Tendo suas raízes nos anos 1940 e 1950, o rock como o conhecemos hoje é nada mais que uma incrível evolução musical que o mantém vivo das mais diversas maneiras – sendo redescoberto, revisitado, desconstruído e reerguido em diversos suis generis. Ao lado do pop, o gênero em questão é um dos mais mutáveis e flexíveis da indústria fonográfica e, a cada ano, abre as portas para artistas dispostos a fornecer sua própria perspectiva.

No dia 13 de julho, comemora-se o Dia do Rock e, em homenagem a importância sociocultural e mercadológica desse estilo, preparamos uma série de matérias especiais para que você revisite bandas e álbuns icônicos.

Nossa primeira lista contempla os dez melhores álbuns do século XXI – e a seleção traz uma diversidade considerável que viaja do nu metal até o chamber rock.



Confira:

  1. LEVIATHAN, Mastodon

Mastodon pode não ter o tanto de reconhecimento que seus conterrâneos e contemporâneos, mas certamente merece um lugar especial na nossa lista. Aclamado pela crítica, Leviathan, 2º álbum de estúdio da banda, foi lançado em 2004 e foi elogiado pelas épicas transições dentro das faixas, colocando o grupo na seleta elite do gênero do heavy metal e do progressive metal. Eventualmente, o CD foi condecorado com os títulos de Álbum do Ano por diversas revistas e jornais.

  1. BY THE WAY, Red Hot Chili Peppers

Vendendo quase 300 mil cópias na semana de sua estreia, By The Way foi o oitavo álbum de estúdio do lendário grupo Red Hot Chili Peppers e ganhou uma sólida recepção da crítica internacional por suas múltiplas texturas e por seu liricismo elegíaco. Além disso, a produção recebeu reconhecimento e comparação com o clássico Californication, lançado três anos antes.

Aproveite para assistir:





  1. HYBRID THEORY, Linkin Park

Nos anos 2000, uma das bandas mais conhecidas de rock surgia, Linkin Park – e, com ela, nascia o álbum de estreia do grupo, Hybrid Theory que tornou-se um dos queridinhos do público e da crítica, além de ser o pontapé inicial para uma carreira de puro sucesso. Íntimo, provocativo e envolvente, os temas líricos da produção giram em torno da conturbada adolescência do vocalista Chester Bennington – incluindo abuso de drogas e a separação dos pais.

  1. FALLEN, Evanescence

Anteriormente encarado com a expressão máxima da contracultura – que pouco depois seria transferida para o funk e para o rap -, o rock começou a ganhar maior popularidade com a virada do século. Uma das bandas que mais contribuiu para que isso fosse possível foi Evanescence. Sua estreia com o álbum Fallen foi um sucesso crítico e comercial, tendo debutado em #7 na Billboard 200, indicado para o Grammy de Álbum do Ano e levado para casa duas outras estatuetas (incluindo Melhor Novo Artista).

  1. TOXICITY, System of a Down



Toxicity veio três anos depois do début do grupo System of a Down e continuou a onda de aclamação da banda. Considerado por muitos como um dos melhores álbuns dos anos 2000, o CD supracitado traz ao longo de 14 faixas uma mistura bizarra e que funciona em sua totalidade de jazz, progressive rock, música grega e armênia, instrumentos inesperados como cítara e banjo, e um arranjo de temas políticos e apolíticos que transforma a obra em uma análise antropológica da vida.

  1. BRAVE NEW WORLD, Iron Maiden

O ano de 2000 foi um grande ano para o rock, como já ficou provado inclusive por essa lista. Um dos responsáveis por essa gloriosa época foi Iron Maiden com Brave New World – uma adição interessante e por vezes subestimada à sua discografia. Elogiado pelo retorno de Bruce Dickinson e Adrian Smith à banda, o álbum foi chamado de titânico e majestoso por boa parte da crítica e do público.

  1. AMERICAN IDIOT, Green Day

American Idiot é uma das produções mais icônicas da história da indústria fonográfica e marca o retorno de Green Day à forma. Vencedor do Grammy de Melhor Álbum de Rock em 2005, a poderosa ópera punk-rock gira em torno das desilusões de uma geração que se viu no centro de eventos bélicos tumultuosos – e traz como personagem central o anti-herói Jesus of Suburbia. O sucesso crítico e mercadológico do CD deu origem ao aclamado musical homônimo da Broadway.

  1. FUNERAL, Arcade Fire



A épica estreia de Arcade Fire, Funeral, é inquestionavelmente um dos highlights do século, tendo sido revisitada por diversos artistas contemporâneos. A amálgama simples e epopeica entre art rock e chamber rock viria a influenciar grande parte dos grupos que o seguiriam. Indicado ao Grammy de Melhor Álbum Alternativo, a produção apareceu em diversas listas de fim de ano e entrou para o ranking dos melhores CDs da revista Rolling Stone.

  1. GOOD SOULS BETTER ANGELS, Lucinda Williams

Em 2020, Lucina Williams voltaria a nos encantar com o lançamento de Good Souls Better Angels, seu 15º álbum de estúdio. Forte candidato para as categorias principais do Grammy 2021, a produção foi extremamente elogiada pela crítica por seu teor devastador e catártico, e por sua capacidade de conexão emocional primitiva com os ouvintes e com qualquer um que ouse se aventurar nessa sinestésica jornada.

  1. JANE DOE, Converge

Jane Doe, da banda Converge, é um divisor de águas em praticamente toda a indústria fonográfica e, até hoje, é considerado o marco inicial do metal contemporâneo. Recheado de construções fora dos convencionalismos mainstream, sua arquitetura propositalmente bizarra e emocionalmente extenuante teve uma ótima recepção pela crítica e serve de influência para inúmeros artistas atuais.


Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE