sexta-feira, fevereiro 23, 2024

Netflix Crítica | Emily em Paris – Terceira Temporada roda, roda e continua no mesmo Lugar

Com todo o charme da capital parisiense para explorar e todos os aspectos da adaptação em uma nova cultura, a produção de Darren Starr dá as mesmas voltas sem objetivos. A terceira temporada se ancora na enfadonha e sem sex appeal trama romântica — Emily e Gabriel (Lucas Bravo) —, rodeada de roupas extravagantes.  

Desde a primeira temporada, Emily em Paris já apresenta-se ancorada em clichês bobos, mas engraçados. O público não espera profundidade e nem crises existencialistas da personagem título. Apesar de todo encanto aos olhos e de looks exuberantes, a protagonista é a personagem mais insípida de todo o seriado. Apresentada como uma jovem aventureira e esperta, Emily (Lily Collins) sabe apenas ser insistente, fazer lives e usar hashtags. 

Embora acompanhamos sua “aventura” parisiense há três anos, Emily ainda não completou um ano em solo estrangeiro. Sem calendários pontuais no roteiro, a grávidez de Madeline (Kate Walsh)  é a nossa referência temporal. Quando o bebê nasce nesta temporada, é possível imaginar que a jovem executiva de marketing está mais ou menos há nove meses em Paris e não sente um pingo de saudade de casa, família, amigos, etc. 

Aliás, este é um ponto de incômodo para qualquer expatriado. Como um personagem em decisão de voltar ao país de origem e seguir em um estrangeiro não tem o seu momento de reflexão baseado em suas âncoras afetivas? Emily tem amigos além de Mindy Chen (Ashley Park)? Pai, mãe, irmãos? Colega da faculdade? Ela está o tempo todo nas redes sociais, mas não se comunica com ninguém além dos seus novos amigos na França. 

O círculo social da protagonista é de meia dúzia de pessoas e seus seguidores virtual, mas como “workaholic”, ela não se importa, afinal seu trabalho sempre está associado a festas, jantares e viagens. A difícil escolha de Emily no final da segunda temporada não é feita, tanto quanto ao trabalho quanto sua ao relacionamento. A ideia é que não fazer escolhas é também uma escolha, isto é, ela é na vibe “deixa a vida me levar”.  

Durante dois episódios, a protagonista vê-se sem emprego, sem visto e sem perspectivas futuras. Sua resposta a isso? Fazer turismo e lives no Instagram. Os produtores da série já deixaram claro que trata-se de uma comédia alto astral, mas Emily não derramou uma lágrima em 30 episódios. Ou seja, ela torna-se uma personagem sem vida, não conquista empatia e o público se afasta. 

Não deixe de assistir:

Há coisas boas na nova temporada? Evidentemente. Outros cantos de Paris são apresentados como o parque de La Villette, suas festas e exposições, como o sucesso de público Pop Air — a da piscina de bolinhas para adultos —, além de outros pontos turísticos, como a Basílica de Sacré Coeur, o Muro de Je t’aime e o Museu de la Vie Romantique. Para além da cidade título, o seriado leva os espectadores aos encantadores campos de lavanda em Aix-de-Provence. 

Apesar da falta de desenvolvimento na trama, a comédia ainda tem cenas engraçadas, protagonizadas principalmente por Luc (Bruno Gouery) e sua maneira “sem filtro” de ser. Sem destaque nas duas últimas temporadas, o colega de trabalho ganha mais espaço e até uma utilitária ex-namorada (Laurence Gormezano). Vale pontuar ainda a apresentação de uma versão francesa (comme si, comme ça) de Shallow, da Lady Gaga, por Mindy e a estranha permanência de Alfie (Lucien Laviscount) em Paris, assim como as decisões de Sylvie (Philippine Leroy-Beaulieu) sobre o futuro de sua empresa. 

Em contrapartida, quase todos os personagens parecem ser apenas utilitários para Emily, eles estão sempre dispostos a ajudá-la, a dar mais uma chance e se deixar encantar por ela. Do outro lado da tela, a pergunta continua: será que Emily é talentosa como o roteiro deseja martelar? Não, ela não tem ideias brilhantes. Todas as suas ideias são muletas e sem grande inspiração, porém ela apresenta como se fosse uma descoberta de ouro.

O segredo de Emily é: fazer um bom pitch. Ela é uma executiva de marketing, mas é tratada como sócia da agência, algo que aliás, finalmente causa revolta no seu colega Julien (Samuel Arnold). O mundo de Emily é lúdico. É possível entrar na brincadeira da jovem de manter-se positiva e sem emoções fortes em uma vida filtrada para as redes sociais, caso Emily em Paris fosse uma crítica velada da vida pueril construída pela geração Z, mas não é. 

O problema é que os produtores perderam a mão da comédia e armaram um rocambole novelesco sem fim. Após 10 episódios, o relacionamento de Emily e Alfie é desconstruído em segundos, o rapaz londrino é irreconhecível nos últimos minutos. No fim, tudo volta à dinâmica modorrenta de Gabriel e Emily separados pelo inconveniente dele ter uma namorada (Camille Razat). Sim, mais uma vez, porque a quarta temporada já está confirmada. 

Mais notícias...

Letícia Alassë
Crítica de Cinema desde 2012, jornalista e pesquisadora sobre comunicação, cultura e psicanálise. Mestre em Cultura e Comunicação pela Universidade Paris VIII, na França e membro da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine). Nascida no Rio de Janeiro e apaixonada por explorar o mundo tanto geograficamente quanto diante da tela.

Siga-nos!

2,000,000FãsCurtir
370,000SeguidoresSeguir
1,500,000SeguidoresSeguir
183,000SeguidoresSeguir
158,000InscritosInscrever

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MATÉRIAS

CRÍTICAS

Com todo o charme da capital parisiense para explorar e todos os aspectos da adaptação em uma nova cultura, a produção de Darren Starr dá as mesmas voltas sem objetivos. A terceira temporada se ancora na enfadonha e sem sex appeal trama romântica —...Netflix Crítica | Emily em Paris - Terceira Temporada roda, roda e continua no mesmo Lugar