segunda-feira, abril 15, 2024

Os Títulos Nacionais Mais Diferentes para as Comédias Clássicas dos Anos 80!

Como todo fã de cinema deve saber muito bem, o título original de um filme muitas vezes não é igual em todas as partes do mundo. E no Brasil isso ocorre com frequência. Somos famosos por traduções inventivas para os nomes dos filmes, às vezes muito bem bolados e adequados à nossa cultura; outras vezes totalmente sem noção.

Recentemente, por exemplo, tivemos um caso claro desta criatividade com a comédia escrachada de Jennifer Lawrence, ‘No Hard Feelings’. O título em inglês é de duplo sentido: é uma expressão muito usado por lá, do tipo “sem ressentimentos”, mas que também serve de forma literal do tipo, “sem sentimentos duros” – representando a falta de libido do coprotagonista. No Brasil, a mesma linha do duplo sentido foi seguida, com a tradução ‘Quer Horas Eu Te Pego?’, o literal sendo “pegar” do verbo buscar, mas a outra conotação sendo relacionada ao ato sexual de ficar, beijar.

Tendo isso em mente iremos voltar ao passado mais uma vez, em outra matéria nostálgica, que apresenta diferenças por vezes gritantes na tradução de algumas das comédias mais clássicas dos anos 80. Confira abaixo e prepare-se para se divertir.

Beverly Hills Cop = Um Tira da Pesada

Começamos com esse filme policial clássico que está completando 40 anos em 2024. Não bastasse isso, como forma de homenagem, o filme que transformou Eddie Murphy em um astro ganhará um novo exemplar junto à Netflix. Voltando à origem do título, a tradução literal seria “Tira de Beverly Hills’. Aliás quem foi que deu a gíria “tira” para policial por aqui? Será que algum dia já foi usada fora das dublagens de filmes?

Acontece que nos anos 80, muitos tradutores eram adeptos dos termos “da pesada” ou “do barulho”, gírias com significados de alguém ou alguma coisa capaz de tocar a maior “zorra”. Assim, o zoeiro policial de Murphy ganharia essa alcunha ao invés do local onde estava atuando.

The Blues Brothers = Os Irmãos Cara de Pau

Uma das diferenças mais gritantes entre EUA e Brasil culturalmente falando, é que por lá eles vivem e respiram cinema. Não por menos, Hollywood, a capital do cinema mundial é sediada em uma de suas cidades. A cultura do cinema e da televisão está entranhada no DNA dos americanos. Sendo assim, eles não precisam ter o conteúdo de um filme mastigado para eles no título. Coisa que ainda ocorre por aqui no Brasil. Por exemplo, um filme chamado ‘Os Irmãos do Blues’ não teria o apelo necessário para demonstrar ao público que se trata de uma das comédias mais insanas dos anos 80. Agora, quando colocamos ‘Os Irmãs Cara de Pau’, a coisa muda de figura, por se referir a alguém sem vergonha.

Police Academy = Loucademia de Polícia

Não deixe de assistir:

Aqui os responsáveis pela tradução deram um grande salto em criatividade, criando uma palavra inexistente em nosso vocabulário e conseguindo inclusive lançar uma gíria própria, pelo menos na época. Afinal, imagina se uma das franquias que mais dominou os anos 80 fosse chamada simplesmente de ‘Academia de Polícia’, como recebeu nome por lá nos EUA. Soa como filme policial. Agora e se inventarmos uma palavra que é a mescla de academia com louco, “loucademia”. Brilhante.

Coming to America = Um Príncipe em Nova York

Outro filme de Eddie Murphy que resume bem a trama a partir do título, afinal na história temos o príncipe de um país africano indo para os EUA, e se hospedando em Nova York, atrás de uma noiva. No título original temos simplesmente a expressão “Vindo para a América”. Mas aí ficaria a pergunta: Quem está vindo? Ah sim, o príncipe. Pior seria, “Um Príncipe vindo para a América”. E de qual América estariam falando? Deixa quieto, ‘Um Príncipe em Nova York’ ficou ótimo e simples.

The Naked Gun = Corra que a Polícia Vem Aí!

Agora, existe também aquela tradução que deseja imprimir um teor engraçadinho já em seu título. Por exemplo, a frase ‘Corra que a Polícia Vem Aí!’. A própria expressão é engraçada por si só, e poderia ser colocada também no filme ‘Loucademia de Polícia’. O original, por outro lado, aposta num teor bem mais nonsense, afinal se chama ‘A Arma Nua’. Já pensou? Por aqui ninguém entenderia nada.

Airplane = Apertem os Cintos, o Piloto Sumiu!

Com esse aqui o povo foi extremamente criativo. Clássico da comédia besteirol, o longa foi lançado logo em 1980, e abriu as portas para o gênero das comédias paródia nonsense, precedendo ‘Corra que a Polícia Vem Aí’ e ‘Top Gang’. Aqui, a óbvia sátira era em cima de ‘Aeroporto’ (1970), filme catástrofe da década de 70 e suas continuações. A piada é feita em cima disso, chamado seu filme paródia de “Avião”, ao invés de ‘Aeroporto’.

Para dar o grande ar de insanidade que o conteúdo do filme possui, os tradutores foram bem explícitos e resolveram esticar muito o nome curto original, resultando em uma das traduções mais icônicas e que não tinham absolutamente nada a ver com o título original. Bem, ao menos embarcaram na brincadeira e aderiram à paródia já no título.

Weekend at Bernie’s = Um Morto Muito Louco

Comédia cult de 1989, sobre dois funcionários de uma firma que viajam até a casa de praia de seu patrão para falar de trabalho, e se deparam com o sujeito morto, devido às suas falcatruas e envolvimento com criminosos. Para não serem considerados suspeitos da morte, ou até mesmo incriminados, eles decidem pela atitude mais imbecil que qualquer um poderia ter: fingir que o sujeito ainda está vivo, colocando nele óculos escuros.

Bem, eram os anos 80. E pior ainda, dá certo. Mais uma vez aqui temos uma tradução em português que exprime todo o teor do filme. Realmente temos um morto, muito louco é por conta do freguês. Mas se fosse “Um fim de semana no Bernie” perderia todo o sentido, e jamais teria se tornado uma música de funk.

Ferris Bueller’s Day Off = Curtindo a Vida Adoidado

Outro que sempre vem à tona em discussões sobre a diferença de títulos em outros países, o filme de John Hughes se tornou tão icônico em nosso país, que é a pedida ideal quando muitos pensam em exibições diurnas de reprises e na icônica Sessão da Tarde. Mas já imaginou como seria se chamasse “O Dia de Folga de Ferris Bueller”?

Já deu para sentir que no Brasil não se era muito adepto de colocar o nome dos personagens no título das traduções. Muito provavelmente porque são nomes típicos americanos, que os brasileiros não saberiam sequer pronunciar. ‘Curtindo a Vida Adoidado’ tem mais a ver com a energia do protagonista, mesmo que “a vida que se curte de forma adoidada” seja apenas um dia de semana matando aula.

Weird Science = Mulher Nota Mil

Do mesmo diretor John Hughes, temos ainda outra tradução bem diferente, do filme que dirigiu no ano anterior a Ferris Bueller. Aqui, temos dois adolescentes nerds e retraídos, que criam em seu computador, no melhor estilo ‘Frankenstein’ moderno dos anos 80, a criatura perfeita. Essa sendo a mulher perfeita, nas formas da estonteante britânica Kelly LeBrock, uma das mulheres mais belas a já ter passado por Hollywood.

Assim, mais autoexplicativo e fazendo referência à comédia romântica clássica ‘Mulher Nota 10’ (1979), com Dudley Moore e Bo Derek, a tradução em português fica mais compreensível para qualquer público. Ao contrário de ‘Ciência Estranha’, que poderia estar se referindo a qualquer outro estilo de filme.

Can´t Buy Me Love = Namorada de Aluguel

Finalizando temos outra comédia adolescente muito famosa na década de 80. Tanto que podemos apenas mencionar o título em português, que mesmo que você não lembre direito do filme, ou sequer tenha visto, certamente já ouviu esse nome antes.

Se fôssemos traduzir de forma literal como nos EUA, o título ficaria algo assim “Não pode me comprar o amor”, que também imprime muito da trama, mas soa de forma estranha, pois por aqui ninguém fala assim. ‘Namorada de Aluguel’ embora seja mais simples, direto e óbvio não causa confusão no espectador, e isso é algo que os tradutores por aqui sempre procuram evitar.

Mais notícias...

Siga-nos!

2,000,000FãsCurtir
370,000SeguidoresSeguir
1,500,000SeguidoresSeguir
183,000SeguidoresSeguir
158,000InscritosInscrever

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MATÉRIAS

CRÍTICAS