SOFRÍVEL

 

O ingresso que paguei para ver ao suspense Vida (Life) valeu mais do que o de Alien: Covenant. Pronto, acabou a resenha, pode curtir e compartilhar nas redes sociais!

Comparado com Alien: O Oitavo Passageiro, de 1979, Covenant é sua antítese, um filme sofrível e pavoroso, o PIOR filme da série! – não estou contando aqui os confrontos com o Predador. Quase nada, sendo Michael Fassbender honrosa exceção.  No trailer, Ridley Scott vendeu ao público a ideia de um filme que retomaria o clima de horror do original. Ao sair da sala de projeção, fiquei com a impressão de que todas as cenas que poderiam funcionar no filme foram postas no trailer e só funcionam porque receberam uma montagem própria de trailer, pois no filme, elas não têm vida.

Covenant é uma nave de colonização. Após captarem uma mensagem misteriosa, os tripulantes descobrem um planeta mais semelhante à Terra e mais próximo do que aquele previsto originalmente. Após diálogos extremamente convencionais, a tripulação decide mudar os rumos da missão. Nesta parte inicial, já é possível perceber alguns dos muitos defeitos do filme.

O roteiro ruim é a raiz de muitos erros. Muita coisa é previsível, outras tantas são convencionais. Covenant apresenta uma história de origem dos xenomorfos que ninguém pediu para ser contada, que não contribui para a mitologia da saga e que não fornece elementos para o diretor construir o suspense.

Outro problema derivado do roteiro são os personagens mal trabalhados. O filme não se preocupa em desenvolver as personalidades da tripulação, nem podemos chamá-los de caricaturas. A preguiça é tamanha que os personagens mais parecem ideias que não foram desenvolvidas: “olha, esse aqui vai ser a cientista sabichona e esse outro o cowboy espacial”. O roteiro também apela para a burrice dos personagens para evoluir a narrativa. Na primeira sequência de ação do filme, depois de três decisões estúpidas, parei de contar. É algo que ofende a inteligência do público. Enfim, se o filme trata seus personagens como ração Alien, como o público irá se importar e envolver-se com a ação???

10 filmes de terror no Amazon Prime Video para fugir dos problemas…

Aproveite para assistir:

10 Séries de Comédia para Maratonar nas Próximas Semanas

Sem o engajamento do público com os personagens, as cenas de ação não provocam palpitações. Ainda falando da primeira sequência de ação, a sua concepção foi boa: separa o grupo em três para explorar um local desconhecido; o público percebe a ameaça antes dos personagens; quando a ameaça fica evidente, duas ações correm em paralelo, culminando com uma imagem pirotécnica. No papel foi lindo, na tela, não! E uma das muitas falhas dessa sequência está na má construção dos personagens, com os quais não nos importamos e que são muito burros.

Podemos identificar outras escolhas que prejudicam a sequência: a fotografia da sequência é genérica demais para construção do clima; as mudanças na mitologia ajudam a puxa mais ainda o freio de mão da cena; até a má apresentação da relação entre as personagens não colabora. Mas, sem dúvida, é a burrice das escolhas dos personagens o grande problema desta e de muitas outras sequências de Covenant.

No filme de 1979, a direção trabalhava com as sombras, mostrando pouco; o medo vinha do desconhecido. Consciente de que não há novidade em seu xenomorfo, Scott opta pelo gore, pelo grafismo das mortes – sábia decisão, que poderia ter um grande mérito pelo seu lado terror. Porém, faltou coragem na execução de efetivamente explorar a repulsa causada pelos corpos dilacerados. De tão rápidos os planos, as mortes nem causam repulso nos estômagos mais sensíveis, nem satisfaz o sadismo dos apreciadores do terror.

Ao lado de Covenant, Prometheus fica melhor – ao menos, você tinha coisas novas no roteiro e uma concepção visual de encher os olhos. Mas, dos vários erros de Covenant, há um erro que também paira sobre Prometheu. Ambos simbolizam algo forte no cinemão atual: o desejo de ter uma franquia para chamar de sua; isto faz com que estúdios e criadores apelam, muitas vezes, ao prólogo (o famoso prequel).

São dois fenômenos distintos que frequentemente andam juntos. A ideia de franquia é antiga no cinema e voltou a ser regra atualmente.  A franquia é uma maneira criar um público cativo, deixando o investimento menos arriscado. É uma decisão comercial compreensível diante da concorrência com outras mídias, mas que contribuiu o rebaixamento da qualidade de muitos filmes e torna o terreno infértil para novas ideias. Sim, muitas sagas são bem feitas (vide Marvel), mas limitam inovações, o que resultará em um público saturado.

Diante da necessidade de criar franquias, algo recorrente atualmente é explicar a origem das coisas. Apesar de alguns filmes ótimos (como Rogue One), a mania dos prólogos parece-me mais uma praga. Por mais curioso que o fã seja, nem sempre queremos saber a origem de tudo. Prólogos que querem explicar (e até mastigar) toda uma mitologia podem prejudicar um dos maiores prazeres dos fãs: imaginar o que veio antes. E Covenant é o melhor exemplo de história de origem desnecessária que enfraquece uma mitologia. (nota mental para um próximo texto: atualmente, o público curte as coisas bem mastigadas…).

Mesmo se pensarmos nele isoladamente, Covenant continua disfuncional. Poucas coisas funcionam, como uma ou outra cena, o CGI dos xenomorfos e, principalmente, a atuação de Fassbender. O cara faz milagre com o roteiro, confirmando as más línguas que dizem que ele é um dos maiores atores desta geração. Mas, como milagre não é suficiente contra um roteiro ruim e uma direção preguiçosa, ele também tem seus momentos constrangedores.

Covenant é uma apoteose de boas ideias desperdiças. Há um “plot twist” na última sequência que é símbolo disso. É um “twist” tão pouco twist, que pelo menos eu e uma outra moça no cinema percebemos do que se tratava logo quando a equipe volta para nave. Sem dar spoiler, digo apenas que se o filme tivesse deixado o público ciente, a sequência final de ação dentro da nave ganharia em suspense, pois o diretor teria mais um ponto de tensão para manipular o público.

Enfim, para você Alien: Covenant foi bom ou também foi um festival de erro e de boas ideias desperdiçadas? Ele vai entrar para a galeria de obras primas ou de grandes fracassos de Ridley Scott? Vamos, comente, compartilhe e curta nossas redes sociais:

Nossa página oficial no Facebook

Página oficial do CinePOP no Facebook

Canal do CinePOP no YouTube

15 Séries da Netflix Para Maratonar

15 Séries da Globoplay Para Você Maratonar

15 Séries da Amazon Prime Para Maratonar neste mês

10 reality shows insanos pra você que amou The Circle e Casamento às Cegas

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE