YouTube video player

‘Titanic’ voltará aos cinemas em 2023 em versão 3D

Poucos filmes conseguiram o status lendário que Titanic, épico romântico dirigido e escrito por James Cameron.

Mais de 25 anos após seu recorde de bilheteria, o filme está voltando aos cinemas.

Segundo o Deadline, uma versão remasterizada do filme de James Cameron chegará aos cinemas no próximo ano, em 3D 4K e HDR.

O relançamento foi marcado bem a tempo do Dia dos Namorados nos Estados Unidos (12 de Fevereiro de 2023).


Aproveite para assistir:

A Paramount tem direitos de distribuição e espera-se que anuncie os planos de lançamento em breve.

Aclamado pela crítica, o longa-metragem fez um estrondo de bilheteria, dominando o topo das produções mais bem-sucedidas de todos os tempos até ser destronado por ‘Avatar’ (também de Cameron), tornando-se o primeiro filme a ultrapassar a marca de US$1 bilhão mundialmente e estacionando com nada menos que US$2,2 bilhões. Como se não bastasse, Titanic conquistou 11 estatuetas do Oscar, incluindo Melhor Filme, e permanece como o mais condecorado da premiação ao lado de ‘A Malvada’ (1950) e ‘O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei’ (2003).

Para celebrar seu futuro relançamento, o CinePOP separou uma lista com algumas curiosidades de bastidores, que você pode conferir abaixo:


  • As cenas ambientadas em 2012 (que englobam todo o filme, com exceção das cenas no presente e nos créditos de abertura e encerramento) têm um total de 2 horas e 40 minutos, o exato tempo que o Titanic levou para afundar por completo. Além disso, a colisão com o iceberg levou 37 segundos – mesmo tempo da cena de colisão no longa.
  • Durante a cena em que a água invade a sala da Grande Escadaria, os realizadores tiveram apenas uma tomada para rodá-la, visto que o cenário e a mobília seriam totalmente destruídos.

  • As mãos que desenham Rose não são de DiCaprio, mas sim de Cameron. Na pós-produção, Cameron, que é canhoto, espelhou a imagem para que o artista parecesse se destro, como DiCaprio.
  • Cameron fez 12 mergulhos para o verdadeiro Titanic e comentou que a experiência foi muito emocionante e de tirar o fôlego. Durante sua primeira viagem, ele estava tão focado que conseguiu rodar todas as tomadas que queria; entretanto, quando voltou à superfície, ele desabou em lágrimas depois de perceber a magnitude da tragédia histórica que havia presenciado. Eventualmente, ele passou mais tempo com o transatlântico do que os passageiros.
  • Quando Jack está se preparando para desenhar Rose, ele diz a ela: “ali na cama… No sofá”. A fala original dizia “deite no sofá”, mas DiCaprio cometeu um deslize e Cameron adorou como ficou, deixando a sequência no corte final.

  • Alegadamente, Cameron conversou com cada um dos extras (aproximadamente 150 pessoas) e deu a eles nomes e backstories de passageiros do Titanic para adotarem e encarnarem na obra.
  • Cameron estava decidido a não incluir qualquer canção no filme, nem mesmo nos créditos finais, visto que não acreditava que elas seriam uma boa adição ao tom da obra. O compositor James Horner, todavia, estava lutando para terminar o longa de forma emocionante e secretamente se encontrou com o liricista Will Jennings e a cantora Céline Dion para escrever “My Heart Will Go On”, utilizando o tema musical central do filme como melodia. Cameron acabou adorando a música e a manteve no final. O resultado? A faixa levou para casa o Oscar de Melhor Canção Original.
  • Indicada à categoria de Melhor Atriz Coadjuvante aos 87 anos, Gloria Stuart, que viveu a versão mais velha de Rose, se tornou a pessoa mais velha a ser nomeada a um Oscar. Stuart carregou esse recorde por dezenove anos, até Christopher Plummer ser indicado a Melhor Ator Coadjuvante, aos 88.

  • Uma recente investigação mostou que, caso o Titanic divesse colidido com o iceberg de frente, não teria afundado. Apesar de sofrer vários danos, o transatlântico não teria naufragado e chegaria à cidade de Nova York com um ou dois dias de atraso.
  • Johnny Depp havia sido considerado para o papel de Jack e até mesmo recebeu uma oferta. Porém, o ator recusou o projeto e, até hoje, considera um dos maiores arrependimentos de sua carreira.
Sair da versão mobile