos a instigante melancolia de “Who’s Afraid Of Little Old Me”, que preza mais pela rendição vocal do que pela profundidade sonora e que, pouco antes do refrão, se converte em uma power-ballad aos moldes da impecável “Out of the Woods”; “Loml” é derradeira desde os primeiros toques do piano clássico, reiterando a mágica que Swift tem a habilidade de criar com o instrumento, projetando uma tristeza teatral e confessional em cada uma das palavras proferidas; “The Black Dog”, que faz parte de uma das versões deluxe da obra, é uma tocante e envolvente balada que merecia a chance de se tornar single por todos os sentimentos que evocam e pela universalidade promovida aos ouvintes – bem como de um crescendo apaixonante e dilacerante.

Apesar dos pontuais ápices, ‘The Tortured Poets Department’ é uma roda de Samsara – uma falsa sensação de originalidade que, na verdade, demonstra a inevitabilidade de uma fadiga criativa. Nesse álbum, Taylor parece estagnada em um tempo que não mais lhe pertence, procurando alimentar um microcosmos do qual não consegue escapar e recusando-se a explorar algo afora obviedades clichês e circunspecções em demasia.

Nota por faixa:

Não deixe de assistir:

1. Fortnight, feat. Post Malone – 5/5
2. The Tortured Poets Department – 3/5
3. My Boy Only Breaks His Favorite Toys – 2,5/5
4. Down Bad – 3/5
5. So Long, London – 2/5
6. But Daddy I Love Him – 1/5
7. Fresh Out the Slammer – 2,5/5
8. Florida!!!, feat. Florence and the Machine – 2/5
9. Guilty as Sin? – 2/5
10. Who’s Afraid of Little Old Me – 4,5/5
11. I Can Fix Him (No Really I Can) – 1,5/5
12. Loml – 5/5
13. I Can Do It With a Broken Heart – 1/5
14. The Smallest Man Who Ever Lived – 2,5/5
15. The Alchemy – 3/5
16. Clara Bow – 4/5
FAIXA-BÔNUS
The Black Dog – 5/5

Mais notícias...

Thiago Nollahttps://www.editoraviseu.com.br/a-pedra-negra-prod.html
Em contato com as artes em geral desde muito cedo, Thiago Nolla é jornalista, escritor e drag queen nas horas vagas. Trabalha com cultura pop desde 2015 e é uma enciclopédia ambulante sobre divas pop (principalmente sobre suas musas, Lady Gaga e Beyoncé). Ele também é apaixonado por vinho, literatura e jogar conversa fora.

Siga-nos!

2,000,000FãsCurtir
370,000SeguidoresSeguir
1,500,000SeguidoresSeguir
183,000SeguidoresSeguir
158,000InscritosInscrever

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MATÉRIAS

CRÍTICAS

Taylor Swift sempre foi um acontecimento. Desde sua estreia no mundo da música com seu álbum homônimo, Swift demonstrou uma habilidosa versatilidade lírica que a eternizaria como uma das maiores compositoras da atualidade. Não é surpresa que, ao completar seus trinta anos, ela tenha entrado...Crítica | 'The Tortured Poets Department' apresenta uma Taylor Swift estagnada no tempo e sem muita originalidade