sábado, abril 13, 2024

Crítica | Turismo Selvagem: Thriller psicológico da Prime Video nem sempre acerta, mas ainda assim vale o play

Em uma insana espiral declinante de eventos, Turismo Selvagem se desabrocha nas telas como muito mais do que um sombrio suspense sobre infidelidade e vingança. Explorando a psique de seus personagens e suas caóticas decisões impulsivas, a nova minissérie original da Prime Video é um tour pelos meandros de diversos relacionamentos tóxicos e como eles afetam diretamente a percepção individual de cada um sobre si e – consequentemente – sobre sua necessidade de sobrevivência a qualquer custo.

Aqui, paixões à flor da pele se transformam em obsessões desenfreadas que desencadeiam em uma jornada infernal de catástrofes emocionais e físicas. Provando que uma traição vai muito além de um desvio de caráter momentâneo, Turismo Selvagem explora todos os desdobramentos que a atitude irracional de um homem infiel é capaz de acarretar na vida de todos que o cercam, salientando ainda que a linha que separa vilões e mocinhos pode muitas vezes ser mais turva do que verdadeiramente clara. 

Baseada no livro homônimo de B.E. Jones, a série criada por Marnie Dickens abraça o caos e sustenta-se nisso até seus últimos instantes. Frenética em seu efeito dominó de eventos incessantes e dinâmica por nunca reduzir seu veloz ritmo narrativo, a original Prime Video sabe muito bem trabalhar seus personagens ao longo de seus seis episódios e embora não se aprofunde muito no background de cada um deles, entrega o suficiente para justificar as motivações e irracionalidades de cada um. E ainda que peque por não ir além na construção de seus protagonistas, o thriller criminal/psicológico acerta facilmente ao nos convencer a comprar a intensa narrativa de radioatividade relacional que impera ao longo dos capítulos.

E mesmo com personagens tão mais detestáveis do que identificáveis, a trama de Turismo Selvagem consegue nos envolver com facilidade. Correndo o risco de se tornar cansativa pela falta de carisma de Liv (Jenna Coleman) e Will (Oliver Jackson-Cohen) – que por fim se tornam duas pessoas codependentes de uma falsa sensação de amor mútuo -, a minissérie de suspense consegue nos manter atentos pela ótima dinâmica entre os atores e por saber criar a tensão necessária. Sustentando essa sombria e desconfiada atmosfera com tranquilidade, a produção cresce ainda mais ao construir clímaxes genuinamente bons, coroados por plot twists de tirar o fôlego.

E ainda que a série flerte demais com clichês hollywoodianos e não chegue nem perto de ser uma das grandes estreias da Prime Video de 2023 – embora tivesse potencial para isso -, ela continua viciante e é o entretenimento ideal para os amantes do gênero curtirem em um pacato fim de semana. Com um desfecho cafona e piegas que sinaliza virtude para a agenda identitária, Turismo Selvagem pode até não ser aquele thriller psicológico que esperávamos, mas sem sombra de dúvidas a aventura não é um desperdício de tempo. Contagiante por suas reviravoltas caóticas e com um ar novelesco ultra dramático que funciona, a minissérie é uma prazerosa fantasia sobre obsessões narcisistas e paixões doentias.

Mais notícias...

Siga-nos!

2,000,000FãsCurtir
370,000SeguidoresSeguir
1,500,000SeguidoresSeguir
183,000SeguidoresSeguir
158,000InscritosInscrever

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MATÉRIAS

CRÍTICAS

Em uma insana espiral declinante de eventos, Turismo Selvagem se desabrocha nas telas como muito mais do que um sombrio suspense sobre infidelidade e vingança. Explorando a psique de seus personagens e suas caóticas decisões impulsivas, a nova minissérie original da Prime Video é...Crítica | Turismo Selvagem: Thriller psicológico da Prime Video nem sempre acerta, mas ainda assim vale o play