Hoje, dia 17 de novembro, a talentosa atriz Rachel McAdams completa 42 anos de vida. É, parece que foi ontem que vimos ela como uma menina colegial ao lado de Lindsay Lohan e envolvida num romance pós-adolescente com Ryan Gosling em filmes como Meninas Malvadas e Diário de uma Paixão. Mas só para termos uma ideia, ambos completam dezesseis anos de seu lançamento em 2020. Pois é.

Indicada ao Oscar em 2016, a honraria foi apenas o ápice do que vinha sendo as boas escolhas consecutivas desta carismática, mas talvez ainda subestimada, jovem artista. Seu potencial é grande, e com apenas 37 créditos como intérprete em sua filmografia, a canadense McAdams ainda possui uma trajetória longa de muito sucesso (assim esperamos) pela frente, e temos certeza que grandes prêmios não demorarão a chegar para ela.

Como forma de comemorar o aniversário de Rachel McAdams resolvemos investir numa empreitada audaciosa, aproveitando que ela não tem ainda um currículo muito extenso. Para a homenagem, fizemos um ranking com todos os filmes da atriz, escalando seus longas do pior até o melhor. Veja abaixo e não esqueça de comentar qual a sua ordem de preferência. Ah sim, para que não haja grande comoção, usamos como base as notas de seus filmes, tirando uma média entre a avaliação da crítica (no Rotten Tomatoes) e do grande público (no IMDB). Vamos lá

Sob o Mesmo Céu (2015)



O diretor Cameron Crowe sem dúvidas é talentoso, e tem no currículo bons filmes como Jerry Maguire (1996), e até mesmo uma obra-prima, vide Quase Famosos (2000). Mas quando ele erra, erra feio, que o diga Tudo Acontece em Elizabethtown (2005). No entanto, Crowe e Pabllo Vittar foi ainda mais longe entregando esta obra que, entre outras coisas, foi considerada racista colocando a caucasiana Emma Stone como descendente de asiática. Mesmo com um timaço que conta ainda com Bradley Cooper e Bill Murray esse é um filme difícil de assistir. Ainda bem que McAdams tem um papel pequeno – deixando o mico maior para Cooper e Stone.

Garota Veneno (2002)

Aproveite para assistir:

Para percebermos o tamanho da falta de prestígio do item acima, era esperado que o pior filme de Rachel McAdams fosse essa comédia escrachada, veículo para o humorista pra lá de sem-graça Rob Schneider (parça de Adam Sandler). Essa é uma história sobre troca de corpos, onde uma patricinha (McAdams) se vê no corpo de um assaltante (Schneider) e vice versa. Nem podemos culpar a atriz, já que este foi seu primeiro papel de destaque no cinema.

Tudo Vai Ficar Bem (2015)



Apesar do prestígio dos nomes envolvidos, este é um dos filmes menos apreciados da carreira da atriz, que igualmente tem um papel menor de coadjuvante no longa. Essa foi a chance de McAdams ser comandada por um diretor do porte do alemão Wim Wenders. Na trama, quem protagoniza é James Franco, como um escritor que acidentalmente atropela um menino e segue sem prestar socorro. O fato será seu tormento. Charlotte Gainsbourg também está no elenco.

Paixão (2012)

Por falar em diretores renomados comandando filmes nada apreciados, aqui temos ninguém menos que o icônico Brian De Palma (que já viu dias melhores) à frente deste remake do francês Crime de Amor (2010). Na trama, McAdams e a sueca Noomi Rapace são duas rivais numa agência de publicidade, indo até as últimas consequências em seus jogos de manipulação. O thriller ficou conhecido pelas cenas quentes envolvendo as atrizes.

Para Sempre (2012)

No mesmo ano de Paixão, era lançado esse romance meloso com toda a cara de uma adaptação de livro do autor Nicholas Sparks. Para a surpresa geral, esta é uma ideia “original”. McAdams faz par com Channing Tatum, e eles vivem um casal perfeito até um acidente coloca-la em coma. Agora, ela acorda com amnésia, e cabe ao maridão reconquistá-la novamente. O longa conta ainda com os veteranos Jessica Lange e Sam Neill no elenco.

Gente de Sorte (2008)

Fala a verdade, você nunca havia ouvido falar sobre este filme da atriz, certo? Tudo bem, não o culpamos. Esse é um dos longas mais obscuros de sua carreira. Dirigido por Neil Burger (Divergente), McAdams, Tim Robbins e Michael Peña são um trio de militares veteranos precisando se reajustar à vida civil após retornarem de seu serviço. O filme possui leves toques de comédia.



Amor Pleno (2012)

Uma das melhores manobras para atores crescerem como profissionais é se juntarem a diretores renomados – e Rachel McAdams seguiu de perto esta cartilha, ganhando mais visibilidade e sendo levada mais a sério. No mesmo ano em que se “colava” com De Palma, a atriz trabalhou com o minucioso Terrence Malick – no que poderia ser chamado “Rodopio – o Filme” (entendedores entenderão). Na trama, quase sem diálogos, McAdams se vê no meio de um triângulo amoroso com Ben Affleck e Olga Kurylenko. Completando o elenco no papel de um padre, o espanhol Javier Bardem.

Te Amarei para Sempre (2009)

Baseado no livro da escritora Audrey Niffenegger, este romance vestido de ficção científica foi a primeira investida da atriz na temática da viagem no tempo. O curioso é que nunca quem faz o deslocamento temporal é sua personagem. Aqui, como diz o título original, ela é a “esposa do viajante temporal”, vivido por Eric Bana.

Vida de Casado (2007)


Pode olhar mais de perto. Tenho certeza que você estranhou este título também, não é? Não o reconhece, certo? Tem nada não. Esse é outro da galeria dos esquecidos ou sequer descobertos da atriz. Aqui, ela vive a amante de um homem casado (papel de Chris Cooper), que planeja o assassinato de sua esposa (Patricia Clarkson) ao invés de lhe pedir o divórcio. Pierce Brosnan completa o elenco.

Tudo em Família (2005)

Parte de um grande elenco, de nomes como Diane Keaton, Sarah Jessica Parker e Claire Danes, por exemplo, esta é uma típica comédia américa sobre uma grande família se reunindo numa grande casa para uma data especial. Tipo de filme que é basicamente um subgênero. McAdams vive a irmã mais nova, e ganhava notoriedade.

Uma Manhã Gloriosa (2010)

Por falar em comédia para toda a família, McAdams repete a parceria com a veterana Diane Keaton, e tem a chance de contracenar num embate de atuação com o icônico Harrison Ford. Na trama, a atriz vive uma produtora de TV encarregada com a missão de revitalizar um programa diurno com dois astros apresentadores rivais e donos de grande ego – Ford e Keaton.

Festival Eurovision da Canção (2020)

Último filme lançado até então de Rachel McAdams, ninguém acreditou quando o trailer estrou, que a atriz toparia participar de uma comédia tão “amalucada” nesta fase de sua carreira. Mas, mostrando que sabe se divertir, McAdams embarca na zoação ao lado do humorista Will Ferrell, nesta produção da Netflix. A dupla vive aspirantes a cantores adentrando um festival de música europeu.

Diário de uma Paixão (2004)

Esse foi o filme que colocou no mapa o nome de Rachel McAdams e o primeiro filme protagonizado de fato pela atriz. Agora sim, baseado num livro de Nicholas Sparks, esta foi a obra que fez o público se apaixonar pelas histórias do autor, e pelo casal (na época também da vida real) Ryan Gosling e McAdams. Na trama, eles se apaixonam, mas vêm de classes sociais distintas. Anos mais tarde, já na velhice, precisam lidar com novos problemas, como uma doença intratável.

Nocaute (2015)

Outro filme no qual a participação de McAdams, embora aparentemente anunciada como grande, se restringe a uma pequena coadjuvação. Embora apareça no cartaz, o foco aqui é no protagonista vivido pelo igualmente talentoso Jake Gyllenhaal, que transformava seu corpo em músculos para viver um boxeador. O sujeito passa por um trauma e precisa criar sua pequena filha sozinho.

Sherlock Holmes: O Jogo de Sombras (2011)

Por menores que sejam as participações de McAdams em alguns filmes, creio que nenhuma se compare a esta aqui, no melhor estilo piscou perdeu. Em poucos minutos do início, a personagem da atriz é descartada. Ninguém sabe o que aconteceu, mas existe rumor de que ela voltará na terceira parte, novamente interpretando Irene Adler, já em fase de pré-produção.

Voo Noturno (2005)

Talvez o filme que chegue mais perto de ser considerado um terror na filmografia da atriz, este longa é comandado por um verdadeiro mestre do gênero, o saudoso Wes Craven. Aqui, McAdams interpreta uma mulher que conhece um sujeito encantador (papel de Cillian Murphy) num voo da madrugada. Os dois começam a se entrosar até que ele demonstra seus verdadeiros interesses. Um thriller gélido.

Penetras Bons de Bico (2005)

No mesmo ano de Voo Noturno, McAdams dava uma guinada de 180 graus nos gêneros para estrelar uma comédia muito querida pelos fãs. Veículo para os humoristas amigos Owen Wilson e Vince Vaughn, a dupla vive dois caras de pau que se especializaram em invadir casamentos, comer e beber de graça e ainda por cima descolar conquistas nas festas. Porém, sua última missão trará também o amor de Wilson pela personagem de McAdams.

Sherlock Holmes (2009)

Nesta versão para lá de acelerada dos casos de Sherlock Holmes (mais centrada nas cenas de ação e efeitos, do que nas investigações criativas em si) capitaneada por Guy Ritchie, como dito, Rachel McAdams vive a personagem feminina principal, interesse amoroso de Sherlock (Robert Downey Jr). A química entre os dois é boa, mas inexplicavelmente, sua personagem é descartada na sequência. Ao que tudo indica, porém, irá retornar no terceiro filme.

Questão de Tempo (2013)

Esse é provavelmente o filme mais subestimado da carreira de Rachel McAdams, e um favorito pessoal. Como dito, mais uma vez a atriz se vê numa trama envolvendo viagem no tempo, mas de uma forma sem qualquer controle. Domhnall Gleeson é quem protagoniza na pele de um jovem que “recebe de presente” de seu pai o dom de voltar no tempo. Ele o usa para todo tipo de coisa, mas em especial para conquistar a mulher de sua vida, papel da atriz.

Desobediência (2017)

Um dos mais recentes trabalhos da atriz, este drama oriundo de festivais merecia ter recebido mais atenção. Dono de uma história importante e necessária, este é um projeto corajoso que conta com performances igualmente intensas. As “Rachels” Weisz e McAdams são parte de uma comunidade judaica ortodoxa que descobrem um amor proibido, contrariando as crenças e tradições de sua religião.

A Noite do Jogo (2018)

Comédia hilária, muito criativa e moderna, o filme traz McAdams e Jason Bateman como um casal extremamente competitivo que se une devido à sua paixão por jogos. Casados, eles passam seus fins de semana se divertindo com amigos, jogando todo tipo de jogos. Quando o irmão do sujeito entra em cena, a competição é elevada de nível, e o casal ao lado dos amigos participam de uma “brincadeira” que envolve investigação de crimes.

Meninas Malvadas (2004)

A geração milênio pira! Um grande favorito dos jovens na faixa dos 20, 30 anos, este filme adolescente é para os anos 2000, o que as produções de John Hughes foram para a geração dos anos 80. Escrito pela comediante Tina Fey, a história é uma olhada muito sincera, mas imensamente cômica, na vida de meninas colegiais e suas “tribos”. McAdams vive a megera inesquecível Regina George, e já demonstrou interesse em retornar ao papel numa possível sequência.

O Homem Mais Procurado (2014)

Thriller intenso de espionagem, baseado no livro do especialista no gênero John le Carré. No filme, McAdams divide as telas com o saudoso Philip Seymour Hoffman, como dois agentes combatendo terroristas. O filme conta ainda com Daniel Brühl e Robin Wright no elenco.

Intrigas de Estado (2009)

Talvez este filme tenha preparado a atriz para seu papel em Spotlight. Aqui, ela também interpreta uma jovem repórter de um jornal, encarregada de manter o blog do veículo. Ela ajuda o protagonista vivido por Russell Crowe a investigar uma trama envolvendo um famoso político e um escândalo de corrupção e assassinato. O senador é vivido por Ben Affleck, e Helen Mirren interpreta a editora do jornal. Baseado numa minissérie britânica. Filmaço.

Doutor Estranho (2016)

Se dependesse unicamente deste que vos fala, Doutor Estranho jamais ficaria no topo da lista, em terceira posição, já que para mim se trata de uma das investidas mais fracas do MCU. No entanto, para os fãs, o grande público e os críticos o filme se posicionou aqui, no pódio. E precisamos respeitar. Uma coisa deve ser dita, este é um dos melhores elencos de um filme da Marvel. E McAdams, mesmo que meio relutante (no melhor estilo Natalie Portman), entrega um bom desempenho na pele do interesse amoroso do protagonista, uma médica. Até agora a atriz não foi anunciada na sequência.

Meia Noite em Paris (2011)

Agora sim, assino totalmente embaixo elegendo esta obra-prima do mestre Woody Allen como um dos melhores filmes de Rachel McAdams e também um dos melhores longas da década passada. A obra fecha a trinca das histórias sobre viagem no tempo com a atriz, novamente não participando do evento sobrenatural em si. Aqui ela vive a mulher insuportável de Owen Wilson, um escritor que não tem escolha a não ser encontrar sossego voltando no tempo para sua época favorita.

Spotlight – Segredos Revelados (2015)

O grande favorito dos fãs e críticos no acervo da jovem atriz é também o filme que lhe rendeu sua única (até o momento) indicação ao Oscar, como atriz coadjuvante. Baseado numa história real, McAdams vive uma das jornalistas que ajudaram a descortinar um escandaloso esquema envolvendo pedofilia na igreja católica nos EUA. Ah sim, o filme levou o Oscar principal pra casa.

COMENTÁRIOS

Não deixe de assistir: