12 Filmes de Terror Adolescente do Fim dos Anos 90 que reavivaram o Subgênero

12 Filmes de Terror Adolescente do Fim dos Anos 90 que reavivaram o Subgênero



Existiu um período muito peculiar para os filmes de terror no fim da década de 1990. Nesta época, os fãs puderam se animar novamente, com produções de certo prestígio que elevavam o gênero a um alto patamar, fazendo igualmente uma legião de novos seguidores. Para quem era adolescente, estes filmes significaram muito, dando sobrevida a um subgênero que parecia morto e enterrado.

Os filmes slasher, ou terror adolescente, foram cimentados na década de 1980 com produções como Sexta-Feira 13 e A Hora do Pesadelo, além de seus inúmeros “primos” – foi uma época muito fértil para este tipo de cinema. Para se ter uma ideia, estas duas franquias marcaram presença nos 80s, lançando praticamente um filme por ano. No início da década seguinte, tais filmes pareciam ter esgotado o interesse do público e se exaurido.

Numa reviravolta digna de cinema, em meados da mesma década – em 1996 para ser mais preciso – novo fôlego foi soprado para dentro do subgênero, muito graças ao roteirista Kevin Williamson, o diretor Wes Craven e seu mais novo produto, Pânico. Acrescentando muito humor, metalinguagem e brincadeiras com a fórmula do subgênero, mas, obviamente, sem esquecer os sustos, a tensão e o gore, surgia uma nova era para tais produções. A influência foi tão forte que este molde foi assimilado por toda e qualquer produção do gênero, até novos exemplares de franquias consagradas, como veremos na lista a seguir.

Pensando nisso, o CinePOP resolve homenagear este período tão especial para os fãs de terror – que embora tenha durado pouco, ecoa até hoje. Portanto, separamos 12 filmes importantes para esta ressurreição, independente de seus resultados. Vem com a gente conhecer e não esqueça de comentar.

Pânico (1996)

Como dito, Pânico mudou o jogo. Não é exagero. Uma verdadeira sensação, o longa surgiu como grande homenagem aos filmes de terror slasher, uma verdadeira carta de amor. Além dele mesmo pertencer a tal tipo de cinema, o filme se mostra um dos exemplares mais inteligentes, brincando com seus mecanismos. Não faltaram elogios e o filme rapidamente atingiu status de cult, conseguindo emplacar até mesmo seu vilão Ghostface como a nova febre mundial. Quem não conhece a fantasia preta com a máscara branca? A graça também estava em ser um whodunit, no qual qualquer um entre os muitos personagens poderia ser o assassino mascarado – mais um elemento de diferencial em relação aos assassinos imortalizados de antes, como Jason e Freddy.

Jovens Bruxas (1996)

Aproveite para assistir:


Antes de Pânico, 1996 já havia feito um ensaio para reviver este tipo de filme. Jovens Bruxas não é bem um slasher, mas possui muitas similaridades e se banha nas mesmas águas formulaicas de Pânico e dos filmes popularizados na década de 1980. O ambiente de colégio, personagens principais problemáticas, intrigas adolescentes, namoros, rivalidades e, claro, elementos de terror. Aqui, ao invés de um maníaco mascarado com uma faca, temos quatro amigas descobrindo poderes sobrenaturais através de livros de bruxarias e magia negra.

O filme inclusive inspirou o seriado Charmed (1998-2006), que no Brasil recebeu o título de Jovens Bruxas também, e ganhou um reboot ano passado. Com estes dois filmes, embora aqui num papel de coadjuvante, a atriz Neve Campbell (que ainda estava no ar com o seriado Party of Five – O Quinteto) se tornou ídolo juvenil.

Eu Sei o que Vocês Fizeram no Verão Passado (1997)

Como dito, Kevin Williamson foi “o” grande nome para esta retomada do terror adolescente. O roteirista, que na época também criava o seriado Dawson´s Creek (recheado de referências à cultura pop), teve o dedo na maioria dos projetos mais relevantes lançados no período – e os que não tinham, sofreram influência de seu texto. Este filme de título longo chegou logo na esteira de Pânico, mas foi escrito antes, sem que o autor conseguisse vendê-lo a um estúdio.

Após o sucesso de Pânico, a Sony comprou o texto e prontamente lançou o terror nos cinemas. Curiosamente, o roteiro é baseado no livro homônimo da escritora Lois Duncan, lançado em 1973. Modificado para se adequar a um slasher, enquanto o material fonte era criado em cima do suspense, o resultado não agradou à sua autora. Mas apesar das críticas mistas, o filme se tornou sucesso de público.

Pânico 2 (1997)

Os fãs brasileiros penaram para conseguir assistir à continuação de Pânico. O filme original criou seu status de cult graças ao mercado de vídeo, se tornando o fenômeno que foi nos cinemas dos EUA por aqui nas locadoras. Foi graças à fita que milhares de adolescentes conheceram o terror e mal podia esperar pela continuação. Apesar da sequência ter sido lançada logo no ano seguinte nas salas de exibição dos EUA, problemas com a distribuição do filme no Brasil (que mudava da Playarte para a Paris Filmes) fizeram o longa atrasar nada menos do que 1 ano e 2 meses para poder finalmente ser exibido por aqui – numa época em que não existia os downloads ilegais da internet.

Williamson e Craven novamente à frente fizeram de Pânico 2 mais um sucesso. E se no ano anterior Neve Campbell era o grande nome do gênero, em 1997, com uma participação neste filme e no citado acima, além do seriado Buffy – A Caça-Vampiros que estava a toda, Sarah Michelle Gellar se consolidava como a nova “Rainha do Grito” do momento.

Um Lobisomem Americano em Paris (1997)

Lembra quando citamos no início do texto que até mesmo franquias famosas aderiram ao “estilo Pânico de ser”? Pois bem, este filme de terror sobre lobisomens foi o primeiro do lote. Um Lobisomem Americano em Londres (1981), de John Landis, é um marco para o terror e está bem longe de ser considerado um filme para adolescentes. Sua continuação, no entanto, desnecessária e atrasada em quase 20 anos, pegava clara carona, injetando um ar juvenil na história. Na trama, um trio de amigos mochileiros americanos em viagem por Paris salva uma jovem francesa do suicídio (papel da bela Julie Delpy, a Celine da trilogia Antes). Eles acabam descobrindo que a mulher esconde um terrível segredo, ligado a uma sociedade secreta sobrenatural.

A opção pelo uso de efeitos especiais para criar as criaturas lupinas não envelheceu bem – ao contrário de seu predecessor que fez uso de maquiagem e efeitos práticos ainda impressionantes.

Comportamento Suspeito (1998)

Este filme não teve qualquer envolvimento de Kevin Williamson, mas não deixa de ter um elo com o autor. Acontece que a protagonista do filme, Katie Holmes (então uma jovem que dava seus primeiros passos no cinema), era uma das estrelas do projeto queridinho do autor, o citado Dawson´s Creek (1998-2003).

Para não ficar somente em cima da temática slasher, este terror adolescente tem uma premissa mais elaborada, psicológica e interessante. Na trama, alunos de um colégio de uma pequena cidade americana começam a notar que os jovens mais problemáticos estão exibindo um comportamento “perturbador”, ou seja, estão se comportando de maneira exemplar. Algo que não os condiz. Assim, começam a investigar uma conspiração envolvendo um experimento científico maquiavélico.  É um dos mais criativos e subestimados do lote.

Halloween H20 (1998)

Com Halloween aderindo à tendência, chegávamos ao auge desta fórmula. Só faltaram mesmo novos exemplares de Sexta-Feira 13 e A Hora do Pesadelo, que perderam a chance de surfar nesta onda. Halloween, de John Carpenter, é uma obra-prima, mas todas as continuações do fim dos anos 80 são dignas de pena e qualquer nota (desde que não seja boa). Assim, a franquia precisou sofrer uma repaginada, e nada melhor do que se banhar com o tipo de roteiro em vigor no período: muita referência, cultura pop, diálogos espertinhos e tiração de sarro (comportada) com os clichês do gênero. Ah sim, e a volta da rainha do grito original Jamie Lee Curtis. Dizem as más línguas que Williamson ajudou a dar uma lapidada no roteiro, mesmo de forma não creditada. O resultado: um dos melhores exemplares desta série de terror.

Lenda Urbana (1998)

Era a época de auge dos filmes slasher de novo, e todos estavam tirando uma casquinha. A enxurrada chegava ao seu terceiro ano e ninguém queria ficar de fora. Filmes do tipo são fáceis e rápidos de fazer, assim a Sony não perdeu tempo e no ano seguinte do sucesso Eu Sei o que Vocês Fizeram no Verão Passado emplacava mais um slasher adolescente. Novamente, um grupo de jovens espertinhos, cheios de diálogos rápidos e satíricos, desfilava em tela, brincando com o formato enquanto eram mortos de forma violenta um a um (isso não pode faltar).

Em comum com Eu Sei o que Vocês Fizeram no Verão Passado, e por consequência com Pânico, está a estrutura do whodunit. Um assassino está à solta no campus de uma universidade, fazendo vítimas inspirado nas mais diversas lendas urbanas dos EUA. E cabe ao público descobrir qual dos personagens está por trás dos assassinatos, portando um traje de esquimó. Aqui temos até mesmo a participação do Freddy Kruegger em pessoa, Robert Englund. Ah sim, reparem nas presenças de Jared Leto e Joshua Jackson (em mais um elo com Williamson e Dawson´s Creek).

A Noiva de Chucky (1998)

Até o Brinquedo Assassino entrou nessa. Antes de ganhar um remake moderno – em cartaz nos cinemas – Chucky era reimaginado nos padrões do fim dos 90s. Assim, o personagem ganhava uma companheira, Tiffany (Jennifer Tily), que também morre e volta na forma de uma boneca – para a qual passou sua alma. O mote aqui é A Noiva de Frankenstein, dando foco para a presença feminina, cara metade do vilão principal. Fora isso, o novo Chucky (o primeiro a não portar a marca Brinquedo Assassino em seu título – devido a uma briga de direitos autorais e distribuição) seguia de perto a cartilha da época, com muitas cenas, diálogos, tiradas e personagens pseudo-espertinhos. O humor autoconsciente sem dúvida foi uma das marcas deste “movimento”. No quesito jovens rostos famosos e promissores, temos Katherine Heigl como a mocinha.

Eu Ainda Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado (1998)

Com o gancho (com o perdão do trocadilho) deixado ao final e os milhões nas bilheterias, a Sony tratou de confeccionar logo para o ano seguinte a continuação de seu slasher sobre quatro amigos que se envolvem em um acidente, atropelando e matando uma pessoa, somente para serem atormentados por alguém que sabe o que eles fizeram. A trama desta sequência leva a protagonista, novamente vivida por Jennifer Love Hewitt para as Bahamas ao lado de novos amigos. Nesta sequência, saem os loiros Gellar e Ryan Phillipe, e entra o casal de negros Brandy (jovem cantora de sucesso na época) e Mekhi Phifer.

Os compromissos de Williamson com tantos projetos no período o impediram de escrever ambos este filme e Pânico 3 (2000), sequência de seus primeiros sucessos. Uma terceira parte intitulada Eu Sempre Vou Saber o que Vocês Fizeram no Verão Passado foi planejada logo para 2000, com Hewitt, Brandy e Prinze Jr. vinculados para retornar. A Sony deixou o projeto descansar e ele viria a ser lançado somente em 2006, direto para vídeo, com um elenco novo de desconhecidos.

Prova Final (1998)

Um dos projetos que Kevin Williamson não abandonou foi esta parceria com o cineasta Robert Rodriguez, recém-saído dos sucessos de A Balada do Pistoleiro (1995) e Um Drink no Inferno (1996), se mostrando igualmente um dos artistas mais originais e quentes da época. Aqui, a dupla une forças e brinca misturando o clássico adolescente Clube dos Cinco (1985) com uma invasão alienígena digna de A Noite dos Arrepios (1986). A ideia por trás é a de desafiar a autoridade, quando jovens disfuncionais descobrem que seus professores não são mais eles mesmos.

Um elenco estelar, que conta com nomes como Elijah Wood, Salma Hayek e Jordana Brewster, e uma trilha sonora que trazia como carro-chefe a regravação de Another Brick in the Wall, do Pink Floyd, na versão do Class of ’99, projeto do falecido Layne Staley (Alice in Chains) em parceria com Tom Morello (Rage Against the Machine e Audioslave), Stephen Perkins (Jane´s Addiciton), Martyn Lenoble (Jane´s Addiction e The Cult) e Matt Serletic (Matchbox Twenty).

Tentação Fatal (1999)

E se com Prova Final a fórmula já dava sinal de desgaste e perda de interesse, com o lançamento deste último exemplar da retomada a coisa foi ainda pior. A esta altura os fãs já haviam embarcado em outra, e o reinado de Kevin Williamson como nome quente para o slasher chegava ao fim. É verdade que ele se manteve criativo, investindo em ideias fora da caixinha, sempre arriscando e quebrando os moldes do gênero. Aqui, o roteirista dava um novo passo e assumia o comando de uma produção. Como diretor, Williamson escalou como protagonistas duas de suas atrizes de séries na TV: Katie Holmes (Dawson´s Creek) e Marisa Coughlan (Wasteland).

Fora isso, conseguiu escalar a Dama Helen Mirren (que não possuía o renome que tem hoje) para dar vida à megera Sra. Tingle do título original, uma professora linha dura, que termina se tornando alvo de jovens desesperados por uma boa nota. O “medo” do professor como figura de autoridade mais uma vez é pauta num terror de Williamson, aqui indo ainda mais além no psicológico da questão ao não adicionar qualquer elementos sobrenatural a este acerto de contas entre professores e alunos. O filme, no entanto, sofreu com polêmicas reais, precisando mudar seu título original (Killing Mrs. Tingle para Teaching Mrs. Tingle) devido ao massacre de Columbine em abril do mesmo ano.



COMENTÁRIOS