domingo, abril 14, 2024

Crítica | ‘Mais que Amigos’ usa as fórmulas a seu favor e entrega uma divertida rom-com

Poucos gêneros cinematográficos encontraram tanto sucesso quanto as comédias românticas. Servindo como válvulas de escape por construírem histórias que fogem da realidade concreta, as rom-coms se tornaram muito populares nos anos 1990 e conquistaram o público ao redor do mundo – ainda que, desde então, tenham sofrido com a repetição excessiva de convencionalismos narrativos e estéticos. Com exceção de alguns títulos que descontruíram essa engessada estrutura (como o recente ‘Megarrromântico’, estrelado por Rebel Wilson), já fazia tempo desde que não víamos histórias de fato comoventes e envolventes – mas Billy Eichner conseguiu usar todos os elementos conhecidos para dar vida ao ótimo ‘Mais que Amigos’.

Dirigido por Nicholas Stoller, que não é nenhum estranho às rom-coms, e contando com o roteiro de Eichner e Stoller, o longa-metragem desmistifica os estereótipos encontrados em filmes similares ao trazer para o centro dos holofotes um homem gay chamado Bobby (que também é interpretado por Eichner), que beira os quarenta anos e praticamente desistiu do amor. Logo no começo da história, é notável como Bobby talvez tenha percebido que não nasceu para ficar com alguém em uma relação duradoura – e ele nem sequer procura por isso. Afinal, sua carreira de sucesso fala por conta própria, considerando que ele é diretor do vindouro museu LGBTQIA+ de Nova York, além de comandar um podcast que abarca discussões queer e fala com abertura invejável sobre o que bem quiser (indesculpável e descaradamente).

Mesmo posando como uma pessoa independente, ele sente falta de alguma coisa – não a companhia de outro alguém, mas algo que o ajude a preencher os vazios que não percebe. Bobby tem encontros casuais com vários homens e continua a se isolar em uma inóspita sensação de frivolidade, em que o sexo não é o suficiente para deixá-lo satisfeito. As coisas começam a mudar quando ele cruza caminho com Aaron (Luke Macfarlane), um advogado testamentário que tem o “corpo perfeito” dentro dos padrões perpetuados. Os dois começam a conversar e se lançam em uma jornada de autodescoberta de importância ímpar para compreender a complexidade da comunidade queer e que é destinado a seus membros (o que já vem causando certa euforia patética por parte dos homofóbicos).

O filme se vale de inúmeras fórmulas imortalizadas pelo cinema mainstream: temos duas pessoas de mundos diferentes que cruzam caminho e se apaixonam; temos os apoios morais que servem como coadjuvante; e os obstáculos enfrentados pelos personagens para que cresçam, amadureçam e se reencontram de maneira espetacular e incrível. Entretanto, a sagacidade de ‘Mais que Amigos’ vem num entendimento autoconsciente que beira a metalinguagem, na medida em que ambos os aspectos são mencionados no enredo. Bobby é apaixonado por obras clássicas que se tornaram ícones LGBTQIA+ e solta referências constantes para Aaron, como se procurasse entender seu comportamento evasivo; tudo fica mais claro quando Eichner imprime uma visão antropológica ao andamento dos protagonistas, em que, dentro da fugaz sociedade em que vivemos, nada é o bastante para nos manter satisfeitos por muito tempo.

Considerando que as rom-coms sofrem de um mal intrínseco há muitos anos, Stoller não tem muito o que fazer em relação à condução. Para aqueles que não conhecem o estilo do diretor, é só nos lembrarmos de ‘Ressaca de Amor’ e ‘Cinco Anos de Noivado’ (duas de suas incursões mais conhecidas) – e, aqui, o cineasta parece se divertir da mesma maneira que fazia tempos atrás. Porém, é notável como ele se inspira mais na construção das cenas, oferecendo algo para além das construções imagéticas e garantindo que cada engrenagem funcione com maestria e nos conduza até uma prática e previsível conclusão (não que isso seja um problema). E, cultivando o sentimento nostálgico da familiaridade, há sequências hilárias e relacionáveis, desde um jantar de festividades natalinas até um épico reencontro musical.

É claro que essa não é a primeira rom-com gay que vemos; ora, neste ano mesmo tivemos ‘Orgulho & Sedução’, estrelado por Joel Kim Booster e celebrando a cultura asiática; porém, a ambientação do longa é mais inalcançável do que a vista aqui, visto que ela depende da história para ocorrer. Eichner e Stoller unem forças para oferecer um lado diferente das investidas queer no cinema, construindo uma trama que seja relacionável àqueles que a vivenciam, e não àqueles que sempre foram retratados. De fato, ainda há um longo caminho a percorrer, mas introduzir um elenco totalmente LGBTQIA+ em um estúdio mainstream é um passo considerável para que conquistemos nosso merecido espaço ao lado de quem já é representado desde o início do cinema.

Não deixe de assistir:

O elenco coadjuvante tem mais força que obras similares, guiado por performances estelares que se equiparam às de Eichner e Macfarlane. Temos Ts Madison como Angela, uma das dirigentes do museu que não passa a mão na cabeça de ninguém; Jim Rash como Robert, que não acredita que os bissexuais tenham voz o suficiente; Miss Lawrence como Wanda, símbolo da calma e da empatia que é mais forte do que aparenta; Dot-Marie Jones em uma espetacular rendição de Cherry, cujas convicções entram em conflito admirável com as de Robert; e Eve Lindley como a esperta e avoada Tamara, representante da Gen-Z e com um coração de ouro.

Apesar dos pontuais problemas de ritmo, ‘Mais que Amigos’ é uma ótima e bem-vinda comédia romântica que vai para além das obviedades superficiais e consegue abraçar os convencionalismos de gênero sem se valer de arquétipos vencidos ou resoluções sem sentido. O resultado ultrapassa nossas expectativas e se consagra como uma divertida e comovente surpresa que vale a pena e vale seu ingresso.

Mais notícias...

Thiago Nollahttps://www.editoraviseu.com.br/a-pedra-negra-prod.html
Em contato com as artes em geral desde muito cedo, Thiago Nolla é jornalista, escritor e drag queen nas horas vagas. Trabalha com cultura pop desde 2015 e é uma enciclopédia ambulante sobre divas pop (principalmente sobre suas musas, Lady Gaga e Beyoncé). Ele também é apaixonado por vinho, literatura e jogar conversa fora.

Siga-nos!

2,000,000FãsCurtir
370,000SeguidoresSeguir
1,500,000SeguidoresSeguir
183,000SeguidoresSeguir
158,000InscritosInscrever

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MATÉRIAS

CRÍTICAS

Poucos gêneros cinematográficos encontraram tanto sucesso quanto as comédias românticas. Servindo como válvulas de escape por construírem histórias que fogem da realidade concreta, as rom-coms se tornaram muito populares nos anos 1990 e conquistaram o público ao redor do mundo – ainda que, desde...Crítica | 'Mais que Amigos' usa as fórmulas a seu favor e entrega uma divertida rom-com