‘Coringa’: Joaquin Phoenix não se inspirou em Heath Ledger para encarar o vilão

‘Coringa’: Joaquin Phoenix não se inspirou em Heath Ledger para encarar o vilão



Coringa‘ mal teve sua estreia mundial no Festival de Veneza e já hipnotizou os fãs e a crítica especializada que puderam conferir a produção em primeira mão.

Elogiado por sua brilhante caracterização, Joaquin Phoenix já está sendo cotado para o Oscar como um dos grandes indicados. E para garantir sua própria versão do vilão, vivido várias diversas vezes nos cinemas e na televisão, o aclamado ator procurou seguir por um outro caminho.

Durante a coletiva de imprensa do longa no Festival, Phoenix disse que não se inspirou em Heath Ledger para fazer o papel, tão pouco nas demais caracterizações já entregues.

Buscando apresentar ao público algo que fosse autêntico, ele compartilhou um pouco sobre a abordagem escolhida para dar vida a um dos maiores vilões da história dos quadrinhos.

Disse:

Aproveite para assistir:


“O que me atraiu para fazer esse filme e esse personagem era o fato de que nós iríamos abordá-lo da nossa própria maneira. Então, para mim, eu não me referi às versões anteriores do personagem. Isso aqui pareceu mais como uma criação propriamente nossa, em certa forma. E isso era muito importante para mim”.

Ao longo da coletiva, o cineasta Todd Phillips ainda falou sobre a essência do filme, completando o raciocínio de Phoenix:

“Eu sempre acho que os filmes são espelhos da sociedade, mas nunca são moldes. Ainda que o filme se passe no final dos anos 70 e início dos anos 80, nós o escrevemos em 2017, então inevitavelmente algumas coisas encontram seu caminho dentro do filme e que podem estar existindo agora e nem todos veem isso, alguns apenas veem como uma nova versão da história de origem do Coringa. Então você odeia ter que definir o que é para as pessoas, mas não é um filme político – bem, para algumas pessoas, depende muito das lentes pelas quais você vê o filme”.

 

Confira as principais críticas e reações dos críticos:

“Tendo copiado descaradamente os filmes de Scorsese, Phillips modela os ingredientes roubados em algo novo, de modo que o que começou como uma alegre sessão de cosplay se torna progressivamente mais perigoso – e de alguma forma mais relevante também.”, Xan Brooks – The Guardian.

“Ninguém que vê este novo filme precisará de qualquer outra versão.”, David Sexton – London Evening Standard

“Phillips pode querer que pensemos que ele está nos dando um filme sobre o vazio de nossa cultura, mas, na verdade, ele está apenas oferecendo um excelente exemplo disso.”, Stephanie Zacharek – Revista Time

Coringa tem uma história sombria, sombria e psicologicamente plausível, uma visão da sociopatia dos desenhos animados feita em carne-e-osso”, Justin Chang – Los Angeles Times

Coringa é uma das verdadeiras obras-primas do cinema de super-heróis e uma das maiores realizações de 2019.”, Mark Hughes – Forbes.

“Phoenix mergulhou fundo tão profundamente e, com uma performance tão complexa, brutal e fisicamente transformadora, não seria surpresa vê-lo levar para casa uma estatueta ou duas na temporada de prêmios.”, John Bleasdale – CineVue.

“O que você ganha quando pega um solitário pobre e mentalmente instável e o trata como lixo? A resposta dada no engenhoso novo recurso de Todd Phillips é o arqui-inimigo de Batman, o Coringa.”, Geoffrey Macnab – Independente.

“O Coringa é bem-sucedido graças aos talentos de Phoenix, que criou um antagonista em camadas, indutor de terror, e conquistou seu lugar de direito ao lado de Heath Ledger e Jack Nicholson no panteão dos melhores Coringas de todos os tempos.”, Marlow Stern – The Daily Beast.

“O Coringa que merecemos. Comédia e fogo. É um circo, é um carnaval, é um caos. [Joaquin Phoenix] nos conduz numa dança através de uma doença social e [o filme] é um triunfo”.

“Phoenix está fenomenal. Obscuro, corajoso e muito insano. Mais de ‘Caminhos Perigosos’ do que ‘Taxi Driver’. Tudo caminha para uma obra-prima, mas [o diretor ToddPhillips tropeça no último ano, com o filme não sabendo se quer ficar sozinho ou se irá se render à tradição”.

“Não consigo acreditar o quão bom Coringa é. É uma obra-prima. Engraçada, obscura, linda, cheia de raiva e muito legal. Joaquin Phoenix é magistral e cada frame é sublime”.

“Existe o antes de Coringa. E o depois de Coringa. Eu não sei se o mundo está pronto para este filme. Ou talvez esteja? É INSANO. É louco. É audacioso. Ele não se segura. Não acredito que ele exista. Mas existe. E está chegando”.

“Phoenix evoca um senso de trágico, de beleza melancólica em sua transformação como Coringa, indo para além de uma performance e explodindo nas telonas em um ato tão perfeito em timing e percepção de personagem, que é, francamente, um dos maiores atos de atuação [já vistos]”. 

Coringa‘ será lançado nos cinemas nacionais no dia 3 de outubro.

O longa é dirigido por Todd Phillips (da franquia ‘Se Beber Não Case!‘),  que também assina o roteiro ao lado de Scott Silver.

Drama. A trama gira em torno do icônico arqui-inimigo do Batman, e segue uma história original e independente que nunca foi vista nas telonas anteriormente. A exploração de Arthur Fleck (Phoenix), um homem desconsiderado pela sociedade, não é apenas um estudo de caráter corajoso, mas também um conto preventivo.

Joaquin Phoenix viverá o personagem-título. O elenco ainda inclui Zazie Beetz, Robert De Niro, Dante Pereira-Olson, Douglas Hodge, Frances Conroy e Brett Cullen.

A história deve se passar em uma Gotham City dos anos 80, além de estar separada do atual Universo Estendido DC, fazendo parte de um novo selo para filmes independentes com os personagens DC Comics.



COMENTÁRIOS