Por que não fazer uma série que misture todos os elementos pop e geek cultuados pela geração Y? Por exemplo, dá pra pegar a vibe de vários filmes hypados, situar a história num futuro distante (mas não tão longe assim), jogar uma roupagem modernosa e colocar um título em inglês, mesmo que a produção seja alemã. Assim é ‘Tribes of Europa’, a nova série-sensação jovem da Netflix.

O ano é 2074. Décadas antes o mundo foi dizimado pelo dezembro sombrio, que acabou com a maior parte da população da Terra. Os seres humanos que sobraram se juntaram em tribos, especialmente na antiga Europa. Assim conhecemos Liv (Henriette Confurius), Kiano (Emilio Sakraya) e Elja (David Ali Rashed), três irmãos que fazem parte da tribo dos Orígenes, fundada vinte anos antes pela mãe de Liv e Elja. Certo dia, os três presenciam a queda de uma aeronave atlantis e Elja encontra o piloto, que lhe entrega um cubo mágico para que termine sua missão de levá-lo até a Arca. O que eles não sabiam era que a tribo do corvo também estava de olho nesse cubo, e eles acabam invadindo e destruindo os Orígenes, mudando o curso da história para sempre.



Já nos primeiros minutos de ‘Tribes of Europa’ percebemos que o plot da série é bem fraquinho – e pretensioso. Com o intuito de ambientar o enredo numa atmosfera épica, o roteiro de Jana Burbach, Benjamin Seiler e Philip Koch divide o trio protagonista em três jornadas individuais – o que acaba arrastando ainda mais o ritmo lento com que a trama toda avança. Liv acaba indo parar na tribo dos escarlates, onde conhece um gatinho e quer bolar um plano para resgatar sua família, escravizada pelo povo corvo. Só que sua história foca só no romance e nas tentativas de colocar seu plano em ação, uma recuperação mal sucedida de ‘Jogos Vorazes’; Elja é um mala, quase tão chato quanto o Frodo de ‘O Senhor dos Anéis’, e David Ali Rashed sofre para dar qualquer emoção a seu personagem, cuja missão é levar o anel (digo, o cubo) para um lugar perigoso com a ajuda de Moses (Oliver Masucci, de ‘Dark‘), o melhor personagem da série, ainda que com trejeitos Jack Sparrow; Kiano é o que tem a trajetória melhorzinha, afinal, vai parar no covil dos vilões, que é uma verdadeira repaginada dos campos de concentração com aspecto de boate BDSM.

Bem intencionada, a história criada e dirigida por Philip Koch é ambiciosa em tentar recuperar fatos históricos (como as Guerras Mundiais) e dar-lhes uma roupagem pop MTV para falar a linguagem jovem. Porém, sob camadas e camadas de efeitos especiais e da super produção alemã, temos uma história rasa, que suga nas referências modernosas recente como ‘Maze Runner’ ou ‘Mad Max’, mastiga tudo isso que andamos vendo e tenta recriar o sumo em formato serial de nome ‘Tribes of Europa’. Ao menos os vilões são bizarros e a trilha sonora é maneira; de resto, deve só agradar a juventude que sente falta das franquias supra mencionadas.



Comentários

Não deixe de assistir:

🚨 INSCREVA-SE NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE 🚨http://bit.ly/CinePOP_Inscreva