Festival de Veneza | Roman Polanski amarga 0% no Rotten Tomatoes com O Palácio

Apresentado no último fim de semana na 80ª edição do Festival de Cinema de Veneza, O Palácio (The Palace), novo filme de Roman Polanski, foi massacrado pela crítica especializada. Fora da competição, o longa já gerava polêmicas apenas pela sua participação no evento cinematográfico, ao lado de uma seleção constelar do cinema: Sofia Coppola, Harmony Korine, William Friedkin, Pablo Larraín, Ryūsuke Hamaguchi, David Fincher e Yorgos Lanthimos

Com o seu filme anterior, O Oficial e o Espião (2019), igualmente apresentado no Festival de Veneza quatro anos atrás, a recepção foi bem mais calorosa. Com 12 indicações ao César, o Oscar francês, o longa ganhou o prêmio de melhor direção e causou uma das mais recentes polêmicas em volta do nome do diretor. Apesar de não ter comparecido à cerimônia para receber o troféu, na ocasião, a atriz Adèle Haenel (Retrato de uma Jovem em Chamas) levantou-se revoltada com o anúncio do prêmio e retirou-se do recinto esbravejando a palavra: “vergonha” (La honte!).

 

90 anos de Roman Polanski 

De lá para cá, aos 90 anos, Roman Polanski não aparenta ter a mesma liderança atrás das câmeras. Com 13 críticas publicadas no Rotten Tomatoes até o momento, O Palácio amarga 0% de aceitação dos jornalistas presentes no festival. Polêmicas à parte, a nota não tem nada a ver com a vida pessoal do diretor, mas é devido a qualidade duvidosa da obra satírica. 

O Palácio passa-se inteiramente no Gstaad Palace, o famoso hotel de luxo situado nos Alpes Suíços, onde o próprio Polanski já declarou frequentar. Inaugurado em 1913, o hotel é um playground da aristocracia europeia. A narrativa é centrada na reunião desse grupo de ricos egocêntricos na véspera do Ano Novo em 1999, ou seja, na virada do “bug do milênio” e da lenda urbana do fim do mundo. Os personagens estão, portanto, preocupados com o iminente fim, mas de maneira mesquinha e narcisista. Talvez Polanski mirou em Triângulo da Tristeza (2022), de Ruben Östlund, e acertou em…? 

Antecedentes incriminatórios

A melhor explicação para o vexame no festival veio do crítico Owen Gleiberman, da Variety: Polanski sempre errou a mão na comédia. O jornalista descreve o constrangimento na sala lotada de 1400 lugares e nenhuma risada durante uma hora e quarenta minutos de projeção. Ele ainda lembra que o cineasta polonês tem funestos antecedentes, como a comédia de horror A Dança dos Vampiros (1967), Piratas (1986) e o mais recente O Deus da Carnificina (2011). 

Embora alguns elementos de horror e sátira estejam presentes nas suas obras de maior sucesso como O Bebê de Rosemary (1968) e Repulsa ao Sexo (1965), o forte do cineasta é o drama, como os premiadíssimos Chinatown (1975) e O Pianista (2002). Como toda carreira longínqua, Polanski coleciona fracassos e sucessos, mas este o seu primeiro mesmo que temporário 0% de aprovação. 

A opinião dos críticos

“O mais recente [de Polanski], O Palácio, deixa pouco espaço para ambiguidades. É a pior coisa que ele já fez – ou, em qualquer caso, o pior filme dele que este crítico já viu. (Só perdi alguns títulos em sua filmografia, que agora conta com 23 longas.)” Jordan Mintzer do Hollywood Reporter

Não deixe de assistir:

“Você pode precisar de uma bebida forte para assistir o novo filme de Roman Polanski inteiro; você pode até achar que precisa de várias – qualquer coisa que alivie a dor”. Xan Brooks, do The Guardian

“Não tenho certeza se já ouvi um cinema gigante tão silencioso para um filme que trabalha tão arduamente para te divertir”. — Owen Gleiberman, da Variety

“O problema com O Palácio… é que não é importante e não é arte: é uma cláusula de alteração no testamento de um dos maiores autores do cinema. Na verdade, é um pouco triste Fionnuala Halligan, do Screen International

“A situação instável do realizador parece impactar diretamente o elenco composto para esta comédia negra sem humor, além de que a construção grotescamente rígida dá ao filme a impressão de ser um dedo do meio gigante para o mundo inteiro”. — Ben Croll, do TheWrap

Mais notícias...

Letícia Alassë
Crítica de Cinema desde 2012, jornalista e pesquisadora sobre comunicação, cultura e psicanálise. Mestre em Cultura e Comunicação pela Universidade Paris VIII, na França e membro da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine). Nascida no Rio de Janeiro e apaixonada por explorar o mundo tanto geograficamente quanto diante da tela.

Siga-nos!

2,000,000FãsCurtir
370,000SeguidoresSeguir
1,500,000SeguidoresSeguir
183,000SeguidoresSeguir
158,000InscritosInscrever

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MATÉRIAS

CRÍTICAS