domingo, abril 14, 2024

Crítica | Um Divã na Tunísia – O poder das reflexões através de conversas

As quebras de paradigma e as aberturas para reflexões através de conversas. Dirigido pela cineasta francesa Manele Labidi, em seu primeiro longa-metragem, Um Divã na Tunísia nos mostra a saga de uma mulher forte, destemida, corajosa e deveras solitária. O roteiro mantém-se em tom reflexivo, o riso chega mais para os que alcançam as entrelinhas dentro de um contexto sobre problemas, feridas emocionais e razões/emoções sobre a indefinição do destino. A trilha sonora assinada pelo dinamarquês Flemming Nordkrog dita o ritmo desse recorte cultural com tons em vertente da psicologia.

Na trama, conhecemos Selma (Golshifteh Farahani) uma jovem e solitária psicanalista que chega na Tunísia, mais precisamente em sua terra natal Túnis, que não visita desde os 10 anos, para abrir um consultório e atender pacientes no terraço de uma casa. Buscando mudar a natureza dos problemas das pessoas, trazendo uma nova perspectiva, logo faz bastante sucesso com a vizinhança mas a burocracia quase de fachada do enrolado serviço público local a pressiona para uma licença que nunca chega.

A protagonista enche a tela com assuntos importantes para refletirmos sobre (mesmo aqueles que não conhecem muito a região). Navegamos pela cultura de um país com tradições árabes mas que cada vez mais tende ao ocidente. Assim, de maneira quase inusitada, vamos aprender um pouco sobre através dos pacientes que veem na personagem principal uma intelectual parisiense. Tem paranoicos que sonham com ditadores e outras questões, um parente com problemas com bebida, alguns com problemas na interpretação de sua fé, problemas na família e tantos outros.

Os caricatos personagens do serviço público tunisiano fazem muito sentido dentro da crítica social que o filme toca, além de darem um ótimo tom cômico à trajetória da personagem. Dos que mais chamam a atenção: a secretária do ministério da saúde que sempre arranja um tempinho para vender suas muambas e uma dupla de policiais que não sabem de nada aliados a um chefe de polícia que está confuso sobre seus sentimentos para com a protagonista.

Um fato curioso chega no arco final, quase uma consulta com Freud, em tom de desabafo conhecemos as angústias escondidas da profissional de saúde que guarda muitas coisas dentro de si. Um belo desfecho que acaba fechando um ciclo recortado dentro de um novo contexto social e político de uma região que está ainda se abrindo para novos costumes e para o mundo.

Mais notícias...

Siga-nos!

2,000,000FãsCurtir
370,000SeguidoresSeguir
1,500,000SeguidoresSeguir
183,000SeguidoresSeguir
158,000InscritosInscrever

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MATÉRIAS

CRÍTICAS

As quebras de paradigma e as aberturas para reflexões através de conversas. Dirigido pela cineasta francesa Manele Labidi, em seu primeiro longa-metragem, Um Divã na Tunísia nos mostra a saga de uma mulher forte, destemida, corajosa e deveras solitária. O roteiro mantém-se em tom reflexivo, o riso...Crítica | Um Divã na Tunísia - O poder das reflexões através de conversas