Você conhece a franquia de ‘O Predador’, a história da criatura alienígena invisível que já veio para a Terra algumas vezes nos anos 1980/1990 e deixou um rastro de corpos por onde passou – e forçando muito herói a ter que se mexer para salvar a humanidade. Em ‘O Predador’ o próprio Arnold Schwarzenegger teve que ir até a Guatemala para salvar políticos estadunidenses presos por lá; em ‘O Predador 2 – A Caçada Continua’ a criatura foi para Los Angeles, tocar o terror nas ruas dominadas por gangues rivais; em seguida, a produção jogou o foco na criatura, que foi brigar com ‘Alien’ em dois longas-metragens; agora o público poderá finalmente conhecer a origem de tudo, no prequel ‘O Predador: A Caçada’, que chega hoje com exclusividade na plataforma da Starplus.


Naru (Amber Midthunder) é uma jovem indígena Comanche que quer provar ser mais do que uma mulher destinada a cuidar e colher, mas sim uma verdadeira caçadora, pronta para defender seu povo. Porém, seu irmão Taabe (Dakota Beavers) e os outros rapazes da aldeia não só não acreditam no potencial dela, como também a impedem de ir caçar. Quando um leão ameaça a permanência do grupo naquela região, Naru decide ir atrás do grupo de caçadores, numa tentativa de mostrar seu valor. O que ela não esperava era descobrir que o leão seria o menor dos problemas para a sua aldeia, pois uma ameaça muito maior e totalmente desconhecida estava matando todas as criaturas vivas da floresta.


Com uma hora e quarenta de duração, ‘O Predador: A Caçada’ tem a duração e o formato certos para prender a atenção do público, entretendo e ao mesmo tempo oferecendo conteúdo. Partindo dos personagens criados por Jim Thomas e da franquia original, o roteiro de Patrick Aison e Dan Trachtenberg volta no tempo para trazer as origens deste que é um dos personagens mais marcantes da ficção científica de terror. Esta origem, entretanto, não é sobre a criatura enigmática, mas sim da história, deste que, até o momento, é o primeiro registro de contato do Predador no planeta Terra.

Ao centrar a história lá nos idos 1700, o roteiro coloca o Predador como uma metáfora para o período colonial: se o Predador só mata àquele a quem considera uma ameaça, e os povos indígenas estão sendo invadidos pelos europeus colonizadores, quem, nessa história, é a verdadeira ameaça e quem tem o direito a permanecer na terra? Tudo isso é oferecido em uma camada profunda, sinalizada especialmente ao final do longa, ao mostrar a característica nômade do povo Comanche em uma história cujo final nós já conhecemos: hoje os Comanche são apenas cerca de 15 mil.

Aproveite para assistir:



As cenas de ação e de luta são muito bem coreografadas e convincentes, o que torna o projeto do diretor Dan Trachtenberg um filme coletivo, que se vale dos esforços individuais de cada um da equipe para alcançar o resultado. Carismática e exímia manejadora de machadinhas, Amber Midthunder dá conta do recado como uma jovem que luta para conquistar o respeito do grupo, e convence mais do que ‘Valente’ ou ‘Pocahontas’, inclusive nos vários diálogos em Comanche que o filme traz. As cenas de matança e brutalidade não são gráficas, e, no todo, há até pouco sangue em cena – o que pode desapontar a alguns. Entretanto, por alguma razão isso não prejudica a produção; ao contrário, faz com que tanto o Predador quanto os humanos tenham que se valer da inteligência para matar – e isso, na franquia, é algo que andava faltando.


Com um elenco todo composto por nativos indígenas ou descendentes dos povos originários, ‘O Predador: A Caçada’ leva a franquia de volta aos eixos, apresentando uma boa trama comercial dentro de uma história crítica que faz sentido, oferecendo entretenimento que prende a atenção do espectador e joga luz sobre possíveis caminhos que a franquia pode tomar. Filmão!

Não deixe de assistir: