Batalha judicial atrapalha sequência de ‘Mad Max: Estrada da Fúria’

Batalha judicial atrapalha sequência de ‘Mad Max: Estrada da Fúria’



Um filme vencedor de 6 Oscar, com 97% de aprovação da imprensa especializada, com quase US$ 400 milhões em caixa ao redor do mundo e um dos favoritos de todos os tempos na opinião do grande público só teria motivos para comemorar, certo? Errado se este filme for Mad Max: Estrada da Fúria, e seu diretor for George Miller.

O consagrado cineasta de 72 anos está, ao lado de sua produtora, processando o estúdio responsável por seu último filme, a Warner Bros., por não lhe pagar o bônus prometido pelo filme. O que acontece é que no contrato de Miller com a Warner constava que se o diretor entregasse a obra dentro do orçamento pré-estipulado de US$ 175 milhões, iria receber US$ 7 milhões a mais. Como os custos para o filme ultrapassaram o valor, a Warner cumpriu o contrato e não pagou Miller a mais.

Porém, Miller e sua produtora entraram com um processo em setembro contra o estúdio, afirmando que o valor excedente do orçamento ocorreu devido à decisões, mudanças e novas exigências da própria Warner, o que culminou em atrasos, custos adicionais e despesas para o filme, terminando por elevar o valor. Segundo os advogados de Miller e sua companhia, se tal valor adicional das mudanças exigidas pela Warner fosse subtraído do total, o filme estaria dentro do contrato e do valor estipulado.

E agora? Quem está com a razão? Esperamos que isso não afete a vontade de ambas as partes em realizar novos filmes da franquia Mad Max, os quais Miller diz já ter mais dois em mente. Imagina Mad Max sem Miller?


Aproveite para assistir:



COMENTÁRIOS