Os Filmes de Ação de Liam Neeson – Do Pior ao Melhor

Os Filmes de Ação de Liam Neeson – Do Pior ao Melhor


Chegou aos cinemas brasileiros (após ter sido momentaneamente adiado) o novo filme de ação protagonizado por Liam Neeson. Vingança a Sangue Frio é a refilmagem de uma produção norueguesa de 2014, intitulada O Cidadão do Ano, e dirigida pelo mesmo Hans Petter Moland. Este é também o anunciado último filme do ator no gênero – esperamos que ele reconsidere. Pensando nisso, o CinePOP resolveu ranquear, do pior ao melhor, todos os filmes de ação da carreira de Liam Neeson.

Crítica | Vingança a Sangue Frio – O filme de ação mais engraçado, divertido e insano de Liam Neeson

OBS. Na lista, levamos em conta apenas os filmes protagonizados por Neeson e que serviram de veículo de ação para ele – portanto, nada de Batman Begins, A Ameaça Fantasma, Fúria de Titãs ou Esquadrão Classe A. Vem conhecer.

Busca Implacável 3 (2014)

O filme que transformou Liam Neeson num astro da ação aos 60 anos, rendeu duas continuações – que foram apenas decaindo em qualidade. Sem muito mais a dizer, e apenas querendo lucrar em cima de uma franquia, o terceiro longa protagonizado pelo ex-agente que é o melhor no que faz, ao menos tentou ser diferente em sua trama, se desligando dos anteriores. Mas para isso, infelizmente, precisou copiar de forma descarada a trama de O Fugitivo (1993), colocando o personagem de Neeson no lugar de Harrison Ford.

Busca Implacável 2 (2012)

Aproveite para assistir:



Talvez a mensagem aqui seja: não faça continuações de seus filmes de ação, Neeson! O Busca Implacável original não foi apenas o primeiro no gênero para o ator, se mantém como um dos melhores de sua carreira. Suas continuações, por outro lado, seguiram apenas o declínio, ao ponto de não sabermos muito bem dizer qual é o pior entre as partes dois e três. Como dito, o terceiro ao menos tentou criar algo novo – coisa que este segundo nem sequer fez. Aqui, o roteiro coloca os parentes dos vilões mortos no primeiro longa para virem atrás de Bryan Mills se vingar (e quem disse que ninguém pensa nas famílias dos bandidos?).

A franquia ficou tão popular que gerou até mesmo uma série de TV – sem qualquer envolvimento de Neeson. O programa durou apenas duas temporadas – de 2017 a 2018.

Caçada Mortal (2014)

Este é um dos filmes de ação mais esquecíveis da carreira de Liam Neeson. O que não significa que dê tantas escorregadas no roteiro quanto os itens acima. Baseado no livro de Lawrence Block, o ator vive um policial caído em desgraça, que ganha a vida como detetive particular após um grave erro que custou seu emprego. No novo trabalho, ele é contratado por um criminoso para descobrir quem assassinou sua mulher. O longa se comporta como um thriller investigativo, mas sem esquecer os usuais sopapos, perseguições e tiroteios inerentes a este tipo de filme do ator. O longa, no entanto, é confuso em sua proposta e não gera tanto interesse.

Noite Sem Fim (2015)

Os melhores filmes de ação de Liam Neeson são os saídos de sua parceria com o diretor espanhol Jaume Collet-Serra – um dos cineastas mais talentosos e subestimados trabalhando em Hollywood atualmente. A dupla já entregou quatro filmes juntos e todos são bons. Este, no entanto, é o que chega em último. Um dos pontos altos, definitivamente, é seu elenco. Dando peso à trama densa, Ed Harris – um dos atores mais intensos da atualidade – vive um chefão da máfia, para quem o personagem de Neeson trabalha. Os temas aqui são lealdade, amizade e família. Numa única noite, no meio de saraivadas de balas, perseguições de carro e muita porrada, o protagonista precisa decidir entre seu amigo e patrão ou seu filho – já que o rapaz (papel de Joel Kinnaman) é acusado de matar o filho do chefão.

O Passageiro (2018)

Mesmo que não se sustente até o final, O Passageiro faz um trabalho brilhante de suspense e consegue manter a tensão até quase o seu desfecho. Além disso, mostra que Serra tem o domínio completo de suas cenas, dando a dimensão do que ocorre dentro de um trem – o qual o protagonista Neeson pega todos os dias para o trabalho. Este é mais um longa da parceria Neeson/Serra que pega emprestado do cinema de Hitchcock, para dar sua própria versão recheada de adrenalina e pancadaria. Na trama, o personagem principal é chantageado por desconhecidos para realizar uma tarefa no trem que usa diariamente, ou sua família será morta. O filme conta ainda com Vera Farmiga e Patrick Wilson, a dupla de Invocação do Mal.

Vingança a Sangue Frio (2019)

Quem for esperando somente um filme de ação de Liam Neeson, encontrará algo mais neste seu novo trabalho. Para a surpresa de todos (sem dúvidas a minha também), seu novo veículo de ação possui extremo bom humor – isto é, quase todo dono de muito humor incorreto. Percebemos gracejos, tiradas, referências e todo tipo de teor cômico permeando a obra do início ao fim. E o melhor, ele funciona. O fato é tão chamativo que Vingança a Sangue Frio é quase a primeira comédia de ação da carreira do ator. É claro, não podemos esquecer que aqui também temos muitos socos, ossos quebrados, sangue voando para todo lado, além de cadáveres para dar e vender.

A Perseguição (2011)

Muito mais um filme de sobrevivência do que de ação, este longa é dirigido por Joe Carnahan, que havia comandado Neeson em Esquadrão Classe A no ano anterior. Em partes um filme catástrofe, a história narra a luta pela vida de um grupo de funcionários de uma estação petrolífera no gelo, cujo avião cai na mata. Neeson interpreta um experiente caçador contratado pela empresa para afastar animais selvagens. Não bastasse todos os percalços, os sobreviventes do desastre ainda precisam lidar com uma alcateia de lobos incessante.

Desconhecido (2011)

Em sua maioria, os filmes da parceria Neeson / Serra soam como versões modernas e mais arrojadas de clássicos de Hitchcock. Isso se deve especialmente por seus temas, que envolvem dilemas universais – como grandes questões do “que você faria?” ou do “homem comum no local e hora errados”. Este é sem dúvidas o caso com Desconhecido, que começa com uma grande premissa gelada, que consegue despertar o interesse imediato. Um cientista em viagem na Alemanha, sofre um acidente de táxi e vai parar no hospital. Quando acorda, sua vida parece lhe ter sido roubada: sua mulher diz não conhecê-lo e outro homem porta sua identidade. E agora?

Sem Escalas (2014)

Mais um filme e mais uma parceria entre Liam Neeson e o diretor Jaume Collet-Serra. Esta, no entanto, é a última da lista e a que ocupa a posição mais alta. E, como não podia deixar de ser, mais uma vez temos um veículo de ação nos moldes de clássicos thrillers. Aqui, um policial que trabalha para uma companhia aérea enfrenta diversos problemas em sua profissão. Tudo piora quando em seu último voo, um terrorista começa a fazer ameaças, diretamente para o oficial através de uma linha restrita. Agora, sem ninguém acreditar nele, o protagonista precisa encontrar o criminoso, no meio de uma gama de passageiros suspeitos.

Busca Implacável (2008)

Como dito, o filme que começou a carreira de Neeson no gênero se mantém como o melhor em sua filmografia. O motivo para isso se deve pela simplicidade de sua trama, mesclada com temas ainda urgentes e muito relevantes. Aqui, no centro da história temos uma realidade horrenda: o tráfico de mulheres para a exploração sexual. Sim, soa muito como algo apenas ficcional, caso não soubéssemos ser uma realidade terrível, ainda ocorrendo em grande parte do mundo – e o pior, com aval de autoridades, como denunciado no filme. Na trama, Neeson vive Bryan Mills, um ex-super agente, extremamente protetor de sua jovem filha adolescente. Ela consegue convencê-lo a fazer uma viagem para a França com uma amiga – mas quando chega ao local, é sequestrada. Cabe ao veterano ir até o país (do produtor do filme, Luc Besson) e resolver a situação da melhor forma que sabe.


Inscreva-se em nosso canal e receba conteúdo exclusivo » http://goo.gl/mPcJ5c