Possui um belo visual e ideias promissoras, mas transita num ritmo tedioso, sendo incapaz de captar o público.

Um dos pontos mais comentados nos trabalhos de Christopher Nolan é sua estética fílmica, por possuir uma identidade muito própria e ser essencial como ferramenta narrativa. Desde o genuíno Amnésia (2000) até o recente Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge (2012), Wally Pfister assina como cinematógrafo e é um dos principais responsáveis por trás dessa decorrência. Inclusive chegou até ganhar um Oscar de Melhor Fotografia por seu desempenho no excelente A Origem (2010). Isso fez sua carreira decolar e deu fôlego para que impetrasse seu primeiro trabalho como diretor, sendo pleiteado pelas produtoras Straight Up Films e Alcon Entertainment.

Filmado em formato anamórfico de 35 mm, no qual o cineasta ainda defende o uso de película sobre o modo digital, Transcendence – A Revolução chega aos cinemas brasileiros com uma fama extremamente negativa no que se refere à crítica e público – principalmente nos EUA, um dos seus países de origem. No entanto, como é sabido, o gosto dos norte-americanos tende a ser um tanto peculiar em relação ao nosso – Círculo de Fogo (2013) é prova do que falo. Apegando-me a isso, conferi a obra de coração aberto, pronto para ser conquistado, o que dificilmente poderia advir já que conquistar não parece ser o foco por aqui.

355621.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

O longa aborda a criação de uma máquina capaz de possuir sensibilidade e inteligência artificial coletiva feita pelo renomado Dr. Will Caster (Depp). Tal mote não só atrairia a atenção da ciência e, por assim, da imprensa, como também causaria debate entre o meio conservador religioso, que costuma ser contra o avanço tecnológico – algo recorrente em nosso mundo. O que, por sinal, nos leva, inicialmente, a acreditar que isso será posto em discussão quando um maníaco extremista tenta assassinar Caster, e este se vê na situação de transplantar sua mente para o novo invento e convence a esposa Evelyn (Hall) e o amigo Max Waters (Bettany) a realizar nele, Will, o procedimento.

Além de deixar de lado os pertinentes temas propostos, e de focar numa trama que se revela absurdamente tola do ponto de vista social, a fita, apesar de possuir um visual atraente e ser detentora de belos planos contemplativos, é incrivelmente desinteressante, em vários aspectos. É sem vida, ou pior, vive na inércia. Wally Pfister, dedicando-se exclusivamente a sua área, parece pouco se importar com o ritmo do filme, pois, com uma mão pesadíssima, cria uma narrativa que tenta ser intimista, mas por nada dizer, acaba soando enfadonha e aborrecida. Elementos que seriam importantes para a conclusão da trama acabam passando despercebidos pela pegada tediosa que, a todo o momento, faz com que o público pergunte se o final está próximo.

Aproveite para assistir:

438027.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

O bom elenco liderado por um Johnny Depp contido que não compromete, ou mesmo acrescenta, é formado por Rebecca HallPaul BettanyMorgan FreemanCillian Murphy e Kate Mara. Porém, com exceção de Hall, que parece bastante envolvida com o projeto, todos os demais surgem de forma automatizada, com personagens pavorosamente mal desenvolvidos e interpretados. Não sabemos seus nomes, menos ainda importamo-nos pelo seu cotidiano.

O roteiro unidimensional, assinado pelo novato Jack Paglen, é raso em suas ideias e possui fraquíssimos diálogos. Restando a equipe de direção de arte, auxiliada pela eficiente fotografia de Jess Hall, realizar um cuidadoso trabalho de mise en scène, que faz com que os objetos, em tela, falem por si. Algo que pouco funciona, já que a plateia não tem um referencial. Fica então a dúvida: com essa experiência nada agradável, Wally Pfister voltará à sua profissão de origem, no qual foi consagrado, ou tentará uma nova investida, arriscando-se por completo? Aguardemos se o pião cai dessa vez.

Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE