Desde que as minorias começaram a ganhar mais voz e a reinvindicar o seu espaço, a busca por representatividade virou uma das pautas mais urgentes no cinema. Finalmente, depois de anos de invisibilidade, negros, mulheres e a comunidade LGBTQ deixaram de ser coadjuvantes cheios de estereótipos e viraram os protagonistas de produções de destaque – como é o caso de Mulher Maravilha, Pantera Negra, Uma Mulher Fantástica e o mais recente Desobediência. No entanto, por mais que todo esse avanço seja motivo para comemorar, parece que ainda existe um longo caminho até que toda a mídia realmente se importe com essas questões ao invés de apenas querer lucrar com elas (e, sim, essa indireta é para você, Scarlett Johansson!).

Na última semana, a atriz entrou em mais uma polêmica que envolve o “roubo” de papeis que deveriam ser interpretados por atores que fazem parte dessas minorias. O primeiro, para quem não lembra, foi com o filme A Vigilante do Amanhã: Ghost in the Shell (2017), onde Scarlett deu forma à uma protagonista que deveria ter sido vivida por uma asiática. Na época, a estrela até tentou se justificar falando que a personagem tinha uma identidade neutra por ser um ciborgue e  que “jamais iria aceitar um papel que fosse ofensivo” porque entendia a importância da diversidade em Hollywood. Mas, de acordo com um grupo de mídia asiático, a Major Mira Killian era, sim, japonesa e tudo não passava de uma desculpa.

Depois desse ocorrido, era de se esperar que Johansson ficasse mais atenta com a escolha dos seus papeis para não ocupar o espaço de quem precisa ser representado, certo? Errado! O segundo episódio que fez toda essa discussão voltar à tona foi a escalação da atriz para protagonizar o filme “Rub & Tug“, biografia de Dante “Tex” Gill, um homem transgênero – que, coincidentemente, é do mesmo diretor de Ghost in the Shell, Rupert Sanders. E o pior de tudo é que, dessa vez, Scarlett nem tentou se desculpar ou justificar sua presença no longa, mas resolveu jogar a culpa para outros atores cisgêneros que também interpretaram personagens trans. “Falem para eles mandarem suas mensagens para Jeffrey Tambor, Jared Leto e Felicity Huffman também falarem sobre o assunto”, declararam os representantes da atriz assim que as críticas começaram a aparecer, se referindo às produções Transparent (2014 – ), Clube de Compras Dallas (2013) e Transamérica (2005), respectivamente.  Ou seja, foi quase como aquela frase clássica que usamos com os pais quando sabemos que estamos errados e não temos justificativa para nos defender: “olha ali o meu irmão também. Por que não fala com ele?”. Mas a diferença é que, em assuntos importantes como este, não dá para não se posicionar e tentar sair pela tangente jogando o foco para terceiros.

Na Internet, é claro, não faltaram críticas (e memes) sobre a bola fora de Scarlett Johansson e a justificativa de seus representantes. Alguns até tentaram amenizar o fato afirmando que a presença de uma estrela renomada como ela na produção pode fazer com que mais gente se interesse pelas questões que envolvem transgêneros, ou que o importante mesmo é falar sobre o assunto, independentemente de quem vai viver o personagem. Porém, em um cenário onde a maioria dos papeis é reservado para atores cis, difícil engolir que um deles ocupe esse tipo de espaço – tanto por questões de representatividade, já que é importante que o público trans se veja nas telas, quanto pela pouca oportunidade para atores que mudaram de gênero no meio cinematográfico. Para entender essa segunda questão, é só se perguntar: é comum ver algum deles dando vida a algum cisgênero nos filmes e séries? Então…

Jamie Clayton, atriz transgênero de Sense8 (2015 – 2018)e militante da causa, usou o seu Twitter para falar sobre a questão e tocou justamente nesse ponto para explicar o porquê de ser tão problemático Scarlett Johansson ter sido escolhida para a cinebiografia de Dante: “Atores transgêneros são chamados apenas para audições de papeis trans, nem são considerados para outros tipos de papeis. ISSO É UM PROBLEMA REAL. A GENTE NEM CONSEGUE ENTRAR NA SALA. ESCALEM ATORES TRANS EM PAPEIS CIS. EU DESAFIO VOCÊS!“, desabafou. E quem se atreve a dizer que ela não tem razão?

10 filmes de terror no Amazon Prime Video para fugir dos problemas…

Aproveite para assistir:

10 Séries de Comédia para Maratonar nas Próximas Semanas

Tudo bem que as tais produções citadas pelos representantes de Johansson realmente não tiveram a mesma polêmica na época em que foram lançadas – tanto que a série Transparent já ganhou vários prêmios, Jared Leto venceu o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante em 2014 e Felicity Huffman foi indicada à categoria de Melhor Atriz na premiação de 2006. Mas, depois de chegar até aqui, com as discussões sobre representatividade cada vez mais em alta e filmes como o já citado Uma Mulher Fantástica – protagonizado pela atriz transgênero Daniela Vega – ganhando o Oscar, voltar a dar o espaço conquistado pelas minorias para atores brancos e cisgêneros não é nada além de retrocesso.

Sim, a arte é livre e é função de qualquer ator ou atriz interpretar os mais diferentes tipos. No entanto, considerar esse argumento para defender episódios como este é ignorar todos os anos de invisibilidade desses grupos e tudo o que se conquistou até aqui sobre representatividade. Enquanto o mundo ainda não é o lugar perfeito onde todos têm oportunidades iguais – seja em Hollywood ou no dia a dia em uma cidade qualquer -, vamos dar voz para quem ainda luta para ser ouvido e deixar que eles sejam os protagonistas de suas próprias histórias.

15 Séries da Netflix Para Maratonar

15 Séries da Globoplay Para Você Maratonar

15 Séries da Amazon Prime Para Maratonar neste mês

10 reality shows insanos pra você que amou The Circle e Casamento às Cegas

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE