Festival do Rio 2013: Joe

Festival do Rio 2013: Joe

Nota:


O INDOMÁVEL

Ele está de volta! Quem julgava morta e enterrada a carreira de Nicholas Kim Coppola, vulgo Nicolas Cage, pode pensar novamente. Um dos mais excêntricos atores de Hollywood, Cage é vencedor do Oscar de melhor ator por Despedida em Las Vegas (1995), e indicado por Adaptação (2002). Desde então sua carreira parece ter despencado e o astro consecutivamente entregou produções, digamos, que deram motivo para ser rechaçado pelos especialistas, como persona non grata do bom cinema. Em sua fase negra encontram-se obras como O Sacrifício (2006), O Vidente (2007), os filmes do herói Motoqueiro Fantasma (2007 e 2012), Reféns (2012), entre outros.

O motivo, dizem as más línguas, foram as dívidas do ator, que o levaram a participar de qualquer produção que lhe era oferecida, simplesmente pelo salário. Existe até um vídeo muito engraçado na internet, onde as escolhas pouco ponderadas do ator viraram motivo de galhofa. Depois da tempestade vem a bonança, e se astros de carreiras tão diferentes quanto Sylvester Stallone e Matthew McConaughey conseguiram se reinventar, porque não o sobrinho do diretor de O Poderoso Chefão. Ainda é cedo para dizer se Cage se elevará da desgraça, mas a certeza é que em Joe o ator dá o primeiro passo.

2

No filme, Cage interpreta o personagem título, um errante ex-presidiário, em busca de redenção. Nos primeiros momentos Joe cuida de um negócio ecológico dando emprego para diversas pessoas. Ele é responsável por uma equipe cuja função é matar com veneno árvores consideradas inúteis, para no lugar serem plantadas outras que desempenhem uma função maior no meio ambiente. É assim que ele conhece o menino Gary, vivido pelo talentoso Tye Sheridan (Amor Bandido). O menino é um pobre infeliz preso a uma família regida por um dos personagens mais detestáveis do cinema recente, papel do sem teto na vida real, Gary Poutler. Não é coincidência a extrema veracidade na atuação do sujeito.

Wade (Poutler) está a um passo (curto) da mendicância. Tem mulher e dois filhos, mas vive bêbado pelas ruas. Em alguns momentos exibe traços de uma possível redenção, ao arrumar emprego (provido pelo filho) com Joe, e em cenas de descontração ao lado do filho. Mas no geral, o personagem é capaz de roubar o dinheiro suado do menino, matar, e prostituir a pequena filha. Tais elementos trazem grande revolta ao público em relação ao personagem e ao filme. O protagonista também não é nenhum santo, e vive tendo problemas com a polícia, que se originaram desde cedo. O personagem de Cage, no entanto, está mais além em sua fase redentora.

3

Aproveite para assistir:


O trio principal está bom acima da média. Joe, é dito, traz grandes chances para Nicolas Cage voltar ao radar em época de premiações. Mas a verdadeira surpresa seria se Gary Poulter fosse lembrado por seu desempenho mais do que realístico. A direção do filme é de David Gordon Green, jovem e talentoso cineasta americano, que começou a carreira no cinema independente, com obras elogiadas como George Washington (2000) e All the Real Girls (2003). Em 2008 se embrenhou no cinema mainstream com a comédia maconheira Segurando as Pontas, e desde então entrou numa espiral de declínio com os fiascos de Sua Alteza? (um prazer culposo) e O Babá(ca).

4

Joe completa a redenção do diretor também, que marca em 2013 sua volta às boas produções, tendo lançado anteriormente Prince Avalanche, igualmente elogiado. Embora honesto e real, Joe é também mundano, e sem grandes surpresas. Aparenta ser um filme sem foco, onde situações se empilham até seu clímax apressado, que tiram seu realismo e o assemelham a um filme formulaico.  É em seu percurso que a obra apresenta cenas tão estranhas e incomuns, que o tornam impossível de não ser recomendado. São cenas de extrema violência, que se fazem a peculiaridade de Joe.



COMENTÁRIOS