‘Mestres do Universo’: Sony pode vender He-Man para a Netflix com medo de prejuízo

‘Mestres do Universo’: Sony pode vender He-Man para a Netflix com medo de prejuízo



Recentemente, a Sony pausou o desenvolvimento de He-Man e os Mestres do Universo, que seria protagonizado por Noah Centineo (‘As Panteras’).

O projeto foi engavetado por problemas com o roteiro e com o orçamento, que seria milionário.

Agora, o Hollywood Reporter revelou que a Sony está pensando em vender o projeto para a Netflix. A decisão está sendo considerada por Tom Rothman, presidente do estúdio, que pretende o minimizar os riscos financeiros ao vender o projeto.

Dada a quantidade de recursos que a Sony investiu para reviver a propriedade de brinquedos inativos da Mattel, seria a melhor forma de não tomar prejuízo e se arriscar.

Eles também citam que criar o reino de Eternia em live-action ficaria muito caro.

Inicialmente previsto para 2019, o filme havia sido adiado para 5 de março de 2021. Agora, não há previsão de estreia.

Aproveite para assistir:


O projeto havia sido roteirizado por Art Marcum e Matt Holloway,  de ‘Homem de Ferro’, e seria dirigido por Adam e Aaron Nee

Recentemente, o filme ganhou sinopse e um primeiro cartaz.

“O Rei Randor é um grande guerreiro de Eternia, descendente dos Grayskulls, e pai de dois filhos: Adam e Keldor, que é escolhido como herdeiro para o trono, enquanto que seu irmão, Adam, é jovem, irresponsável, a ovelha negra da família. Como o relacionamento de Adam com seu pai é tenso, Keldor é tido como um filho perfeito, amado por seu pai, porém o destino de Eternia é posto em risco. Com seu reino em perigo, Randor coloca seu povo como prioridade, traindo Keldor, e iniciando uma série de eventos que o levam a se tornar o icônico vilão Esqueleto”

Mestres do Universo já foi adaptado para o cinema em 1987, com Dolph Lundgren no papel principal, e Frank Langella roubando a cena como o vilanesco Esqueleto. O filme, no entanto, foi mais um dos fracassos do estúdio picareta Cannon, que faliu depois de bombas consecutivas.



COMENTÁRIOS