Crítica | Homens, Mulheres e Filhos

Crítica | Homens, Mulheres e Filhos

Nota:


Tem ideias promissoras, mas acaba se perdendo.

Há algo bem em comum nos filmes do cineasta canadense Jason Reitman: a intensa personalidade de seus protagonistas. Todos são figuras interessantes, mas, ao mesmo tempo, detestáveis. Senão, vejamos: Obrigado por Fumar (2005) tinha o cínico lobista da indústria tabagista; Juno (2007) trazia uma adolescente grávida insuportável; Amor sem Escalas (2009) apresentava um sujeito isolado, desinteressado em amigos e família; Jovens Adultos (2011) retratava o estereótipo de uma patricinha que enfrentava fúteis problemas de idade; Refém da Paixão (2013) introduziu um fugitivo penitenciário numa estranhíssima história de amor; E este Homens, Mulheres e Filhos também segue o esquema, ainda que de forma coletiva, digamos assim. Pessoas problemáticas e curiosas.

São contos particulares que acabam se cruzando, expostos aleatoriamente e interligados pelo cotidiano. Temos um casal que passa por uma crise sexual, pais de um garoto que está se descobrindo, que por assim envolve-se com uma adolescente precoce, filha de uma mulher superpermissiva que a expõe ao ridículo e tem um relacionamento peculiar com um homem que sofre com o abandono de sua esposa e tem que criar o filho sozinho, este isolado num mundo virtual, que acaba encontrando vida real nos braços de uma jovem, filha de uma mãe superprotetora que de tão obcecada acaba prejudicando sua educação.

484331.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

Um roteiro deveras promissor, baseado numa obra de Chad Kultgen, assinado pelo próprio Reitman e Erin Cressida Wilson, que aborda temas pungentes e possui casos que, se bem executados, renderiam ótimos debates. A questão é como foi posto em tela, se realmente funciona e faz jus a premissa ambiciosa.

O diretor aposta numa linguagem mais teen, trabalhando com elementos gráficos, onde vemos os visores dos aparelhos digitais saltarem dentro de quadro – artifício que já vimos em outras obras como, por exemplo, o seriado inglês Sherlock (2010). E que não funciona muito bem, já que a ideia moderna está muito ligada à era digital, e lidamos aqui com eventos mais pessoais. Pior ainda é perceber que ao longo do troço, essa premissa é praticamente descartada, um erro gravíssimo do continuísta.

141800.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

Aproveite para assistir:


Narrativamente, o primeiro ato também é mal realizado, isso por soar absolutamente perdido e não apresentar bem a trama e seus personagens. Fazendo com que o público perca, de certo modo, o interesse pelo que vai acontecer. Somente na metade do longa somos fisgados, quando entendemos o drama vivido por aqueles fulanos. Algo que pode ser tarde demais.

Muito do (pouco) mérito de Homens, Mulheres e Filhos se deve a montagem de Dana E. Glauberman. Assaz eficiente, a sempre parceira de Reitman, entrega um trabalho que se mostra orgânico e pontual, uma vez que as translações das histórias funcionam bem, fazendo com que entendamos, facilmente, quem está ligado a o quê.

132601.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

O apropriado elenco não compromete, formado por nomes como Ansel Elgort, Jennifer Garner, Dean Norris, J.K. Simmons, Adam Sandler, Rosemarie DeWitt e Judy Greer, todos desempenham adequadamente suas funções, passando credibilidade quando exigidos. Bem como o cinematografo Eric Steelberg consegue captar a essência do clima empreendido e transmitir tensão, mesmo num ambiente tão púbere.

É um filme repleto de altos e baixos, que demora a empolgar e pouco acrescenta, mesmo sendo detentor de assuntos abastados. Podendo até não agradar seu público alvo, já que em vários momentos desvia o foco e entra em questões conjugais mais “adultas”. Surgindo assim como o primeiro real tropeço na carreira de Jason Reitman – apesar do já citado Refém da Paixão também ser abaixo da média – e entrando na lista de decepções do ano. Quem sabe uma nova parceria com Diablo Cody o faça voltar a sua velha forma. Aguardemos.



COMENTÁRIOS