Will Smith e os Astros que Viveram 2 papeis Idênticos no mesmo Filme

Will Smith e os Astros que Viveram 2 papeis Idênticos no mesmo Filme



A ficção científica Projeto Gemini finalmente chegou aos cinemas. O novo trabalho do diretor Ang Lee traz o astro Will Smith na pele de um assassino super treinado que encontra uma versão mais jovem de si mesmo, e os dois entram em colisão. Para o filme, Smith vive um papel duplo, interpretando dois personagens iguais, porém, diferentes.

Aproveitando o gancho, o CinePOP resolveu relembrar alguns filmes onde atores ganham o dobro do trabalho, vivendo personagens duplicados. Vem conhecer e não esqueça de comentar.

Projeto Gemini (2019)

Começamos pelo filme que motivou a lista. Essa ficção do mestre Ang Lee promete quebrar barreiras no quesito efeitos especiais, trazendo uma versão jovem do astro Will Smith – digamos, a aparência que tinha por volta de 1995. Esse é um dos grandes chamarizes da produção, que conta ainda com o esforço duplo do astro, interpretando também sua versão atual. O longa estreia no dia 10 de outubro no Brasil.

Lendas do Crime (2015)

Lançado direto em vídeo no Brasil, mas antes tendo passado pelo Festival de Toronto – onde este amigo que vos fala pôde conferir a obra -, o filme traz Tom Hardy no papel duplo dos irmãos gêmeos Ron e Reggie Kray, mafiosos que aterrorizaram Londres na década de 1960. Para os papeis, Hardy precisou diferenciar bem suas atuações, já que Reggie era mais cerebral e sensato, e Ron, visceral e imprevisível.

Aproveite para assistir:


A Rede Social (2010)

Depois de assistirem ao filme de David Fincher, muitos ficaram achando que os intérpretes dos irmãos Cameron e Tyler Winklevoss eram de fato gêmeos. Na verdade se tratava apenas de um ator vivendo ambos, o então desconhecido Armie Hammer. O fato só comprova o quão excelente foi o efeito que criava e diferenciava o ator nas cenas, e a atuação do jovem artista.

O Homem Duplicado (2013)

Jake Gyllenhaal não é estranho a filmes que deem nó em nossa cabeça. Afinal, Donnie Darko (2001) está aí para provar isso. Mais velho, o ator voltaria a um longa pronto a ser discutido por horas sobre suas intenções, gerando diversas interpretações. Dirigido por Denis Villeneuve – outro que gosta de deixar o debate aberto sobre seus significados -, Gyllenhaal interpreta um professor universitário que num belo dia descobre um homem exatamente igual a ele num filme, e começa a investigar este bizarro caso. Muitas aranhas à frente e referências ao medo do feminino nesta produção baseada numa obra do português José Saramago.

O Homem da Máscara de Ferro (1998)

Leonardo DiCaprio havia acabado de sair do fenômeno Titanic (1997), que o colocou no topo do mundo, como seu rei, e escolheu este projeto para ser o seu seguinte. Por um lado, suas fãs adolescentes podiam ficar felizes de ter o ator duplamente em dois papeis. Por outro, precisariam encarar um drama de época, baseado no livro de Alexandre Dumas. Na trama, os três mosqueteiros, já mais velhos, precisam ajudar Phillippe, irmão gêmeo do cruel Rei Louis XIV da França, a quem ele mantém aprisionado com uma máscara de ferro. DiCaprio vive os monarcas, num de seus primeiros papeis de vilão.

Adaptação (2002)

O lendário Nicolas Cage virou motivo de galhofas e memes atualmente. Ou quem sabe sempre foi – é só dar uma olhada em Um Estranho Vampiro (1988). Mas Cage também teve sua fase de astro, ganhando conceito em filmes de ação de qualidade e em obras mais intimistas onde ele arrancava elogios e indicações ao Oscar. Depois de sua vitória em 1995, ele voltaria a ser indicado, arrebentando no papel duplo dos irmãos gêmeos (fictícios, já que somente um deles existe de verdade) Charlie e Donald Kaufman. Gordo e calvo, Cage cria personagens idênticos, mas completamente diferentes em suas personalidades. De quebra, é dirigido por Spike Jonze, e atua ao lado da “monstra” Meryl Streep.

O Duplo (2013)

Imagine dois Jesse Eisenberg com seus maneirismos. Bem, é exatamente isso o que ganhamos em O Duplo, adaptação de um clássico do icônico autor russo Fyodor Dostoevsky. Bem, ou quase, já que apenas uma de suas “versões” (a original) é dona da personalidade neurótica de Eisenberg a qual adoramos. Curiosamente, seu “outro eu” é confiante, carismático, decidido e assertivo. Em outras palavras: uma versão melhorada de si mesmo e tudo o que queria e deveria ser. Até mesmo a garota de seus sonhos, papel de Mia Wasikowska, o seu “duplo” consegue conquistar. Perder para outros é ruim, mas para si mesmo é ainda pior.

Irmãos de Sangue (2009)

Outro ator a interpretar gêmeos muito diferentes no cinema foi o metódico Edward Norton. Filme bem desconhecido em sua filmografia, este Irmãos de Sangue, dirigido pelo também ator Tim Blake Nelson (e com roteiro do próprio), foi lançado direto em vídeo em nosso país. Também um professor universitário, Bill (Norton), recebe um pedido de ajuda de seu irmão gêmeo Brady (também Norton, de barba e cabeludo), um hippie moderno que planta e vende maconha. O sujeito se meteu numa enrascada com um traficante local e agora necessita da ajuda do irmão certinho para se livrar da roubada.

A Ilha (2005)

Produção curiosa – uma das mais interessantes da carreira de Michael Bay -, o longa é quase uma versão atualizada do clássico da ficção científica THX 1138 (1971), primeiro filme de George Lucas. Na trama passada no futuro, pessoas vivem no subterrâneo, controladas por um governo autoritário, em busca de ganhar prêmios, como viagens para conhecer o mundo. No melhor estilo Black Mirror, o filme levanta muitas questões sobre tecnologia e sociedade. É no segundo ato que descobrimos a verdade sobre este admirável novo mundo, e também cópias de Ewan McGregor e Scarlett Johansson. Algo me diz que o mundo não está preparado para duas Scarletts.



COMENTÁRIOS