O que quase sempre acontece quando um cineasta novato emplaca com uma produção considerada divisora de águas em sua carreira, é que seu passo seguinte invariavelmente ocasiona numa obra maior, com um orçamento mais folgado e ambiciosa. David Robert Mitchell não foge a esta regra. Diretor de 47 anos de idade, Mitchell chamou atenção da comunidade cinéfila e dos fãs do gênero terror ao entregar Corrente do Mal (It Follows), filme que ainda se mantém como seu mais famoso e celebrado. O longa fez sua estreia mundial no prestigiado Festival de Cannes em 17 de maio de 2014 e rapidamente se tornou uma produção cult, enaltecida pelos adeptos. Com um roteiro muito criativo, o diretor-roteirista cria uma interessante analogia com os males das doenças sexualmente transmissíveis ao incorporar na trama uma maldição pra lá de assustadora que é passada de pessoa a pessoa após o ato sexual.

David Robert Mitchell começou sua carreira como diretor e roteirista em 2002, ao lançar o curta Virgin, que misturava drama e romance em meio a visões da Virgem Maria numa pequena cidade. A estreia em longas ocorreria oito anos depois, com o lançamento de The Myth of the American Sleepover (2010), filme inédito nos cinemas brasileiros, que começou sua carreira por festivais no South by Southwest, depois seguindo para Cannes. O longa figurou em muitas listas dos melhores do ano de críticos norte-americanos. Quatro anos depois, como citado, Mitchell ganhava o mundo com Corrente do Mal, emanando toda a sua vibe do clássico Halloween (1978) – seja através do clima de pertencimento na pacata vizinhança, cenas basicamente replicadas e a trilha sonora que presta grande homenagem às batidas de Carpenter.

Quando um diretor se posiciona na crista da onda desta forma, os fãs ficam ouriçados em querer saber seu próximo passo. O que será que tal artista irá nos trazer agora? Será apenas fogo de palha, uma promessa que não irá se concretizar? Ou se tornará um dos grandes a ser elevado no panteão dos Deuses do Cinema? Foi a pergunta que todos fizeram durante os quatro anos que David Robert Mitchell levou após o sucesso de Corrente do Mal até finalmente entregar seu passo seguinte, o suspense O Mistério de Silver Lake (Under the Silver Lake), inédito nos cinemas do Brasil, que chegou recentemente ao acervo da Amazon Prime Video.



O orçamento do projeto cresceu em oito vezes em relação a Corrente do Mal (que custou US$1 milhão). Para a nova empreitada, foi disponibilizado ao cineasta US$8,5 milhões pelas produtoras e a distribuição da balada A24, referência quando o assunto é cinema independente. Como costumeiro, o debute do novo longa ocorreu no Festival de Cannes em 15 de maio de 2018 – desta vez com avaliações mistas da mídia especializada, causando certo esquecimento ao filme após a passagem por terras francesas e sua turnê por festivais de cinema.

Uma coisa não difere nos filmes do cineasta, o artista possui uma fascinante capacidade de nos transportar para suas locações, como se ali habitássemos. A rotina e a atmosfera das cidades e bairros nos quais conta suas histórias ganham tamanha vida, como poucos conseguem retratar. Mitchell dá atenção aos detalhes, aos cenários, usa poucos cortes para que entendamos a geografia da cena, onde se encontram os personagens nos ambientes. Consegue nos remeter inclusive os sentimentos de seus protagonistas através dos locais em que estão inseridos. E a sensação é sempre a melancolia e solidão. O que torna tudo ainda mais identificável.



Na trama, Mitchell utiliza o ex-Homem-Aranha Andrew Garfield como protagonista. Ele vive Sam, o retrato do californiano desmotivado, de pessoas que apenas vivem, sem qualquer propósito ou objetivo. Sem trabalho, amigos, namorada ou família, cada situação do cotidiano se transforma em um verdadeiro evento para um tipo desocupado como ele. Pense em Jeff Bridges em O Grande Lebowski (1998), dos irmãos Coen, no qual o personagem do ator era descrito como o “homem mais preguiçoso de Los Angeles”. Garfield vive uma versão mais jovem do mesmo personagem, sem os entorpecentes (bem, talvez ocasionalmente). De fato, os Coen e Paul Thomas Anderson (Vício Inerente) entregaram outras versões da mesma história – que envolve um protagonista medíocre, porém, bem intencionado, tragado para dentro do olho do furacão a uma trama tão complexa que os cineastas não fazem questão que o espectador pegue todas as nuances de primeira.

O que faz a história girar em O Mistério de Silver Lake é a nova vizinha do protagonista Sam no conjunto habitacional em que vive em Los Angeles, Califórnia. Inicialmente planejada para ter as formas de Dakota Johnson (Cinquenta Tons de Cinza), Sarah, o objeto de afeto do protagonista que desencadeia toda a trama, terminou com aparência de Riley Keough, a neta do rei Elvis Presley. Loiríssima, com ares de dondoca, exibindo seu biquíni branco e chapelão com direito a cachorrinho a tiracolo, é claro que a atenção do sujeito seria capturada de imediato. A conexão de uma noite após se conhecerem é o suficiente para deixar o protagonista, geralmente letárgico, completamente apaixonado. Sarah é exatamente o tipo de gente que Sam quer por perto. É claro que na manhã seguinte ela simplesmente desaparece sem deixar vestígios. E o sujeito fará de sua missão descobrir o paradeiro da moça.

Aproveite para assistir:



O Mistério de Silver Lake, no entanto, está bem longe de ser apenas a sinopse descrita. O filme é mil coisas acontecendo ao mesmo tempo. Assim como a vida, inúmeras vezes nos deparamos com desvios do caminho que traçamos para nós, que podem ser bem-vindos ou não. Aqui, por exemplo, em meio a juntar as milhares de pistas para encontrar a moça, o personagem de Garfield se depara com tantas outras figuras excêntricas, numa Los Angeles que parece hiperconectada. Em meio a tudo, a lenda urbana do assassino de cães, com dezenas de animaizinhos domésticos desaparecendo e um serial killer canino procurado. Outra lenda que ganha espaço na narrativa é a da mulher nua com máscara de coruja, tida como entidade que aparece e desaparece num piscar de olhos, mas não antes de fazer suas vítimas. Tudo isso “documentado” por folhetos e quadrinhos que enfatizam a teoria da conspiração. Sim, por esta descrição você não está de todo errado se acha que Silver Lake soa muito como uma viagem alucinógena.

Existem subtramas para dar e vender, todas elas levando a algum resultado e conclusão, que podem estar ligadas à trama principal ou não. Em outros tipos de filme poderíamos apontar a falta de sentido, coesão e conexão com a narrativa, acusando tais trechos de descartáveis ou desnecessários. Mas Silver Lake é o tipo de filme que aprendeu na escola de Pulp Fiction, por exemplo, onde por mais desnecessária que aparente ser a cena, acrescenta em muito à atmosfera proposta por tais cineastas: e aqui o acréscimo diz respeito ao teor delirante do longa. Junte a isso um figurão desaparecido, sua bela filha na mira de homens perigosos, atrizes de filmes independentes que dublam como garotas de programa, ataques de gambás, cultos fanáticos, um mundo controlado por mensagens subliminares, passagens secretas subterrâneas e até mesmo uma cena perdida do filme inacabado de Marilyn Monroe recriado por Keough e o diretor (sua personagem é fã da estrela).



Acima de qualquer outra coisa, O Mistério de Silver Lake é um retrato de uma localidade muito específica, esta no caso sendo o bairro de Silver Lake em Los Angeles na Califórnia. Um bairro residencial que segundo a descrição, abraça totalmente o estilo de vida hipster, dono de quarteirões estilosos com muita arte pelas ruas, muitas cafeterias, restaurantes vegetarianos, restaurantes asiáticos e eventos de música independente / alternativa. Silver Lake é também um dos bairros mais caros para se viver atualmente em Los Angeles, e um dos mais seguros. Parte deste estilo de vida bem único é capturado por David Robert Mitchell, que escolheu ainda sacudir tal cenário com uma trama detetivesca repleta de perigos e muita teoria da conspiração. Seu filme é a maçã no paraíso.

Comentários

Não deixe de assistir:

🚨 INSCREVA-SE NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE 🚨http://bit.ly/CinePOP_Inscreva