Crítica | De Canção em Canção – Música e existencialismo no novo filme de Terrence Malick

Crítica | De Canção em Canção – Música e existencialismo no novo filme de Terrence Malick

Nota:


Por Adriana Cruxen

Se você gosta música definitivamente deve assistir De Canção em Canção (Song to Song), novo longa do cultuado roteirista, produtor e diretor Terrence Malick, que finalmente tem data marcada para ser exibido no Brasil: a partir desta quinta, 20/7, nas principais salas de cinema.

O pano de fundo do filme é o ultra mega festival SXSW, que anualmente acontece em Austin/Texas, sempre em março, lançando tudo que há de mais cool a respeito de música, cinema e tecnologia global. O próprio Song to Song (título original do longa) teve sua estreia por lá na edição deste ano.

O trio de atores (Michael Fassbender, Rooney Mara e Ryan Gosling) interpreta personagens do métier musical: Fassbender vive um excêntrico produtor, Gosling e Mara, músicos que almejam status e fama.

Em meio à problemática de uma relação amorosa a três, que ainda envolve luxúria e disputas profissionais, a trama é uma extensa narrativa do inconsciente profundo de cada um dos personagens sobre seus medos, anseios, crises existenciais e a eterna busca da felicidade e plenitude no amor.

Aproveite para assistir:


Completam o time de atores queridinhos, Natalie Portman, que vive uma garçonete que se rende à vida luxuosa, fútil e desregrada do personagem de Fassbender e Cate Blanchett, affair do personagem de Gosling.

Não é uma película palpável e sim um afluente de imagens de tirar o fôlego. Emmanuel Lubezki, diretor de fotografia vencedor do Oscar (Gravidade, Birdman e O Regresso), merece todo o crédito. Os melodramas e inquietações de cada personagem são mostrados sem uma sequência de cenas convencional e com uma abordagem tão etérea que chega a ser poética.

Porque você deve ver: amantes de música, a trilha sonora é ótima! Tem Lykke Li, que aparece tanto na trilha como no filme, sendo ela mesma e contracenando com Gosling no papel de ex-namorada. Tem Patti Smith, Red Hot Chili Peppers, Iggy Pop e outros músicos famosos que são mostrados tocando e em cenas icônicas no backstage do SXSW.

Porque você não deve ver: o filme é um tanto longo e o enredo não prende o espectador como deveria, logo, torna-se facilmente enfadonho se você não curte dramas existenciais.

Tem Playlist do Spotify*



COMENTÁRIOS