Crítica | De Canção em Canção – Música e existencialismo no novo filme de Terrence Malick

Crítica | De Canção em Canção – Música e existencialismo no novo filme de Terrence Malick

COMPARTILHE!

Por Adriana Cruxen

Se você gosta música definitivamente deve assistir De Canção em Canção (Song to Song), novo longa do cultuado roteirista, produtor e diretor Terrence Malick, que finalmente tem data marcada para ser exibido no Brasil: a partir desta quinta, 20/7, nas principais salas de cinema.

O pano de fundo do filme é o ultra mega festival SXSW, que anualmente acontece em Austin/Texas, sempre em março, lançando tudo que há de mais cool a respeito de música, cinema e tecnologia global. O próprio Song to Song (título original do longa) teve sua estreia por lá na edição deste ano.

     

O trio de atores (Michael Fassbender, Rooney Mara e Ryan Gosling) interpreta personagens do métier musical: Fassbender vive um excêntrico produtor, Gosling e Mara, músicos que almejam status e fama.

Em meio à problemática de uma relação amorosa a três, que ainda envolve luxúria e disputas profissionais, a trama é uma extensa narrativa do inconsciente profundo de cada um dos personagens sobre seus medos, anseios, crises existenciais e a eterna busca da felicidade e plenitude no amor.

Completam o time de atores queridinhos, Natalie Portman, que vive uma garçonete que se rende à vida luxuosa, fútil e desregrada do personagem de Fassbender e Cate Blanchett, affair do personagem de Gosling.

Não é uma película palpável e sim um afluente de imagens de tirar o fôlego. Emmanuel Lubezki, diretor de fotografia vencedor do Oscar (Gravidade, Birdman e O Regresso), merece todo o crédito. Os melodramas e inquietações de cada personagem são mostrados sem uma sequência de cenas convencional e com uma abordagem tão etérea que chega a ser poética.

Porque você deve ver: amantes de música, a trilha sonora é ótima! Tem Lykke Li, que aparece tanto na trilha como no filme, sendo ela mesma e contracenando com Gosling no papel de ex-namorada. Tem Patti Smith, Red Hot Chili Peppers, Iggy Pop e outros músicos famosos que são mostrados tocando e em cenas icônicas no backstage do SXSW.

Porque você não deve ver: o filme é um tanto longo e o enredo não prende o espectador como deveria, logo, torna-se facilmente enfadonho se você não curte dramas existenciais.

Tem Playlist do Spotify*


Crítica | Annabelle 2 - A Criação do Mal - Vale a pena?



» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

[AVISO] Os comentários passam por uma aprovação e podem demorar até 24 horas para serem disponibilizados no site. Comentários com conteúdo ofensivo serão deletados, e o usuário pode ser banido. Respeita a opinião alheia e comporte-se.