Crítica | Obsessão: Isabelle Huppert é uma psicopata carente em novo thriller

Crítica | Obsessão: Isabelle Huppert é uma psicopata carente em novo thriller


Nota:


Relações doentias. O cinema é cheio delas. Psicopata Americano, Atração Fatal, Garota Exemplar e A Orfã são alguns dos exemplos das últimas décadas. E nós adoramos um bom thriller capaz de explorar a psique humana e a psicopatia, nos fazendo salivar diante do suspense. E em Obsessão, a temática está mais viva do que nunca, em um drama aparentemente simplista demais, mas que faz das atuações seu ponto chave na condução da trama. Nos presenteando com uma Isabelle Huppert voraz, a produção garante corações acelerados e angustiados diante da doentia mente de uma senhora que não sabe muito bem como lidar com a solidão.

Dirigido por Neil Jordan, o mesmo responsável pelo clássico Entrevista com o Vampiro, temos a história de uma misteriosa mulher francesa, Greta (Huppert), uma pessoa solitária que – aparentemente – passa os seus dias tocando piano. Ao perder sua bolsa dentro do metrô, ela é surpreendida por Frances (Chloë Grace Moretz), uma sensível jovem, que faz a gentileza de retornar seus pertences, iniciando assim uma complexa e doentia relação quase maternal. Entre duas tristezas em virtude de perdas mal ou nada superadas, elas protagonizam uma dinâmica sádica, um pouquinho óbvia, mas ainda assim prazerosa de ver nas telonas.

Sob o roteiro de Ray Wright e Neil Jordan, essa inofensiva amizade vai ganhando tons mais sombrios, que se revelam diante da tela a partir do momento que descobrimos outras facetas de uma senhora que, até então, parecia ser apenas alguém que precisava de companhia. Com instinto psicopata e comportamentos obsessivos, ela traga jovens garotas para uma armadilha mortal, em uma narrativa que tem seus momentos de maior lentidão, mas até que consegue se desviar do maçante. E ainda que Obsessão não seja o thriller psicótico da vez, sua trama é capaz de nos conduzir com tranquilidade, sem ser cansativo demais.

Aproveite para assistir:


Mas o que torna toda a experiência realmente válida é poder contemplar a transformação de Huppert diante dos nossos olhos. Como uma loba faminta, ela passeia entre os cenários e as circunstâncias fazendo de todo o filme a sua história. Nos compadecemos por Frances, obviamente, mas queremos mesmo é ver Greta nos deixando ansiosos, promovendo uma série de emoções sucessivas e angustiantes. Nos lembrando facilmente porque ela fora indicada ao Oscar no passado recente, ela entrega mais uma de suas melhores atuações e é capaz de fazer deste roteiro, simples como é, uma história que vale muito o seu tempo.

Com uma dinâmica em tela realmente boa ao lado de Moretz, Huppert faz de Obsessão um thriller instigante, cuja trama cresce vertiginosamente nos 40 minutos finais. Trazendo um clímax de doer o coração – tamanha sua crueldade -, o longa abre mão de trazer uma surpresa no final, mas isso de forma alguma pesa em seu desfecho. Com uma trilha sonora completamente antagônica, o thriller ainda é capaz de criar um ótimo equilíbrio entre o suspense e a música clássica e contemporânea, que ajudam a pautar as cenas mais fortes. Essa combinação agridoce é mais um belo empurrão neste, que ainda que não seja uma grande joia de 2019, é um bom filme para passar o tempo.



COMENTÁRIOS