quinta-feira, junho 13, 2024

Documentário sobre prisão de Lula lançado por Oliver Stone em Cannes estreia no 2º semestre no Brasil

O documentário de Oliver Stone sobre o presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, que foi exibido na 77ª edição do Festival de Cannes, já tem previsão de estreia no Brasil.

Segundo O Globo, os produtores estão negociando com os streamings para uma estreia no 2º semestre.

O aclamado diretor Oliver Stone concedeu entrevista à revista Variety apontando os motivos que o levaram a produzir um longa sobre Lula.

Stone não acredita nas alegações de que o presidente brasileiro era culpado de lavagem de dinheiro, observando que ele vive “modestamente” – e ele acredita que a corrupção é uma acusação levantada contra figuras políticas sem examinar as causas profundas da podridão.

“A corrupção é um modo de vida”, diz Stone. “Isso remonta aos gregos, aos romanos e, antes disso, aos babilônios. Há corrupção ao longo de toda a história, então não sejamos Polianas sobre isso e pensemos que somos a ‘América limpa’ e que somos melhores do que qualquer outra pessoa. Isso é uma besteira.” 

Stone prossegue sugerindo que o problema mais pernicioso na política é o dinheiro.

“Se você é um homem pobre ou de classe média, é muito difícil concorrer a um cargo público nos Estados Unidos, a menos que você tenha dinheiro e patrocinadores corporativos. O dinheiro controla a política nos Estados Unidos. Se formos aos países europeus, descobriremos que as suas eleições são muito obrigatórias. As eleições britânicas têm um custo muito baixo, ou costumavam ter até recentemente. Na França, eles têm regras eleitorais. E precisamos disso nos Estados Unidos. Vamos tirar o dinheiro da política.”

Stone é um convertido a Lula. Ele acredita que o líder brasileiro, que cumpriu dois mandatos de 2003 a 2011, antes de realizar uma recuperação notável que o viu derrotar Jair Bolsonaro nas eleições presidenciais de 2022, é um herói. Ele atribui a ele o mérito de ter tirado milhões de pessoas da pobreza e de ter fortalecido a rede de segurança social do Brasil.

“Ele teve dois mandatos tremendamente produtivos como presidente. Foi bonito; você não poderia ter pedido dois mandatos melhores”, diz Stone.

Ele está satisfeito com a abordagem de Lula desde que voltou ao poder.

Não deixe de assistir:

“Gosto do espírito de luta dele”, Stone oferece. “Adoro como ele deixou claro que não vamos ter fascistas no nosso governo e que vamos dirigir um governo limpo.”

O documentário de Stone detalha a queda de Lula em desgraça, bem como as muitas reviravoltas que levaram à anulação de sua condenação. Nessa altura, a opinião pública tinha mudado a favor do antigo presidente depois de ter sido revelado que Sergio Moro, o juiz que supervisionou uma investigação de corrupção mais ampla sobre a apropriação indébita de fundos públicos, tinha conspirado indevidamente com os procuradores para construir um caso contra Lula. Moro também causou espanto depois de assumir o cargo de Ministro da Justiça no governo Bolsonaro.

“Havia sérias evidências de má conduta por parte de Moro”, diz Stone. “Ele era como um Torquemada – ele simplesmente se tornou excessivo em seu zelo pela reforma.” 

Além de ter dirigido clássicos como ‘Platoon‘, ‘Wall Street – Poder e Cobiça‘, ‘Assassinos Por Natureza‘, o cineasta também comandou documentários sobre figuras emblemáticas como Fidel Castro e Hugo Chávez.

Leia mais: Festival de Cannes 2024 | ‘Motel Destino’, do brasileiro Karim Aïnouz, Lanthimos, Cronenberg, Coppola competem pela Palma de Ouro

Veja também: Crítica | Corpo Elétrico – cinema nacional representativo  

Mais notícias...

Siga-nos!

2,000,000FãsCurtir
370,000SeguidoresSeguir
1,500,000SeguidoresSeguir
183,000SeguidoresSeguir
158,000InscritosInscrever

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MATÉRIAS

CRÍTICAS