Para os fãs de aventuras subaquáticas e filmes de tubarão, Medo Profundo: O Segundo Ataque até que cumpre bem seu propósito de deixar o espectador tenso, e na expectativa, do que irá acontecer com um novo grupo de meninas que ficam presas embaixo d’ água junto com predadores mortais famintos.

Medo Profundo: O Segundo Ataque funciona pelo fato que o roteiro da dupla Ernest Riera e Johannes Roberts acerta ao colocar as protagonistas como se estivessem em um jogo de vídeo-game, onde elas precisam pular de fase em fase para chegar no final do jogo: saírem vivas do oceano. 

No filme vemos um grupo de garotas que resolvem fugir de um passeio da escola para explorar um lado mais afastado de um local paradisíaco e que “não é para turistas”. Assim, Medo Profundo: O Segundo Ataque começa bem água com açúcar, estilo Malhação, e nos apresenta os conflitos entre o grupo de lindas meninas interpretadas por atrizes bem mais velhas do que a idade de suas personagens, e que são em sua maioria parente de algum artista famoso em Hollywood.

Foto: Paris Filmes

Com paisagens deslumbrantes, o longa parece que vamos ter um filme sobre uma tarde das garotas num dia ensolarado…. até que Mia (Sophie Nélisse), Sasha (Corinne Foxx),  Alexa (Brianne Tju) e Nicole (Sistine Stallone) resolvem mergulhar e explorar uma caverna embaixo d’água descoberta pelo pai (John Corbett) de uma delas, e que claro, ninguém sabe onde fica realmente. 

O texto de Medo Profundo: O Segundo Ataque trabalha com a função de foreshadowing muito precariamente, aqui para os olhos mais treinados, fica claro as pequenas pistas que os roteiristas usam para desenvolver a história, são pequenas informações sobre como funciona o material de mergulho, a quantidade de tempo que as meninas teriam para respirar com o aparelho embaixo d’água, ou onde fica certos bolsões de ar dentro da caverna que elas conseguiriam respirar.

E tudo isso é construído de uma forma bem rápida, até que chegamos ao que realmente importa no filme, e o que acontece da mesma forma do lá no filme de 2017, o grupo fica preso embaixo do oceano cercado por tubarões, só que dessa vez sem jaula.

Medo Profundo: O Segundo Ataque não trabalha com a mesma intensidade nos ataques, do que por exemplo, Predadores Assassinos (onde a ameaça eram jacarés numa inundação), mas todo o sentimento de angustia, de medo e de sobrevivência está ali. Como falamos, na medida que achamos que as garotas conseguem superar os desafios para sair da caverna subaquática, elas enfrentam  ameaças ainda maiores, onde o filme se torna muito mais sanguinário, em comparação com o primeiro filme.

10 filmes de terror no Amazon Prime Video para fugir dos problemas…

Aproveite para assistir:

10 Séries de Comédia para Maratonar nas Próximas Semanas

Foto: Paris Filmes

Medo Profundo: O Segundo Ataque faz um longa com uns dois ou três bons jumpscares, aquele momento que você pula na cadeira, e que no final, por mais inverossímil que algumas situações possam ser apresentadas, o longa deve entregar uma opção honesta e válida para quem é fã do gênero e procura um bom divertimento para passar o tempo. 

Mas tem um grande porém. Ao contrário do primeiro filme, que trazia efeitos especiais muito bem desenvolvidos, o CGI da sequência remete aos filmes do canal SyFy, como Sharknado. Em alguns momentos, é visível que o filme parece não ter finalizado sua computação gráfica, o que prejudica bastante a produção. É uma pena.

15 Séries da Netflix Para Maratonar

15 Séries da Globoplay Para Você Maratonar

15 Séries da Amazon Prime Para Maratonar neste mês

10 reality shows insanos pra você que amou The Circle e Casamento às Cegas

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE