Se você, telespectador, achava que a Jessica Jones estava ferrada na primeira temporada, multiplique isto por dez e aí sim você saberá o que é estar ferrada. A segunda temporada da série criada por Melissa Rosenberg (Dexter), adaptada dos quadrinhos de Brian Michael Bendis e Michael Gaydos, continua as coisas de onde foram deixadas. Desta vez, Jessica (Krysten Ritter), ao lado de Trish (Rachael Taylor), que ganha cada vez mais o papel de sidekick, buscam respostas no passado para entender o que deu origem aos poderes da protagonista.

Com a mesma narrativa densa da temporada anterior, Jessica Jones constrói mais um slow burn, ou seja, que leva um tempo para se desenvolver, mantendo a originalidade do primeiro ano. A história apresentada possui um mistério próprio e se torna cada vez mais difícil identificar quem, de fato, é o verdadeiro vilão da vez, já que parece colocar o público diante de uma verdadeira conspiração.

Com o termo passado em enfoque, Rosenberg centraliza todos os personagens numa luta e/ou busca com/por situações que aconteceram em outrora. É aquela velha história de quando o passado bate à porta e você fecha, ou deixa ele entrar e caminha para um ciclo vicioso. Jessica parece cada vez mais entrosada nesta situação e se a mesma já tinha problemas de raiva anteriormente, agora então, parece que tudo está se agravando e caminhando para acabar com integridade e saúde mental da mesma.



Do outro lado, Trish Walker, além de cada vez mais adentrar neste submundo de vigilantes ao querer ajudar a irmã adotiva custe o que custar, precisa encarar dilemas próprios que podem ou não levá-la novamente a um estado delicado. As coisas também não estão fáceis para Hogarth (Carrie-Anne Moss) que se descobre perdendo o controle e precisando recorrer a ajuda da detetive particular. O único, ainda que bizarramente, são da história toda é Malcolm (Eka Darville) que ganha um papel de maior destaque e consegue penetrar as paredes instaladas por Jessica e se tornar um amigo/subordinado necessário. E também se torna o alívio cômico da vez nos diálogos entre ele e a dona do Alias Investigations.

Aproveite para assistir:

Os três primeiros episódios tem um ritmo mais lento do que a temporada anterior, contudo, a premissa de Jessica Jones sempre foi trabalhar a história no próprio tempo, sem necessidade de apressar as coisas. É interessante que após a apresentação da suposta vilã da temporada que, por sinal, tem uma construção intrigante e um contraste espetacular com a personagem de Ritter, a narrativa parece ganhar vida própria e manter o telespectador num transe que mais parece que os episódios têm poucos minutos invés de quase uma hora.



É fundamental relatar que o cerco está cada vez mais se fechando para Jessica e Trish e em cinco capítulos a sensação passada ao público é a de que o poço, em que as mesmas se encontram, não tem fundo e está chegando o momento em que já era para a vigilante e a apresentadora do Trish Talk. Preparem-se para encarar uma batalha entre ter esperança, e perdê-la, de que as coisas irão melhorar e ambas saírão sãs deste beco sem saída.

A direção da série continua mantendo o olhar peculiar da primeira temporada, as cores permanecem fazendo o trabalho fantástico de permitir ao telespectador identificar os personagens que estão em foco em determinadas cenas e a trilha sonora permanece a maravilhosidade já vista nos trailers. Importante salientar que temas polêmicos atuais estão sendo mostrados e debatidos na série ao longo dos episódios. Se no primeiro ano a produção tratou de abusos de poder, estupro, machismo, entre outros, desta vez ela vem ainda mais incisiva em trabalhar os abusos sofridos por mulheres seja em locais de trabalho, no dia a dia e dentro de relacionamentos com amantes, pais, amigos, etc.

Jessica Jones continua honrando o selo MAX das HQs e traz uma segunda temporada chamativa, intrigante, ácida e até mesmo polêmica. Que venha o desenrolar de toda esta confusão em que a nossa detetive favorita se encontra e que ela consiga sair pelo menos com alguma sanidade disso tudo.

Comentários

Não deixe de assistir: