• Relembre nossa crítica de ‘Thor: O Mundo Sombrio‘. A crítica de ‘Thor – Ragnarok‘ será lançada hoje, as 14 horas.

O deus do trovão retorna numa aventura quase épica.

Diferente da grande maioria, gosto do primeiro Thor – não só pela distinta direção de Kenneth Branagh (Frankenstein de Mary Shelley), de forte teor shakespeariano, como pelas boas cenas de batalha e a criação do universo Asgard. Do mesmo modo, também apreciei esse Thor: O Mundo Sombrio, que assim como o anterior, tem lá seus problemas e, de certa maneira, acovarda-se no acabamento. Entretanto, no fim das contas, cumpre bem a sua função.

Este, comandado por Alan Taylor, que dirigiu alguns episódios da série Game of Thrones, quase seria um épico, pelo menos em seu primeiro ato, não fosse ele apostar em subtramas mais “humanas”, digamos assim. O que acabou tornando a fita ainda mais atraente. Sou um voyeur assumido do casal Chris Hemsworth e Natalie Portman, e aqui as coisas parecem funcionar ainda melhor. A apresentação familiar me cativou bastante, e a boa dose de comédia tornou a narrativa orgânica. Ainda que, em nenhum momento, deixe a aventura em segundo plano, pois é recheado de entraves.

21047916_20131009150141615.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx


Achei interessante a fotografia de Kramer Morgenthau (Um Crime de Mestre), por saber mesclar bem alguns conceitos entre os dois mundos, dando tons referentes, à atmosfera daqueles universos. Com lentes mais acesas, o dourado é realçado em Asgard, criando o efeito de riqueza. Já em Londres, Morgenthau aposta em tons mais frios, dando um aspecto morno à região, simbolizando o estado emocional da personagem Jane Foster. Assim como a direção de arte foi fundamental para que o troço permanecesse crível aos nossos olhos, apesar dos excessos visuais. Já a trilha sonora, entra e vai embora, sem que ninguém repare.

Não poderia deixar de elogiar, também, a sempre marcante presença de Tom Hiddleston, que prova ser, de longe, o ator mais importante e interessante dessa leva de movie-heroes. Pra variar, ele rouba a cena e diminui qualquer um, quando em tela.

Aproveite para assistir:

21030160_20130822154017344.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

Contudo, talvez se o grupo de roteiristas, formado por Christopher YostChristopher Markus e Stephen McFeely, fosse um pouquinho mais ousado, e se empenhassem no desenvolvimento do texto, principalmente em sua resolução, Thor: O Mundo Sombrio seria um dos melhores trabalhos da MARVEL Studios. O que acaba sendo uma pena, ver tamanho potencial ser desperdiçado.

Mas, como muitos sabem, ousadia é uma palavra que quase não existe no dicionário dessa produtora, isso em relação à complexidade de roteiros. Pelo contrário, estão ficando cada vez mais didáticos. Nesse título, por exemplo, temos uma introdução enorme – formidável, aliás –, em formato de flashback, sobre o que vai desencadear o conflito da trama. Logo depois, na no início do segundo ato, Odin (Anthony Hopkins) nos conta, novamente, como tudo aconteceu. Provando, assim, que estão formando um público cada vez mais dopado e preguiçoso – vide o relativo sucesso que o terrível seriado Agents of S.H.I.E.L.D., incrivelmente, vem tendo.

21035972_20130904095357751.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx


Em todo caso, esse filme revigora o gênero e resgata a esperança do que vem sendo chamado de “fase 2”, já que Homem de Ferro 3, apesar de atingir uma bilheteria colossal, desapontou de americanos e soviéticos a gregos e troianos. Aguardemos, então, os próximos fascículos dessas aventuras MARVEL, que, ao que tudo parece, ainda vai render por anos. Não que tenham feito trabalhos ruins, mas é evidente que precisam, urgentemente, ter um pouco mais de ambição artística, dentre tanta comercial e financeira.

Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE